Avançar para o conteúdo principal

O Exercício Físico Influencia o Apetite?

Por dentre as estratégias recomendadas para perda de peso ou de gordura temos a prática de exercício físico como sendo das mais advertidas por autoridades e profissionais de saúde. 

 No entanto, há quem afirme que o exercício físico é inútil para quem deseja perder peso ou gordura por este ativar mecanismos compensatórios, os quais se incluem um aumento do apetite e da ingestão de energia, que acabam por compensar o gasto energético extra derivado do treino. 

Mas será realmente assim? 

Já foram publicados diversos artigos de revisão cujos autores procuraram clarificar esta questão. 

A influência do Treino de Endurance no Apetite 

Em 2020, Beaulieu K e colegas (2020)¹ conduziram uma revisão da literatura com a intenção de aferir a possível influência do treino de endurance isolado, ou em combinação com treino resistido, em variáveis relacionadas com o apetite, ou outros aspetos relacionados com a ingestão alimentar. 

Esta revisão incluiu 7 estudos observacionais, 7 estudos de curta duração (agudos), e 10 estudos de duração relativamente longa (crónicos), os quais implementaram algum tipo de atividade física.

Conclusões da revisão: 

  • A prática de atividade física parece favorecer um maior controlo do apetite e uma redução da recompensa alimentar. 
  • A realização de atividade física associa-se a um menor desejo e procura de alimentos ricos em gordura ou energia e a uma maior apetência por alimentos pobres em gordura/energia. 

A influência do Treino Resistido no Apetite 

Os investigadores Panissa VL et al. (2023)² efetuaram recentemente uma revisão sistemática de estudos que procuraram determinar o impacto do treino resistido no apetite. 

Mais precisamente, estes autores analisaram os efeitos agudos e crónicos do treino resistido no apetite e/ou ingestão de energia, e procuraram comparar esses efeitos com os do treino de endurance e o treino combinado (treino resistido mais treino de endurance. 

No seu artigo, Panissa e colegas identificaram 17 estudos de curta duração (agudos), e 9 estudos de tipologia crónica. 

Alguns destes estudos compararam o treino resistido com um grupo de controlo, e outros efetuaram comparações com o treino de endurance e com o treino combinado. 

Conclusões da revisão:
  • O treino resistido agudo parece induzir respostas que favorecem a inibição do apetite.
  • Uma maior quantidade/volume de treino resistido parece ter um maior efeito agudo na supressão do apetite. 
  • O treino resistido crónico não parece promover mecanismos compensatórios ao nível da ingestão de energia/apetite. 
  • O treino de endurance e o treino combinado parecem favorecer uma maior inibição do apetite do que o treino resistido.
➤ Mostrar/Ocultar Referências! 1. Beaulieu K, Oustric P, Finlayson G. The impact of physical activity on food reward: Review and conceptual synthesis of evidence from observational, acute, and chronic exercise training studies. Current obesity reports. 2020 Jun;9:63-80. 2. Panissa VL, Cardoso LK, Rossi PA, Fukuda DH, Rossi FE. The impact of acute and chronic resistance training on appetite and energy intake: A scoping review examining resistance exercise and comparisons with other exercise modalities. Appetite. 2023 Dec 9:107155.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame