Avançar para o conteúdo principal

A Influência da Dieta Cetogénica na Força e Hipertrofia Muscular

Em 1995 o Dr. Mauro DiPasquale publicava o livro "The Anabolic Diet", o qual advogava uma dieta rica em gordura e proteína, mas pobre em hidratos de carbono como sendo o padrão alimentar mais adequado para potenciar a hipertrofia muscular e a perda de gordura. 

À época, a investigação científica efetuada nesse campo era escassa ou inexistente. No entanto, o número de personalidades que defendem este tipo de dieta terá, provavelmente, atingido um número bastante expressivo. 

Mais recentemente, têm vindo a ser conduzidos estudos controlados que testaram os efeitos da dieta cetogénica no rendimento desportivo e na composição corporal. 

Revisão Sistemática e Meta-Análise 

Em 2022, os investigadores Koerich e colegas conduziram uma revisão sistemática e meta-análise, a fim de resumir a informação obtidas em estudos nos quais participaram atletas, ou indivíduos com experiência de treino resistido. 

O seu trabalho reuniu 18 estudos, os quais avaliaram a influência da dieta cetogénica no desempenho físico e na composição corporal, incluindo aspetos como a quantidade de massa magra, massa gorda, produção de força de uma repetição máxima (1RM), e contrarrelógio no ciclismo. 

Todos os estudos incluíram um grupo que seguiu a dieta cetogénica, na qual a gordura representou 60 a 80% do valor energético total, e foram ingeridos menos de 50 g de hidratos de carbono por dia, ou estes representaram menos de 10% do valor energético total da dieta. 

Também incluíram um grupo de controlo no qual os hidratos de carbono representaram ≥ 40% da ingestão energética total. 

Resultados 

Em comparação com a dieta rica em hidratos de carbono, a dieta cetogénica teve um impacto negativo ao nível da força de 1RM (−5,7%), ao nível da massa magra (−0,8 kg). 

Para além disso, observaram-se efeitos mais favoráveis na performance de contrarrelógio (−3,3%) com uma dieta rica em hidratos de carbono. 

Por outro lado, a dieta cetogénica produziu maiores perdas de peso total (−2,4 kg) e de gordura corporal (−2,4 kg). Isto poderá dever-se ao consumo de uma dieta hipocalórica por parte dos participantes, derivada da natureza altamente restritiva da dieta cetogénica, e/ou devido a este tipo de dieta promover uma maior supressão do apetite. 

Estes investigadores escreveram: 
A dieta cetogénica pode ser uma estratégia útil para perder peso e gordura corporal, mas observou-se um pequeno efeito negativo na massa magra. 
E acrescentaram: 
A dieta cetogénica não foi adequada para potenciar ganhos de força na 1RM, ou de desempenho de alta-intensidade no ciclismo. 
Se ainda assim o leitor decidir experimentar com a dieta cetogénica, deverá ter em conta a possibilidade de esta ter um impacto negativo na saúde, e no rendimento físico. Em dois dos estudos incluídos nesta meta-análise, os voluntários reportaram fadiga e cansaço, evidentes durante o período de adaptação inicial à dieta cetogénica. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame