Avançar para o conteúdo principal

Whey Protein Adulterada – O Lado Obscuro dos Suplementos Proteicos

A proteína whey é um dos suplementos mais usados pelos praticantes de musculação. Um estudo recente, realizado em São Paulo, verificou que 84% destes atletas suplementa-se com whey(1) e espera-se que o mercado dos suplementos continue a crescer ao longo dos próximos anos.(2, 3)

Estes suplementos de proteína são procurados devido à sua elevada qualidade nutricional, absorção rápida e por serem uma fonte rica de aminácidos essenciais, sobretudo de aminoácidos ramificados (leucina, isoleucina e valina).(4)

Mas será que os consumidores estão a adquirir produtos de qualidade, que contêm os ingredientes e as respetivas quantidades declaradas nos rótulos?

Teor de proteína abaixo do declarado

Em 2014, a PROTESTE – Associação Brasileira de Defesa do Consumidor, testou 20 marcas de suplementos de whey protein e verificou que apenas 6 continham o valor correto de proteína. 5 marcas continham menos proteína e 13 tinham mais carboidratos do que os valores declarados no rótulo.(5)

No mesmo ano, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) avaliou 25 marcas de suplementos de proteína e verificou que 19 tinham um teor de carboidratos superior ao limite legal, tendo determinado a proibição da distribuição e da comercialização de 20 marcas.(6)

Os resultados revelaram ainda a presença de ingredientes baratos, não declarados no rótulo, incluindo soja, milho, mandioca e amido, que parecem ter sido usados para adulterar estes suplementos.(6)

Um ano mais tarde, um grupo de investigadores analisou o teor total de proteína de 20 dos suplementos de whey protein mais vendidos numa loja online especializada em suplementos nutricionais. (7)

  • 10 desses suplementos eram produzidos por empresas dos EUA e outros 10 eram produzidos por empresas do Brasil.
  • Das 10 marcas de suplementos de whey de marcas dos EUA, 4 tinham um teor de proteína inferior ao descrito na informação nutricional do rótulo.
  • Dos 10 suplementos de marcas brasileiras, 7 não continham a quantidade de proteína especificada no rótulo.

No seu estudo, os investigadores referiram ainda que:

Nenhum dos suplementos de whey protein avaliados neste estudo atingiram o valor total de proteína descrito na literatura (até 80% para a whey concentrada e mais de 90% para a whey isolada.)

De uma forma geral, verifica-se que os suplementos de whey protein de marcas dos EUA têm um teor de proteína total mais elevado do que aqueles produzidos por empresas brasileiras, o que parece oferecer suporte à preferência dos brasileiros por suplementos “importados”.(7)

O site Labdoor, uma empresa independente que efetua análises de qualidade a suplementos alimentares vendidos nos EUA, verificou que, de 81 suplementos de proteína testados, 16 tinham um teor de proteína 15% inferior ao mencionado no rótulo. Dessas 16 marcas, 5 tinham menos 40% de proteína do que o valor declarado.(8)

Para além disso, 28% dos suplementos de proteína avaliados pela Consumer Lab, outra empresa privada especializada na avaliação da qualidade de alimentos e suplementos vendidos nos EUA, falharam os seus testes de avaliação de qualidade, sendo frequente a deteção de valores de proteína inferiores aos indicados nos respetivos rótulos.(9)

Adulteração com proteínas mais baratas

Os investigadores de um estudo recente afirmam que o whey protein, devido à sua popularidade, tem sido objeto de adulteração com produtos substitutos, incluindo proteínas mais baratas e com valor biológico mais baixo.(3)

No seu estudo, eles analisaram 16 suplementos de proteína e verificaram que 6 marcas tinham concentrações elevadas de outras fontes de proteína para além de proteínas de origem bovina, principalmente proteína de soja, trigo e arroz.(3)

Estes investigadores escreveram:

Esses resultados apontam para uma provável adulteração e/ou contaminação desses suplementos durante o processo de produção.(3)

Amino Spiking

Outro método possível de adulteração de suplementos de whey protein é a adição de compostos que contêm nitrogénio, incluindo creatina e também de aminoácidos livres como a glicina, taurina e glutamina, devido a estes serem mais baratos do que o concentrado de whey protein.(10)

Isto poderá ser mais difícil de detetar pelos métodos habitualmente usados, incluindo o método de Kjeldahl porque, em geral, esses métodos pesquisam compostos nitrogenados e não pesquisam especificamente por aminoácidos.(3)

O problema aqui é que esses outros compostos nitrogenados não têm as mesmas propriedades nutricionais que as proteínas de alto valor biológico que se esperam estar presentes no whey protein.(3)

Segundo o site Labdoor, de 81 suplementos de proteína testados, 38 continham quantidades detetáveis e elevadas de aminoácidos em forma livre, os quais aumentam o teor de proteína nos testes de laboratório habituais.

A asparagina foi o aminoácido mais detetado, seguido pela alanina, glicina, taurina e leucina, tendo também sido detetados os aminoácidos histidina, glutamina, alanina e cisteína.(8)

Entretanto nos EUA, foram aplicadas várias ações judiciais coletivas contra marcas de whey protein por estas aplicarem o Amino Spiking para aumentar as suas margens de lucro.(10)

Onde encontrar whey protein de qualidade?

A melhor opção provavelmente será pesquisar suplementos que tenham sido analisados por entidades independentes, tais como a Consumer Lab, Labdoor e a Proteste ou por entidades governamentais como a ANVISA.

Segundo a avaliação efetuada pela PROTESTE em 2014(5), os suplementos de whey que efetivamente continham as quantidades declaradas de proteína foram:

  • 100% Whey Gold Standard (Optimun Nutrition)
  • Whey 3W (Max Titanium)
  • 100% Pure Whey (Probiótica)
  • Isofusion (Gaspari Nutrition)
  • Whey Protein Isolate (Now Sports)
  • 100% Whey Fuel (Twinlab).

E segundo as análises efetuadas pela ANVISA no mesmo ano(6), foram:

  • 100% Pure Whey (Probiótica Laboratórios)
  • 100% Whey Protein (Neo Nutri Suplementos Nutricionais)
  • 3 Whey Proto NO² (Neo Nutri Suplementos Nutricionais)

Conclusão

Os suplementos de whey protein são relativamente dispendiosos e os consumidores esperam que estes produtos efetivamente contenham os ingredientes e devidas quantidades listadas no rótulo.

Lamentavelmente, isso nem sempre acontece e parece ser necessário um maior controlo da qualidade dos suplementos alimentares por parte da indústria dos suplementos e das autoridades responsáveis, de forma a assegurar que o conteúdo corresponde à quantidade declarada no rótulo, bem como garantir a  segurança alimentar dos ingredientes presentes.(11)

➤ Mostrar/Ocultar Referências!

  1. Andréa Regina Pellegrini FSN, Marina Rodrigues Barbosa. Consumo de suplementos nutricionais por praticantes de musculação da cidade de São Carlos-SP. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. 2017
  2. Sports Nutrition in Brazil. https://www.euromonitor.com: Euromonitor International; 2017. Disponível em: https://www.euromonitor.com/sports-nutrition-in-brazil/report.
  3. Garrido BC, Souza G, Lourenco DC, Fasciotti M. Proteomics in quality control: Whey protein-based supplements. Journal of proteomics. 2016; 147:48-55.
  4. Haraguchi FK, Abreu WCd, Paula Hd. Proteínas do soro do leite: composição, propriedades nutricionais, aplicações no esporte e benefícios para a saúde humana. Revista de Nutrição. 2006; 19:479-88.
  5. PROTESTE encontra irregularidades em suplementos para atletas. https://www.proteste.org.br: PROTESTE; 2014. Disponível em: https://www.proteste.org.br/institucional/imprensa/press-release/2014/proteste-encontra-irregularidades-em-suplementos-para-atletas.
  6. Proibição – Vinte lotes de suplementos para atletas são retirados do mercado. http://www.brasil.gov.br: Governo do Brasil; 2014. [atualizado em: 2017]. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/editoria/saude/2014/02/anvisa-proibe-20-lotes-de-suplementos-para-atletas.
  7. Almeida CC, Alvares TS, Costa MP, Conte-Junior CA. Protein and Amino Acid Profiles of Different Whey Protein Supplements. Journal of dietary supplements. 2016; 13(3):313-23.
  8. Top 10 Protein Supplements. https://labdoor.com: Labdoor; 2018. Disponível em: https://labdoor.com/rankings/protein.
  9. Product Reviews – Protein Powders, Shakes, and Drinks Review. https://www.consumerlab.com: ConsumerlLab; 2018. Disponível em: https://www.consumerlab.com/reviews/Protein_Powders_Shakes_Drinks_Sports/NutritionDrinks/.
  10. Amino Acid Spiking Scam: Is Your Protein Really PROTEIN? : Price Plow -Suplement Deals, Reviews, and News Blog; 2014. Disponível em: https://blog.priceplow.com/protein-scam-amino-acid-spiking.
  11. Kreider RB, Wilborn CD, Taylor L, Campbell B, Almada AL, Collins R, et al. ISSN exercise & sport nutrition review: research & recommendations. Journal of the International Society of Sports Nutrition. 2010; 7:7-7.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame