Avançar para o conteúdo principal

Uso do Hormônio Gonadotrofina Coriônica (HCG) na Perda de Peso

Esse aumento preocupa governo, classe médica, nutricionistas e a própria população; levando a busca por hábitos considerados mais saudáveis, ainda que nem sempre haja um real embasamento científico.

Ideia antiga, o uso da HCG diet, ou método Simeon,  ganhou força nos últimos anos. Digitando-se no Google “dieta do HCG”, são encontrados 19.300 resultados!6

Entretanto, será que esse tipo de dieta realmente funciona? Ela é isenta de riscos?

O QUE É O HORMÔNIO GONADOTROFINA CORIÔNICA (HCG)?

O HCG é um hormônio produzido na gestação pelas células sincicias do trofoblasto, com a função de manter o corpo lúteo no primeiro trimestre.2,7

COMO É A DIETA?

A dieta consiste em associar uma restrição calórica de 500 kcal/dia com o uso de HCG.7

COMO ELA AGE?

Segundo Dr. Victor Sorrentino, O HCG, além de suas propriedades de manutenção do corpo lúteo, também agiria na queima de gordura. Em seu site, ele cita que:

A ação do HCG nas doses recomendadas (extremamente baixas, principalmente quando comparamos com as doses produzidas naturalmente durante a gestação) provoca uma queima de gordura e a dieta associada preserva a massa muscular, portanto o emagrecimento é saudável e seguro, uma vez que o que se usa não são drogas que o corpo desconhece, mas uma substância conhecida do corpo humano.3

Indo em igual direção, em entrevista ao programa Viva Mais, Dr. Lair Ribeiro também recomenda o uso do HCG como adjuvante no tratamento.

O referido médico destaca que o uso da gonadotrofina coriônica auxilia na perda da gordura anormal, preservando a estrutural e a massa muscular; além disso, o contorno corporal melhora, reduzindo glúteo e quadril também.

De forma também surpreendente, destaca que 70% das pessoas que a utilizam não têm reganho de peso, além de curar artrite e não ter efeito colateral.4

O QUE DIZ A EVIDÊNCIA MÉDICA?

Uma meta-análise realizada na Holanda concluiu que não há evidência científica alguma para associar a HCG diet, também conhecida como terapia de Simeons, com perda de peso.

Também não foram encontradas evidências de que este hormônio reduza o apetite, promova a redistribuição de gordura e leve à sensação bem estar.7

Outro estudo randomizado duplo-cego realizado na África do Sul avaliou 40 mulheres obesas, submetidas a dietas iguais, associadas à injeção de solução salina ou de HCG dependendo do grupo.

Foram avaliados a perda peso, o nível de apetite e a redução da circunferência abdominal. O uso de HCG não se mostrou superior ao placebo em nenhum dos aspectos apresentados.1

SEM EFEITOS COLATERAIS?

Há poucos estudos que avaliaram a segurança da terapia de Simeons. Um relato de caso, entretanto, nos chama a atenção sobre efeitos colaterais potencialmente fatais nesse tipo de dieta. Uma mulher caucasiana de 64 anos apresentou quadro de edema (inchaço) nas pernas, associado à respiração rápida e curta.

O exame doppler do sistema venoso evidenciou trombose venosa profunda no membro inferior esquerdo e uma angio-tomografia computadorizada (angio-TC) identificou embolia pulmonar bilateral.

Não foram identificados fatores de risco para um quadro agudo de trombose, exceto o uso de HCG nas duas semanas anteriores, considerada a causa do evento adverso.5

Outro caso fora reportado numa mulher de 28 anos que apresentou quadro de dor abdominal, sendo identificada, à tomografia computadorizada, trombose da veia mesentérica superior. Antes da admissão, ela recebera injeções intramusculares de HCG como parte do tratamento do programa de perda de peso.9

E O QUE DIZ O CONSELHO DE MEDICINA?

O Conselho Regional de Medicina do Mato Grosso do Sul (CRMMS), um estado localizado no Centro Oeste brasileiro, já se pronunciou.

No parecer N° 04/2013, o CRMMS destaca que o uso de HCG não possui comprovação para uso como tratamento para perda de peso e não serve, portanto, no tratamento da obesidade.

A opinião dos ilustres conselheiros baseou-se na falta de evidência científica comprovada, já que a medicina não pode se basear em empirismo ou em casos restritos e pessoais.2

CONCLUSÃO

A terapia de Simeons ou dieta do HCG é uma prática que, até o momento, carece de evidência científica de que seu uso realmente seja eficaz, além de uma possível associação com embolia pulmonar.

Seu uso no Brasil é amplamente divulgado, mas deverá ser restringido pois já há um parecer contrário à sua prática. A classe médica deve-se abster desse tipo de terapêutica, pois, além de não ser comprovada cientificamente poderá causar sérios efeitos colaterais, cujo desfecho pode ser fatal.

Autores:

  • Dr. Rodrigo S. da Rocha Dias; Médico Universidade Federal Fluminense (UFF), Brasil; Pós-graduado em Nutrologia pela Universidade Veiga de Almeida (UVA), Brasil.
  • Dra. Yolanda Tolentino; Médica Universidade Federal do Estado do  Rio de Janeiro (UNIRIO), Brasil.
➤ Mostrar/Ocultar Referências!
  1. BOSCH,B., et al.Effect of the human chorionic gonadotropin diet on patient outcomes. South African Medical Journal, 4, p.185-189, 1990.
  2. Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul. Disponível em <http://www.portalmedico.org.br/pareceres/CRMMS/pareceres/2013/4_2013.pdf>. Acesso em: 14/09/2015.
  3. Victor Sorrentino. Disponível em <http://www.drvictorsorrentino.com.br/hcgeemagrecimento/>; Acesso em: 14/09/2015.
  4. Entrevista Dr. Lair Ribeiro. Disponível em <https://www.youtube.com/watch?v=RihSzclfdnw>. Acesso em: 14/09/2015
  5. GOODBAR,et al.Effect of the human chorionic gonadotropin diet on patient outcomes. The Annals of Pharmacotherapy, n. 47, p. e23, 2013.
  6. Disponível em <https://www.google.com.br/webhp?sourceid=chrome-instant&ion=1&espv=2&ie=UTF-8#q=%22dieta+do+HCG%22> Acesso em: 14/09/2015.
  7. LIJENSEN, et al. The effect of human chorionic gonadotropin (HCG) in the treatment of obesity by means of the Simeons therapy: a criteria based-meta-analysis. Br Clin Pharmacol, n.40, p.237-243, 1995.
  8. Portal Brasil. Disponível em <http://www.brasil.gov.br/saude/2013/08/obesidade-atinge-mais-da-metade-da-populacao-brasileira-aponta-estudo>. Acesso em: 14/09/2015.
  9. THELLESEN, L.; JORGENSEN, L.; REGEUR, J.V., LOKKEGAARD, E. Serious complications to a weight loss programme with HCG. Ugeskr Laeger, v.176, p.1410-1411, 2014.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame