Avançar para o conteúdo principal

Uso da Leucina no Ganho de Massa Muscular

 O QUE É?

A leucina é um aminoácido, ou seja, um componente básico cuja agregação formará uma proteína. Como nosso organismo não tem

capacidade de produzí-la, é classificada como um aminoácido essencial, ou seja totalmente dependente da dieta.⁶

Juntamente com a valina e isoleucina, outros dois aminoácidos essenciais, é classificada como uma aminoácido de cadeia ramificada - branched-chain amino acids em inglês, formando a sigla BCAA.²

COMO AGE?

Havendo biodisponibilidade de aminoácidos essenciais, a síntese de massa proteica muscular pode aumentar em até 150%, sendo a combinação da hiperinsulinemia (aumento da quantidade de insulina no sangue) com a hiperaminoacidemia (presença de aminoácidos no sangue) o principal mecanismo estimulador do anabolismo muscular.⁷

mTOR

mTOR é a sigla utilizada para mecanismo alvo da rapamicina, importante sensor de nutrientes e energia⁷. Essa proteína é sintetizada a partir do gene mTOR, sendo uma proteína quinase responsável por mediar a resposta celular ao estresse, como o dano ao DNA ou a privação alimentarl.⁴

Na verdade, existem dois complexos mTOR, o 1 e o 2. O primeiro, mTOR 1 é mais ligado à síntese proteica, sendo estimulado pela insulinemia (presença de insulina no sangue) e pela aminoacidemia ( presença de aminoácidos no sangue), sendo o principal aminoácido a estimulá-lo, a leucina.⁹

Portanto, o uso de aminoácidos de interesse, no caso a leucina, aumenta os efeitos anabólicos e insulinotrópicos durante e após a atividade física. A dose ideal de leucina para efeito anabólico muscular é de 1,5 a 2,5g em indivíduos jovens.²

USO CLÍNICO

A suplementação com leucina tem-se demonstrado eficiente na redução da adiposidade (concentração de gordura) e melhora do metabolismo da glicose.⁵

SUPLEMENTAÇÃO DE AMINOÁCIDOS NO EXERCÍCIO

A base de cálculo para suplementação de BCAAs seria de 82 mg/kg/dia, o que equivale, num adulto de 70kg a aproximadamente 5,7g/dia; dividindo-se da seguinte forma: 2g de leucina, 1g de valina e 1g de isoleucina. A recomendação de ingestão diária é de 35mg/kg/dia de leucina.⁸

USO EM IDOSOS

Um estudo realizado no Taxas, Estados Unidos, avaliou o efeito da ingestão de leucina em adultos de mais idade, entre 45 e 60 anos, que ficaram 14 dias acamados. O objetivo desse estudo era o de avaliar se a suplementação com leucina seria capaz de preservar a sanidade muscular.¹

Dois grupos foram divididos aleatoriamente. O grupo controle fora suplementado com alanina, um aminoácido que não é do tipo BCAA; o outro, com leucina.

Ao final do estudo, demonstrou-se que, para essa faixa etária, períodos de inatividade são profundamente deletérios no metabolismo muscular e na sua função. Contudo, no grupo suplementado com leucina, a perda muscular, ainda que presente, fora parcialmente atenuada pela sua suplementação.¹

Além disso, idosos que sofrem com perda muscular, uma situação chamada clinicamente de sarcopenia, a suplementação com leucina, associada a exercícios de resistência , tem-se estabelecido como tratamento de primeira linha, melhorando a função muscular e reduzindo quedas.³

CONCLUSÃO

A leucina tem-se demonstrado como um importante adjuvante do crescimento muscular, não apenas em atletas ou adultos jovens, como também em idosos. Seu uso, entretanto, deve vir acompanhado de uma dieta equilibrada e uma regular prática de exercícios.

Consumir proteínas e aminoácidos de forma incorreta pode significar perda de dinheiro e de massa muscular. Portando, não deixe de consultar com seu médico e seu nutricionista para melhores resultados!

➤ Mostrar/Ocultar Referências!


1. ENGLISH, Kirk L, et al. Leucine partially protects muscle mass and function during bed rest in middle-aged adults. Am J Clin Nutr, p.1-9, 2015.
2. LORENZETI, Fábio Médici. Nutrição e suplementação: aspectos metabólicos, fitoterápicos e da nutrigenética. São Paulo: Editora Phorte, 2015.392p.
3. MORLEY, John E. Pharmacologic Options for the Treatment of Sarcopenia. Calcif Tissue Int. Disponível em <http://link.springer.com/article/10.1007/s00223-015-0022-5>. Acesso em 28 mar.2016.
4. NATIONAL CENTER FOR BIOTECHNOLOGY INFORMATION -NCBI. Disponível em <http://www.ncbi.nlm.nih.gov/gene/2475>. Acesso em 20 mar.2016.
5. PEDROSO, JA; ZAMBIERRI, PP; DONATO J,JR.Reviewing the Effects of L-Leucine Supplementation in the Regulation of Food Intake, Energy Balance, and Glucose Homeostasis. Nutirents.. Disponível em <http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26007339>. Acesso em 22 mar.2016.
6. TRATADO DE NUTROLOGIA. Baurueri, SP: Manole, 2013.
7. WERUTSKY, Carlos. Nutrologia Esportiva.Porto Alegre, RS:AGE,2013. 278p.
8. WERUTSKI, Carlos Alberto. Manual sobre Suplementos no Esporte( Alimentos para Atletas). 6a edição. São Paulo,SP: Performance Nutrition, 2015.
9. WIKIPEDIA. Disponível em <https://fr.wikipedia.org/wiki/MTOR>. Acesso em 20 mar.2016.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame