Avançar para o conteúdo principal

Treinar com Batota Compensa?

A aplicação de impulso, mais conhecido como “batota” é prática comum entre os praticantes de musculação, seja de forma intencional ou por desconhecimento da técnica de execução correta.

De uma forma geral, os instrutores de ginásio e personal trainers recomendam que os exercícios sejam executados com a forma técnica correta e cargas que permitam a realização das repetições pretendidas sem recurso à batota, de forma a também se minimizar o risco de lesões.

Mas é sabido que muitos praticantes de musculação, incluindo culturistas profissionais, recorrem à batota em quase todos os exercícios, levantando cargas mais elevadas do que pareceria recomendável. Será que esta forma de treinar proporciona melhores resultados?

Fazer os exercícios com batota compensa?

Um grupo de investigadores resolveu tentar responder a essa questão e para esse efeito estudaram a aplicação de impulso externo*, no início de cada repetição, no exercício elevação lateral com halter e simularam a sua execução num computador com base num modelo físico de movimento, em combinação com medidas antropométricas e dados de recrutamento muscular.

* Impulso externo é o impulso aplicado à carga de um dado exercício, através da ação de músculos que não estão inerentemente envolvidos nesse exercício.

Verificou-se que:

  • A aplicação de um impulso moderado (no início de cada repetição) aumenta o torque dos músculos alvos, mesmo sem um aumento da carga usada.
  • Um aumento moderado da carga e a aplicação de impulso moderado aumenta ainda mais o torque.
  • Pelo contrário, a aplicação de impulso excessivo provoca uma redução da atividade dos músculos alvo e o aumento excessivo da carga reduz o estímulo de hipertrofia devido à redução dramática do tempo sob tensão ao menor número de repetições que é possível realizar.

Os investigadores afirmaram:

"Os nossos resultados refutam a crença convencional de que o uso de impulso externo reduz obrigatoriamente a sobrecarga dos músculos alvo. O uso moderado de impulso externo aumenta o pico de torque por repetição e o estímulo de hipertrofia total numa série."

"O uso moderado de impulso, no início de cada repetição de uma série, pode facilitar o uso de cargas elevadas e uma melhor sobrecarga dos músculos em posições biomecânicas vantajosas."

"O aumento significativo de carga que esta forma de executar o exercício permite, e a maior sobrecarga dos músculos em posições biomecânicas vantajosas, supera os efeitos negativos da consequente redução do número de repetições que podem ser realizadas com sucesso e a redução do tempo sob tensão."

Mas também avisam que:

"O uso excessivo de impulso resultou numa diminuição da carga imposta aos músculos-alvo e diminuiu o estímulo hipertrófico geral, desencorajando o seu uso."

"Os nossos resultados sugerem que o uso de impulso moderado, ao início de cada repetição, proporciona o melhor compromisso entre segurança, tempo sob tensão e magnitude de tensão experimentada pelos músculos alvo, no exercício elevação lateral."

Conclusão

Se considerarmos que o princípio da batota implica a aplicação de uma quantidade moderada de impulso e tendo em conta os resultados deste estudo, podemos afirmar que esta técnica tem algum valor e pode realmente funcionar.

Mas, é importante referir que estes resultados foram obtidos através de simulações em computadores e que, por esse motivo, devem ser encarados com cautela.

Apesar disso, estes resultados são interessantes e levam-nos a questionar a noção de que todos os exercícios devem ser realizados com um estilo estrito. Afinal, talvez o princípio da batota de Joe Weider funcione mesmo.

Se quiser obter os possíveis benefícios que os investigadores deste estudo, pode começar por realizar as suas primeiras séries de elevações laterais com uma carga um pouco mais elevada e um pouco de impulso, e depois realizar as restantes séries com uma carga mais ligeira e um estilo mais estrito.

Referência!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame