Avançar para o conteúdo principal

Todos os Suplementos Funcionam

A verdade é que todos os suplementos que já existiram, todos aqueles que estão presentes no mercado e ainda todos aqueles que irão ser lançados podem funcionar. Quer saber como? Simplesmente devido ao efeito placebo.

E o que é o efeito placebo? Bom, pode-se afirmar que o efeito placebo é um resultado favorável que tem como origem a crença de que se recebeu um tratamento benéfico, como por exemplo, acreditar que um determinado suplemento tem propriedades ergogénicas (1).

O efeito placebo é um fenómeno conhecido pela medicina desde há vários séculos, mas cujos mecanismos ainda não estão completamente esclarecidos, sendo ainda objeto de investigações na atualidade. Acredita-se que o primeiro estudo controlado com placebo tenha sido realizado em 1799 (2).

O placebo é geralmente uma substância inerte (por vezes contendo apenas amido), que em princípio não deveria ter a capacidade de exercer um determinado efeito, mas que acaba por provocar algum efeito positivo relevante, podendo ser um efeito do tipo analgésico, antidepressivo, de melhoria de vários tipos de problema de saúde e até mesmo uma melhoria do rendimento desportivo (2).

Acredita-se que o efeito placebo exerce os seus efeitos sobretudo através de uma influencia positiva em vários factores como as as expectativas, os desejos e as emoções (2).

O efeito placebo no desporto

Na área do desporto temos vários exemplos de como a expectativa de receber um fármaco ou suplemento ergogénico se traduz em maiores ganhos de força ou numa melhoria do rendimento desportivo, mesmo quando se recebe uma substância inerte (placebo) em vez de um fármaco ou suplemento ergogénico que realmente contém uma substância ativa.

Por exemplo, nos anos 70 foi realizado um estudo no qual os pesquisadores estudaram o efeito placebo em atletas de halterofilismo. Para esse efeito, eles reuniram 6 voluntários que já treinavam há pelo menos dois anos seguidos e informaram-nos de que iriam receber 10 mg de Dianabol (um esteroide anabolizante) (3).

Mas, em vez disso, os voluntários receberam um placebo todos os dias, durante 4 semanas, sendo que durante esse período de tempo obtiveram ganhos mais rápidos de força na maioria dos exercícios; supino, agachamento e desenvolvimento, em comparação com o período de tempo em que não treinaram sob o “efeito placebo”.

Os investigadores afirmaram:

Esses resultados indicam claramente que, embora os voluntários tenham continuado a obter progressos durante o período pré-placebo, os ganhos obtidos durante o efeito placebo foram significativamente maiores.

Aparentemente, a ingestão do placebo forneceu os benefícios psicológicos necessários para obter ganhos de força acima e para além do que seria de esperar a partir de uma progressão temporal razoável.

Trinta anos mais tarde, foi realizado outro estudo do mesmo género, também com voluntários halterofilistas (4). Todos os voluntários receberam comprimidos que supostamente deveria conter um esteroide anabolizante de ação rápida, mas que na verdade eram um placebo, e obtiveram uma performance 4% superior no treino que realizaram nesse dia.

Alguns dias mais tarde, os voluntários voltaram a realizar um treino. Nesse dia, alguns voluntários foram informados de que na verdade tinham ingerido um placebo e não um esteroide anabolizante, enquanto outro grupo continuou a ser “enganado” e a pensar que realmente estavam a ingerir um esteróide.

Aqueles voluntários que continuaram a ser “enganados” mantiveram os ganhos de força que tinham obtido no seu treino anterior. Em contrapartida, aqueles que ficaram a saber a verdade viram os seus níveis de força a diminuir até ao seu normal anterior.

Um outro estudo, que usou um protocolo praticamente idêntico ao do estudo acima, e no qual participaram um maior número de voluntários (42 indivíduos jovens), obteve resultados similares (5).

O efeito placebo também pode aumentar a capacidade de resistência ou a capacidade aeróbica.

Num estudo realizado em 2007 verificou-se que os atletas que ingeriram um placebo (uma substância inerte), mas que acreditaram que estavam a tomar um suplemento que continha uma substância ergogénica (bicarbonato de sódio), obtiveram tempos quase tão rápidos em uma corrida de 1000 metros como aqueles realmente ingeriram bicarbonato de sódio (6).

Por outro lado e curiosamente, ingerir bicarbonato de sódio sem ter conhecimento disso não proporcionou nenhum aumento significativo da performance.

Para além dos estudos que aqui referi, temos muitos outros exemplos na literatura científica que descrevem efeitos de melhoria da performance desportiva após a ingestão de um placebo (7).

Conclusão

Como pode ver, para que os suplementos funcionem, você tem que acreditar que eles realmente funcionam e a verdade é que, devido a isso, todos os suplementos podem funcionar.

Caso contrário, e se não acreditar na eficácia de um determinado suplemento, é muito provável que os resultados fiquem aquém do esperado ou que sejam inferiores ao que poderia ter obtido se tivesse criado expectativas mais elevadas.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame