Avançar para o conteúdo principal

Quantas Calorias Gastamos num Treino de Musculação?

Quantas calorias gastamos ao executar um determinado exercício com pesos? Qual o dispêndio energético total após completarmos uma sessão de treino de força?

Estas são dúvidas que afetam não só os principiantes, mas também os praticantes de musculação mais experientes, e por bons motivos.

Trata-se de informação que raramente é apresentada e de um tópico que raramente se discute, mas que é importante, principalmente quando é necessário estimar o dispêndio energético total de um indivíduo.

Felizmente para nós, já foram conduzidos estudos que pretenderam responder a essas questões.

O que nos diz a literatura científica?

Será útil saber que 1 MET representa 1 kcal/kg/hora é aproximadamente o equivalente ao dispêndio energético de permanecer sentado e relaxado.

De acordo com o Compendium of Physical Activities, e dependendo do nível de intensidade, o treino resistido representa um gasto de 3,5, 5,0, ou 6,0 METs.

Isto, para um homem com 80 kg, irá representar um dispêndio energético de 4,6-8 Kcal/min, e 280-480 Kcal por hora.

Num trabalho publicado recentemente, Adeel et al (2021) recrutaram 10 homens adultos, os quais foram separados em dois grupos:

  • Um grupo sem experiência de treino com pesos.
  • E outro grupo com pelo menos 2 meses de experiência de treino.

Todos os voluntários realizaram três sessões de treino resistido, em dias separados, durante as quais usaram uma máscara para determinar o consumo de oxigénio, desta forma, o dispêndio energético.

Cada treino consistiu em 3 séries de 10 repetições de três exercícios: a remada inclinado com halteres, o peso morto e os afundos, executados com uma cadência e 2 seg na fase concêntrica e 2 seg na excêntrica.

O período de descanso entre séries foi de 3 min e entre cada exercício houve um período de 10 min de descanso.

O custo energético de cada exercício variou de um mínimo de 179 até um máximo de 291 Kcal e o dispêndio energético de cada sessão de treino completa estabeleceu-se entre as 684 e os 840 Kcal.

Como seria de esperar o dispêndio energético foi menor no exercício mais “leve” (remada) e maior nos exercícios mais pesados (deadlift e afundos). Também se registou maior gasto energético no grupo treinado porque completaram um maior volume de treino em devido a terem levantado cargas mais elevadas, comparativamente ao grupo destreinado.

Estes investigadores concluíram que:

O protocolo de exercício deste estudo envolveu uma intensidade moderada de 2,4-3,9 METs.

A partir deste estudo, podemos concluir que o dispêndio energético de um treino de musculação irá variar de acordo com o exercício executado, o volume de treino e o nível de experiência do indivíduo.

➤ Mostrar/Ocultar Referências!

Ainsworth, B.; Haskell, W.; Herrmann, S.; Meckes, N.; Bassett, D.; Tudor-Locke, C.; Leon, A.S. Compendium of physical activities: A second update of codes and MET values. Med. Sci. 2011, 43, 1575–1581.

Adeel, M.; Lai, C.-H.; Wu, C.-W.; Kang, J.-H.; Liou, J.-C.; Chen, H.-C.; Hong, M.-J.; Peng, C.-W. Energy Expenditure during Acute Weight Training Exercises in Healthy Participants: A Preliminary Study. Appl. Sci. 2021, 11, 6687. https://doi.org/10.3390/app11156687

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame