Avançar para o conteúdo principal

Qual a melhor forma de avaliar a composição corporal de praticantes de musculação?

Uma vez que têm como objetivo maximizar os ganhos de massa muscular com o menor acúmulo de gordura possível, e também perder gordura retendo a maior quantidade possível de massa muscular, a monitorização regular da composição corporal tem uma importância central para os praticantes de musculação e competidores de culturismo.

De facto, a obtenção de valores relativos à quantidade de massa magra e de massa gorda é crucial pois permite avaliar a eficácia do regime de treino e do planeamento alimentar, e efetuar os ajustes necessários. Esses valores também são necessários para determinar as necessidades energéticas e de nutrimentos.

Para esse efeito, é necessário aplicar uma metodologia de avaliação da composição corporal que seja fiável e suficientemente precisa para detetar pequenas mudanças.

Entre a grande variedade de métodos existentes para avaliar a composição corporal, qual será o mais adequado para praticantes de musculação e culturistas?

O Estudo

Já foi conduzido um estudo que comparou diferentes métodos de avaliação da composição corporal.

Estes investigadores avaliaram a composição corporal de um grupo de culturistas antes e no final de 8 semanas, durante as quais treinaram e alimentaram-se com o objetivo de ganhar massa muscular e diminuir a massa gorda, com a aplicação concomitante de hormonas anabolizantes.

Todos os culturistas tinham pelo menos 3 anos de experiência e treinavam no mínimo 4 dias por semana, num total de cerca de 8-9 horas por semana.

Neste estudo o modelo 4C serviu de “gold standard” para efeitos de comparação com 8 outros métodos: a densitometria (pesagem debaixo de água), a hidrometria (diluição de deutério), DEXA, o modelo 3Cw que incorpora a água corporal total; e o modelo 3Cb, o qual incorpora os valores dos minerais ósseos, IMC, pregas cutâneas e bioimpedância.

De forma a não tornar o artigo demasiado longo, irei apenas descrever os métodos mais relevantes para a maioria dos leitores.

  • Densitometria: Neste estudo foi usada a pesagem hidrostática (debaixo de água), em jejum, para determinar a composição corporal a partir da densidade corporal e do volume corporal. Usa o princípio de deslocamento de Arquimedes.
  • Hidrometria (diluição por deutério): Neste caso o indivíduo ingere uma bebida contendo uma quantidade de isótopos de hidrogénio, sendo depois analisada a sua concentração na urina com um espectrómetro de massa. Isto permite estimar a quantidade total de água presente no organismo.
  • DEXA: A absortometria radiológica de dupla energia (DEXA) permite determinar a composição corporal do indivíduo a partir da resistência gerada pelos tecidos corporais a 2 feixes de raios x.
  • Bioimpedância: Neste método é estimada a quantidade de gordura e de massa magra a partir da resistência (impedância) gerada após a aplicação de uma corrente elétrica de baixa intensidade. A massa magra é um melhor condutor devido a conter uma maior percentagem de água e eletrólitos e a gordura é um tipo de tecido mais resistente. Naturalmente, o estado hidratação do indivíduo irá influenciar os resultados de forma significativa.
  • Pregas cutâneas: Este método usa equações que incorporam os valores da espessura de pregas cutâneas para prever a % de massa gorda. Neste caso foram usados os valores das pregas cutâneas dos bíceps, tríceps, subescapular e suprailíaca. A densidade corporal foi calculada usando a equação de Durnin and Womersley e a partir desse valor usou-se a equação de Siri para estimar a % de massa gorda: %MG = (4.95/Densidade +50) x 100.
  • IMC: O índice de massa corporal (IMC) é um método que classifica os indivíduos de acordo com o seu peso para a altura. O valor é obtido dividindo o peso corporal, em kg, pela altura em metros ao quadrado (kg/altura2). Neste estudo, a % massa gorda foi calculada através da seguinte equação: %MG = 1,20 x IMC +23 x Idade - 10.8 x género - 5.4 (idade em anos, género masculino= 1)
  • Modelo de 4 compartimentos: Incorpora os valores obtidos por vários métodos, nomeadamente o teor total de água obtido pela hidrometria (diluição por deutério), o conteúdo mineral ósseo total a partir do DEXA, e a densidade corporal obtido pela densitometria (pesagem hidrostática).
  • Modelo de 3 compartimentos: Este modelo incorpora a densidade corporal obtido pela densitometria (pesagem hidrostática), e o teor total de água obtido pela hidrometria (diluição por deutério) (3Cw), ou do conteúdo mineral ósseo total a partir do DEXA (3Cb).

Resultados

De uma forma global, o modelo 3Cw foi dos que apresentou menor percentagem de viés (0,26%) e de erro (0,69%), comparativamente ao método de referência (modelo de 4 compartimentos).

O segundo melhor método terá sido o da pesagem hidrostática, com um viés de -0,09% e 2,39% de erro.

O viés para o método das pregas cutâneas também foi bastante baixo (0,29%), embora o valor da % de erro tenha sido relativamente elevado, de 3,04%.

Os métodos do IMC e da Bioimpedância foram dos que apresentaram valores de viés e de erro mais elevados.

Discussão e conclusão

Os autores deste trabalho concluíram:

As mudanças na composição corporal após uma intervenção são mais bem monitoradas pelo modelo 3Cw (pequeno viés de 0,3% de gordura corporal, pequeno erro de 0,69% de gordura corporal).

No entanto, e embora o modelo 3Cw e a densitometria tenham obtido os melhores resultados, na prática poucos de nós irão ter acesso a este tipo de equipamentos.

No mundo real torna-se necessário usar métodos de avaliação que, mesmo não representando o “gold standard” são suficientemente rápidos, económicos, práticos e precisos para serem aplicados de forma frequente.

Dos vários métodos aqui descritos, aqueles que a maioria dos praticantes de musculação poderiam realisticamente aplicar seriam o IMC, a bioimpedância e as pregas cutâneas.

Contudo, neste estudo pudemos verificar que a avaliação da monitorização da composição corporal a partir do IMC é uma péssima ideia e é de longe o método menos preciso.

A bioimpedância também foi dos métodos que apresentou piores resultados e tem o inconveniente de ser muito influenciado pelo estado de hidratação do indivíduo, que pode variar de forma significativa.

Resta-nos o método da medição das pregas cutâneas, com recurso a um lipocalibrador que, quando efetuada por um técnico experiente, poderá proporcionar valores com uma margem de erro relativamente baixa.

Referência!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame