Avançar para o conteúdo principal

Quais são as recomendações de gordura para atletas?

A gordura corporal representa o principal reservatório de energia do corpo humano.(1) Enquanto que a energia armazenada em forma de hidratos de carbono pode fornecer de 1500 kcal até 3000 kcal, a gordura corporal de indivíduo com 80 kg pode providenciar cerca de 110000 kcal.(1, 2)

De facto, os ácidos gordos providenciam mais ATP por molécula do que a glicose. Uma molécula de glicose pode produzir 38 ATP enquanto uma molécula de ácido esteárico pode produzir 147 ATP. No entanto, para produzir a mesma quantidade de ATP, a oxidação de ácidos gordos requer mais oxigénio do que a oxidação de hidratos de carbono.(2)

Quais são as recomendações de gordura para atletas?

As 3 associações mais acreditadas da área da nutrição desportiva, nomeadamente a American College of Sports Medicine (ACSM), a International Society for Sports Nutrition (ISSN) e a International Olympic Committee (IOC) referem que a ingestão de gordura para atletas deverá ser similar ou ligeiramente superior à ingestão recomendada para a população em geral e recomendam valores que vão de 20% a 35% da ingestão energética total.(3-6)

 

ACSM(3, 6)

ISSN(4)

IOC(5)

Ingestão recomendada

20-35% do VET

~30% do VET

>15-20% do VET

Razões para não restringir demasiado a ingestão de gordura

Eventualmente, os atletas poderão optar por restringir de forma excessiva a sua ingestão de gordura para conseguirem perder peso ou gordura.(7) No entanto, existem várias razões para não restringir a ingestão de gordura em demasia.

  • A gordura é uma fonte de energia, de ácidos gordos essenciais, de vitaminas lipossolúveis (A, D, E, K) e de elementos essenciais para as membranas celulares.(6) (8)
  • -Os ácidos gordos ómega-3 são essenciais para a saúde geral do atleta e alguns trabalhos sugerem que a dieta ocidental fornece um rácio de ácidos gordos n-6 para n-3 que varia de 10:1 a 20:1, o que pode resultar em inflamação excessiva e interferir de forma negativa na recuperação pós-exercício.(7, 9)
  • A restrição excessiva de gordura pode reduzir os níveis de testosterona,(10-14) tendo-se observado uma redução de 12% dos androgénios em circulação, após 8 semanas, em voluntários que seguiram uma dieta pobre em gordura.(10)

Razões para não ingerir uma quantidade excessiva de gordura

Se por um lado não é recomendável seguir dietas com um teor demasiado baixo de gordura, as dietas ricas em gordura também não parecem ser uma boa opção para atletas.(3, 4, 6)

A este respeito, a International Society for Sports Nutrition refere que:

Durante anos, as dietas ricas em gordura têm vindo a ser usadas por atletas, com a maioria da evidência a não mostrar nenhum benefício ergogénico e dificuldades gastrointestinais.(4)

E a American College of Sports Medicine alega que:

Em geral, as dietas ricas em gordura parecem reduzir, em vez de potenciar, a flexibilidade metabólica ao reduzir a disponibilidade de hidratos de carbono e a capacidade de os usar de forma eficiente como substrato energético. Portanto, não será boa ideia que os atletas de competição sacrifiquem a sua capacidade de realizar treino de alta intensidade ou esforços de alta intensidade durante a competição, o que poderia comprometer os resultados.(6)

Para além disso, o favorecimento da ingestão de gordura (>30% da ingestão energética total), poderá provocar uma diminuição da ingestão de hidratos de carbono, o que por sua vez poderá ter efeitos negativos no rendimento físico.(5)

Conclusão

De uma forma geral, recomenda-se que os atletas ingiram uma quantidade moderada de gordura, entre 20 a 30% da sua ingestão energética total.(3, 4, 6)

Obviamente, para além de uma quantidade adequada de gordura, o plano alimentar de um atleta deverá incluir quantidades adequadas de proteína, hidratos de carbono, água e de vários outros nutrientes essenciais para uma saúde e rendimento ótimo do atleta.(6)

Código ocultar/mostrar referencias
➤ Mostrar/Ocultar Referências!
  1. Jensen J, Rustad PI, Kolnes AJ, Lai Y-C. The role of skeletal muscle glycogen breakdown for regulation of insulin sensitivity by exercise. Frontiers in physiology. 2011; 2:112-12.
  2. Jeukendrup AE, Saris WH, Wagenmakers AJ. Fat metabolism during exercise: a review. Part I: fatty acid mobilization and muscle metabolism. International journal of sports medicine. 1998; 19(4):231-44.
  3. Rodriguez NR, DiMarco NM, Langley S. Position of the American Dietetic Association, Dietitians of Canada, and the American College of Sports Medicine: Nutrition and athletic performance. Journal of the American Dietetic Association. 2009; 109(3):509-27.
  4. Kerksick CM, Wilborn CD, Roberts MD, Smith-Ryan A, Kleiner SM, Jager R, et al. ISSN exercise & sports nutrition review update: research & recommendations. J Int Soc Sports Nutr. 2018; 15(1):38.
  5. Potgieter S. Sport nutrition: A review of the latest guidelines for exercise and sport nutrition from the American College of Sport Nutrition, the International Olympic Committee and the International Society for Sports Nutrition. South African journal of clinical nutrition. 2013; 26(1):6-16.
  6. Thomas DT, Erdman KA, Burke LM. American College of Sports Medicine Joint Position Statement. Nutrition and Athletic Performance. Medicine and science in sports and exercise. 2016; 48(3):543-68.
  7. Oliveira C, Ferreira D, Caetano C, Granja D, Pinto R, Mendes B, et al. Nutrition and supplementation in soccer. Sports. 2017; 5(2):28.
  8. Trumbo P, Schlicker S, Yates AA, Poos M. Dietary reference intakes for energy, carbohdrate, fiber, fat, fatty acids, cholesterol, protein and amino acids. Journal of the Academy of Nutrition and Dietetics. 2002; 102(11):1621.
  9. Simopoulos AP. Omega-3 fatty acids and athletics. Current sports medicine reports. 2007; 6(4):230-6.
  10. Wang C, Catlin DH, Starcevic B, Heber D, Ambler C, Berman N, et al. Low-Fat High-Fiber Diet Decreased Serum and Urine Androgens in Men. The Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism. 2005; 90(6):3550-59.
  11. Hamalainen EK, Adlercreutz H, Puska P, Pietinen P. Decrease of serum total and free testosterone during a low-fat high-fibre diet. Journal of steroid biochemistry. 1983; 18(3):369-70.
  12. Hamalainen E, Adlercreutz H, Puska P, Pietinen P. Diet and serum sex hormones in healthy men. Journal of steroid biochemistry. 1984; 20(1):459-64.
  13. Dorgan JF, Judd JT, Longcope C, Brown C, Schatzkin A, Clevidence BA, et al. Effects of dietary fat and fiber on plasma and urine androgens and estrogens in men: a controlled feeding study. The American journal of clinical nutrition. 1996; 64(6):850-5.
  14. Reed MJ, Cheng RW, Simmonds M, Richmond W, James VH. Dietary lipids: an additional regulator of plasma levels of sex hormone binding globulin. The Journal of clinical endocrinology and metabolism. 1987; 64(5):1083-5.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame