Avançar para o conteúdo principal

Quais são as fontes de proteína mais baratas?

A proteína é sem dúvida alguma o nutriente mais privilegiado, não só pelos praticantes de musculação, mas também pelos crossfiters, powerlifters, e adeptos do estilo de vida fitness1,2.

No entanto, grama por grama, este tende a ser o mais dispendioso dos três macronutrientes existentes (proteína, hidratos de carbono e gordura)3.

Aqueles que consomem doses mais elevadas de proteína, poderão ter interesse em saber qual é a fonte mais económica, até porque uma percentagem significativa da população vive com orçamentos relativamente limitados.

Neste artigo, comparamos alguns alimentos que tipicamente são consideredos bons fornecedores de proteína, incluindo leguminosas, lacticínios, ovos, carne e peixe.

Aqui, selecionou-se uma quantidade de alimento, ou de suplemento, necessário para fornecer 20 gramas de proteína, o que, de acordo com alguns trabalhos, é considerada a dose mínima necessária para estimular, de forma quase máxima, a síntese de proteína muscular, após a realização de exercício resistido, em adultos jovens4.

A um custo de apenas 22 cêntimos por 20g de proteína, temos as moelas de frango, um produto alimentar que, embora bem menos popular do que o peito de frango e outras fontes de proteína, é bem mais económico e, desde que bem cozinhado, pode representar uma alternativa relativamente apelativa.

A €0,29 e €0,31 por 20g de proteína, temos, respetivamente, o leite meio gordo e o ovo inteiro, dois alimentos de elevado valor nutricional e que contêm proteína de alta qualidade5. De realçar que, no geral, as fontes de proteína de origem animal fornecem proteína de maior qualidade, e de absorção mais fácil, comparativamente às de origem vegetal5.

Em seguida temos o grão de bico e o feijão enlatado, que também são fontes de proteína relativamente económicas. Com certeza, o seu custo será ainda mais reduzido quando adquirido a granel, e seco, em vez de enlatado.

Esta informação poderá surpreender os menos informados relativamente a este tema, mas, para além de ser considerada uma das proteínas de melhor qualidade, senão mesmo a melhor5, a famosa proteína whey é também uma das fontes de proteína mais baratas atualmente disponíveis no mercado.

A proteína whey, geralmente é obtida a partir do soro de leite resultante da produção de queijo e que constitui ~20% da proteína do leite5. Por esse motivo, o seu consumo poderá também beneficiar o meio ambiente, uma vez que a libertação do soro de leite, na natureza, revela-se bastante prejudicial aos ecossistemas6.

Os famosos iogurtes Skyr (natural/sem sabor) ficaram no final da lista comparativa, com preços mais elevados do que a maioria das opções, sendo até mais caros do que os suplementos de proteína em pó.

Também poderá surpreender o facto de os suplementos de proteína de origem vegetal, tais como as proteínas isoladas de origem vegetal, nomeadamente as de soja e ervilha, serem mais dispendiosos do que a proteína whey.

Notas:

  • Esta não pretendeu ser uma comparação exaustiva.
  • Os preços foram recolhidos dos sites dos supermercados Auchan, Continente e na loja myprotein, pesquisando e selecionando as opções mais económicas.
  • A informação nutricional foi recolhida dos sites dos supermercados Auchan e Continente e da Tabela de Composição dos Alimentos de 20197.
  • No caso do ovo, carapau e pescada, nos cálculos efetuados foram tidas em consideração as respetivas percentagens de porção edível, de acordo com valores disponibilizados pelo INSA7.
➤ Mostrar/Ocultar Referências!
  1. Bianco A, Mammina C, Paoli A, et al. Protein supplementation in strength and conditioning adepts: knowledge, dietary behavior and practice in Palermo, Italy. J Int Soc Sports Nutr. 2011;8(1):25.
  2. Ruano J, Teixeira VH. Prevalence of dietary supplement use by gym members in Portugal and associated factors. Journal of the International Society of Sports Nutrition. 2020;17(1):11.
  3. Drewnowski A. The cost of US foods as related to their nutritive value. Am J Clin Nutr. 2010;92(5):1181-1188.
  4. Jäger R, Kerksick CM, Campbell BI, et al. International Society of Sports Nutrition Position Stand: protein and exercise. Journal of the International Society of Sports Nutrition. 2017;14:20-20.
  5. Hoffman JR, Falvo MJ. Protein - Which is Best? J Sports Sci Med. 2004;3(3):118-130.
  6. Yadav JS, Yan S, Pilli S, Kumar L, Tyagi RD, Surampalli RY. Cheese whey: A potential resource to transform into bioprotein, functional/nutritional proteins and bioactive peptides. Biotechnol Adv. 2015;33(6 Pt 1):756-774.
  7. INSA. Tabela de Composição de Alimentos (INSA). Instituto Nacional de Saúde - Dr. Ricardo Jorge. http://www2.insa.pt/sites/INSA/Portugues/AreasCientificas/AlimentNutricao/AplicacoesOnline/TabelaAlimentos/Paginas/TabelaAlimentos.aspx. Published 2020. Accessed 4/5/2020.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame