Avançar para o conteúdo principal

Quais as recomendações de vitaminas e minerais para atletas?

Os multivitamínicos/minerais são dos suplementos mais ingeridos pela população em geral1-3 e também pela população atlética (~52%).4

Os atletas ingerem estes suplementos com o objetivo de obter mais energia, potenciar a sua performance, prevenir doenças, compensar uma dieta inadequada e para satisfazer necessidades de nutrientes mais elevadas devido aos níveis mais elevados de atividade.4

De facto, alguma literatura sugere que o exercício físico poderá aumentar as necessidades de riboflavina, vitamina B6,5 ferro,6 sódio, potássio e magnésio.7

A suplementação com um multivitamínico/mineral potencia a performance?

Quando os níveis de vitaminas e minerais são inadequados (folato, vit. B12, ferro, magnésio), a capacidade de exercício pode diminuir8 e verificou-se que, quando atletas com défice recebem suplementação com minerais a capacidade de exercício melhora.9-11

Apesar disso, o uso de suplementos de vitaminas e minerais não potencia a performance em indivíduos com níveis adequados de vitaminas e minerais.8,12-14

Quais são as recomendações de vitaminas e minerais para atletas?

Já várias entidades envolvidas na nutrição no desporto emitiram recomendações relacionadas com a ingestão de suplementos de vitaminas e minerais.

Numa posição conjunta, a Academy of Nutrition and Dietetics, a Dietitians of Canada (DC) e a American College of Sports Medicine (ACSM), referem que:9

“O exercício stressa muitas das vias metabólicas nas quais os micronutrientes são requeridos e o treino poderá resultar em adaptações bioquímicas que aumentem a necessidade de alguns micronutrientes.”

"Os atletas que frequentemente restringem a sua ingestão energética, adotam práticas extremas de perda de peso, eliminam um ou mais grupos alimentares da sua dieta, ou seguem dietas inadequadas, poderão não ingerir as quantidades adequadas de micronutrientes (sobretudo cálcio, vit. D, ferro e alguns antioxidantes) e podem beneficiar com a suplementação com micronutrientes."

Segundo a International Society of Sports Nutrition (ISSN):5

"Embora se tenha verificado que a suplementação diária com vitaminas e minerais não potencia o rendimento desportivo de atletas, a toma diária de um suplemento de vitaminas poderá fazer sentido por motivos de saúde."

De acordo com o International Olympic Committee (IOC):15

"Os atletas não são imunes às práticas alimentares inadequadas ou ao aumento das perdas/necessidades de nutrientes que se verificou em alguns membros da população geral e poderão até estar em maior risco de deficiências devido ao aumento do turnover ou a maiores perdas de nutrientes."

"Quando um estado nutricional subóptimo é diagnosticado, o uso de um suplemento nutricional para reverter ou prevenir deficiências poderá contribuir para o plano de tratamento global. Os nutrientes que frequentemente precisam de ser suplementados incluem o ferro, cálcio e vitamina D."

Embora a American Medical Association (AMA) não seja uma entidade envolvida na nutrição no desporto, poderá ser interessante saber que esta recomenda a ingestão diária de um multivitamínico de dose baixa:16

"A ingestão subóptima de algumas vitaminas, acima de níveis que causam a deficiência clássica de vitaminas, é um fator de risco para doenças crónicas e é comum na população em geral."

"A maioria das pessoas não ingere uma quantidade óptima de todas as vitaminas apenas através da dieta."

"Nós recomendamos que todos os adultos tomem um multivitamínico diariamente."

➤ Mostrar/Ocultar Referências!
  1. Bailey RL, Gahche JJ, Lentino CV, et al. Dietary supplement use in the United States, 2003-2006. The Journal of nutrition. 2011;141(2):261-266.
  2. Bailey RL, Gahche JJ, Miller PE, Thomas PR, Dwyer JT. Why US adults use dietary supplements. JAMA internal medicine. 2013;173(5):355-361.
  3. National Institutes of Health State-of-the-Science Conference Statement: multivitamin/mineral supplements and chronic disease prevention. The American journal of clinical nutrition. 2007;85(1):257s-264s.
  4. Sobal J, Marquart LF. Vitamin/mineral supplement use among athletes: a review of the literature. International journal of sport nutrition. 1994;4(4):320-334.
  5. Kerksick CM, Wilborn CD, Roberts MD, et al. ISSN exercise & sports nutrition review update: research & recommendations. Journal of the International Society of Sports Nutrition. 2018;15(1):38.
  6. Hinton PS. Iron and the endurance athlete. Applied physiology, nutrition, and metabolism = Physiologie appliquee, nutrition et metabolisme. 2014;39(9):1012-1018.
  7. Woolf K, Manore MM. B-vitamins and exercise: does exercise alter requirements? International journal of sport nutrition and exercise metabolism. 2006;16(5):453-484.
  8. Lukaski HC. Vitamin and mineral status: effects on physical performance. Nutrition (Burbank, Los Angeles County, Calif). 2004;20(7-8):632-644.
  9. Thomas DT, Erdman KA, Burke LM. American College of Sports Medicine Joint Position Statement. Nutrition and Athletic Performance. Medicine and science in sports and exercise. 2016;48(3):543-568.
  10. Pasricha SR, Low M, Thompson J, Farrell A, De-Regil LM. Iron supplementation benefits physical performance in women of reproductive age: a systematic review and meta-analysis. The Journal of nutrition. 2014;144(6):906-914.
  11. Rubeor A, Goojha C, Manning J, White J. Does Iron Supplementation Improve Performance in Iron-Deficient Nonanemic Athletes? Sports health. 2018;10(5):400-405.
  12. Weight LM, Myburgh KH, Noakes TD. Vitamin and mineral supplementation: effect on the running performance of trained athletes. The American journal of clinical nutrition. 1988;47(2):192-195.
  13. Singh A, Moses FM, Deuster PA. Chronic multivitamin-mineral supplementation does not enhance physical performance. Medicine and science in sports and exercise. 1992;24(6):726-732.
  14. Telford RD, Catchpole EA, Deakin V, Hahn AG, Plank AW. The effect of 7 to 8 months of vitamin/mineral supplementation on athletic performance. International journal of sport nutrition. 1992;2(2):135-153.
  15. Maughan RJ, Burke LM, Dvorak J, et al. IOC consensus statement: dietary supplements and the high-performance athlete. British Journal of Sports Medicine. 2018;52(7):439.
  16. Fletcher RH, Fairfield KM. Vitamins for chronic disease prevention in adults: clinical applications. Jama. 2002;287(23):3127-3129.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame