Avançar para o conteúdo principal

Porque se deve evitar os sumos de fruta

Muitas pessoas acreditam que os sumos de fruta são benéficos para a saúde, uma espécie de versão “líquida” da fruta e, portanto, imaginam que são muito mais saudáveis do que os refrigerantes e outras bebidas adoçadas.

Para além disso, desde há vários anos atrás que algumas empresas da indústria alimentar têm vindo a lançar campanhas publicitárias que visam promover o consumo de sumos, associando a sua ingestão equivalente a uma maior saúde e dando a entender que esses sumos são o equivalente à ingestão de fruta, numa forma ainda mais prática.

No entanto, e ao contrário do que se poderia pensar, a ingestão de sumo de fruta pode provocar efeitos no organismo que são bastante diferentes dos efeitos que advêm da ingestão de fruta que não foi processada.

Beber sumo de fruta é igual a comer fruta?

Apesar dos sumos de fruta naturais serem produzidos a partir da fruta, estes parecem ter um efeito marcadamente no organismo do ser humano.

Em termos de composição nutricional, a diferença mais notória é a ausência de fibra nos sumos de fruta. Para além disso, em comparação com a fruta, os sumos também têm uma quantidade mais reduzida de algumas vitaminas e minerais (1, 2)

Em termos de efeitos no organismo, vários estudos sugerem que, em comparação com a ingestão de fruta não processada, a ingestão de sumos de fruta pode implicar vários efeitos negativos para a saúde.

Maior risco de obesidade: Algumas investigações sugerem que a ingestão de alimentos em forma líquida sacia menos do que a ingestão de alimentos sólidos. A fibra que se encontra presente nas frutas não processadas também promove uma maior saciedade em comparação com os sumos, que não a contêm (3, 4).

Isto poderá traduzir-se numa maior ingestão de energia, o que por sua vez poderá promover um aumento do IMC, com todas as consequências negativas para a saúde que isso implica (5-8).

Maior risco de Diabetes Mellitus: Tem vindo a acumular-se evidência que associa o consumo de sumo de fruta e o aumento do risco de desenvolvimento de diabetes tipo II, o também poderá estar relacionada com o facto do sumo de fruta ter um índice glicémico mais elevado do que a fruta normal (9).

Verificou-se ainda que, ao contrário do que acontece com a ingestão de sumo de fruta, o consumo de fruta está associado a uma redução do risco de diabetes mellitus (10-12). Isso ocorre principalmente devido ao sumo não conter fibra e por isso ser digerida de forma mais rápida em comparação com a fruta não processada (13).

Pode prejudicar o desenvolvimento das crianças: O consumo de sumo de fruta, sobretudo em quantidades elevadas, está associado a uma menor estatura nas crianças. Verificou-se ainda que, para além de uma estatura mais reduzida, essas crianças também tinham uma maior propensão para sofrer de excesso de peso (14).

Recomendações: Em relação ao consumo de fruta, a Direção Geral de Saúde recomenda a ingestão de 3-5 peças de fruta por dia (15).

➤ Mostrar/Ocultar Referências!
  1. Tabela de Composição de alimentos - Laranja. Disponível em: http://www.insa.pt/sites/INSA/Portugues/AreasCientificas/AlimentNutricao/AplicacoesOnline/TabelaAlimentos/PesquisaOnline/Paginas/DetalheAlimento.aspx?ID=IS658.
  2. Tabela Nutricional dos Alimentos - Sumo de Laranja. Disponível em: http://www.insa.pt/sites/INSA/Portugues/AreasCientificas/AlimentNutricao/AplicacoesOnline/TabelaAlimentos/PesquisaOnline/Paginas/DetalheAlimento.aspx?ID=IS740.
  3. Almiron-Roig E, Chen Y Fau - Drewnowski A, Drewnowski A. Liquid calories and the failure of satiety: how good is the evidence? (1467-7881 (Print))
  4. Flood-Obbagy JE, Rolls BJ. The effect of fruit in different forms on energy intake and satiety at a meal. (1095-8304 (Electronic))
  5. Houchins JA, Burgess Jr Fau - Campbell WW, Campbell Ww Fau - Daniel JR, Daniel Jr Fau - Ferruzzi MG, Ferruzzi Mg Fau - McCabe GP, McCabe Gp Fau - Mattes RD, et al. Beverage vs. solid fruits and vegetables: effects on energy intake and body weight. (1930-739X (Electronic))
  6. Houchins JA, Tan Sy Fau - Campbell WW, Campbell Ww Fau - Mattes RD, Mattes RD. Effects of fruit and vegetable, consumed in solid vs beverage forms, on acute and chronic appetitive responses in lean and obese adults. (1476-5497 (Electronic))
  7. Mattes RD, Campbell WW. Effects of food form and timing of ingestion on appetite and energy intake in lean young adults and in young adults with obesity. (1878-3570 (Electronic))
  8. Mourao DM, Bressan J Fau - Campbell WW, Campbell Ww Fau - Mattes RD, Mattes RD. Effects of food form on appetite and energy intake in lean and obese young adults. (0307-0565 (Print))
  9. Health Harvard Publication - Glycemic index and glycemic load for 100+ foods. Disponível em: http://www.health.harvard.edu/healthy-eating/glycemic_index_and_glycemic_load_for_100_foods.
  10. Bazzano LA, Li TY, Joshipura KJ, Hu FB. Intake of Fruit, Vegetables, and Fruit Juices and Risk of Diabetes in Women. Diabetes Care. 2008; 31(7):1311-17.
  11. Muraki I, Imamura F, Manson JE, Hu FB, Willett WC, van Dam RM, et al. Fruit consumption and risk of type 2 diabetes: results from three prospective longitudinal cohort studies [10.1136/bmj.f5001]. BMJ. 2013; 347
  12. Odegaard AO, Koh Wp Fau - Arakawa K, Arakawa K Fau - Yu MC, Yu Mc Fau - Pereira MA, Pereira MA. Soft drink and juice consumption and risk of physician-diagnosed incident type 2 diabetes: the Singapore Chinese Health Study. (1476-6256 (Electronic))
  13. Bolton RP, Heaton KW, Burroughs LF. The role of dietary fiber in satiety, glucose, and insulin: studies with fruit and fruit juice. The American Journal of Clinical Nutrition. 1981; 34(2):211-17.
  14. Dennison BA, Rockwell HL, Baker SL. Excess Fruit Juice Consumption by Preschool-aged Children Is Associated With Short Stature and Obesity. Pediatrics. 1997; 99(1):15-22.
  15. Direção Geral de Saúde - Promoção da Saúde. Disponível em: http://www.dgs.pt/promocao-da-saude/educacao-para-a-saude/areas-de-intervencao/alimentacao.aspx.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame