Avançar para o conteúdo principal

Porque se deve evitar os alimentos fritos

Nas últimas décadas, a par da expansão dos estabelecimentos de venda de comida rápida, que ocorreu um pouco por todo o mundo, temos vindo a assistir também a um aumento do consumo de alimentos fritos, não só nos países desenvolvidos, mas também naqueles em vias de desenvolvimento (1).

Já faz parte das crenças populares que, de uma forma geral, o consumo de alimentos fritos não é saudável e que o seu cujo consumo deve ser limitado.

No entanto, poucas pessoas sabem ao certo quais são as consequências negativas que a ingestão de alimentos fritos pode ter na saúde.

Alimentos fritos vs Alimentos cozidos

Vamos começar por ver, na tabela abaixo, alguns valores nutricionais de 3 alimentos estufados/cozidos em comparação com os valores desses mesmos alimentos, fritos.

Alimento

Kcal

Hidratos de carbono

Gordura total

Ácidos gordos trans

Batata cozida (2)

85

18,5 g

0

0

Batata frita caseira (3)

225

27,6 g

10,8 g

0,1 g

Batata frita de pacote (4)

526

39 g

38,1 g

0,4 g

         
Peito de frango estufado (5)

151

0 g

3,3 g

0 g

Peito de frango frito (6)

187

0,5 g

4,7 g

0 g

Peito de frango tipo Kentucky Fried Chicken (7)

231

6,3 g

13,1 g

0,08 g

         
Pescada cozida (8)

109

0 g

3,6 g

0 g

Pescada frita (9)

173

2,1 g

8,6 g

0,1 g

Como pode ver, o valor energético dos alimentos fritos é bastante mais elevado do que o dos alimentos cozido. Isto é bastante evidente quando se compara o nº de Kcal das batatas fritas de pacote com os da batata cozida.

Isso deve-se principalmente ao facto dos alimentos absorverem uma quantidade significativa de óleo ao longo do processo de fritura. Para além disso, os alimentos fritos também contêm quantidades mais elevadas de ácidos gordos trans.

O valor calórico mais elevado dos alimentos fritos, juntamente com a presença de ácidos gordos em forma trans, poderá explicar alguns dos seus efeitos negativos para a saúde, os quais irão ser descritos com maior detalhe ao longo deste artigo.

Problemas de saúde associados à ingestão de fritos

Ácidos gordos trans: Este é um tipo de gordura produzida de forma artificial pelo ser humano que está presentes em vários alimentos, tais como diversos tipos de óleo e margarinas. Também existe na natureza, mas apenas em quantidades muito reduzidas, no leite e na carne (10).

Os ácidos gordos trans artificiais têm efeitos tóxicos no sistema cardiovascular, o que significa que a ingestão de alimentos fritos em óleos vegetais e/ou margarinas parcialmente hidrogenados, que contenham esse tipo de ácidos gordos, aumenta o risco de doenças cardiovasculares (11, 12).

Aumento do risco de diabetes tipo 2: Para além dos efeitos deletérios ao nível do sistema cardiovascular, a ingestão de quantidades elevadas de ácidos gordos trans também pode reduzir a sensibilidade à insulina, aumento desta forma o risco de diabetes mellitus (13, 14).

Aliás, verificou-se mesmo que a ingestão de alimentos fritos está associada a um aumento do risco de vir a sofrer de diabetes mellitus. A ingestão mais frequente deste tipo de alimentos, aumenta o risco de forma notória (15).

Aumento do Índice de Massa Corporal: Algumas investigações sugerem que o consumo de batatas fritas está associado a um aumento da prevalência do excesso de peso/obesidade e ainda a um aumento do risco de sofrer de hipertensão, o que poderá estar relacionado com o valor energético mais elevado dos alimentos fritos (16).

Maior risco de doenças coronárias: Vários estudos encontraram uma associação positiva entre a ingestão de alimentos fritos e o risco de doenças cardiovasculares. Verificou-se ainda que esse risco é mais elevado nos indivíduos que ingerem fritos com maior frequência (14, 15, 17, 18).

Predisposição genética: A ingestão de fritos representa um maior risco de aumento do índice de massa corporal para os indivíduos que têm predisposição genética para a obesidade. Esta foi a conclusão a que chegaram investigadores que realizaram um estudo acerca deste tema (19).

Aumento do risco de cancro do cólon: Quando se cozinham alimentos a temperaturas elevadas, são produzidos compostos potencialmente cancerígenos. Esses compostos incluem a acrilamida, aldeídos, acroleína, aminas heterocíclicas e hidrocarbonetos policíclicos aromáticos (20). Um estudo verificou que a ingestão habitual de alimentos fritos, tais como batatas fritas, frango frito e donuts, está associada a um aumento do risco de cancro da próstata (21).

➤ Mostrar/Ocultar Referências!
  1. Pan A, Malik V, Hu FB. Exporting Diabetes to Asia: The Impact of Western-Style Fast Food. Circulation. 2012; 126(2):163-65.
  2. . INSA - Batata cozida. Disponível em: http://www.insa.pt/sites/INSA/Portugues/AreasCientificas/AlimentNutricao/AplicacoesOnline/TabelaAlimentos/PesquisaOnline/Paginas/DetalheAlimento.aspx?ID=IS586.
  3. . INSA - Batata frita caseira. Disponível em: http://www.insa.pt/sites/INSA/Portugues/AreasCientificas/AlimentNutricao/AplicacoesOnline/TabelaAlimentos/PesquisaOnline/Paginas/DetalheAlimento.aspx?ID=IS591.
  4. . INSA - Batata frita de pacote. Disponível em: http://www.insa.pt/sites/INSA/Portugues/AreasCientificas/AlimentNutricao/AplicacoesOnline/TabelaAlimentos/PesquisaOnline/Paginas/DetalheAlimento.aspx?ID=IS592.
  5. . USDA - peito de frango estufado. Disponível em: http://ndb.nal.usda.gov/ndb/foods/show/864?fgcd=&manu=&lfacet=&format=&count=&max=35&offset=&sort=&qlookup=Chicken+breast.
  6. . USDA - Peito de frango frito. Disponível em: http://ndb.nal.usda.gov/ndb/foods/show/862?manu=&fgcd=.
  7. . USDA - Peito de frango tipo KFC. Disponível em: http://ndb.nal.usda.gov/ndb/foods/show/6903?manu=&fgcd=.
  8. . INSA - Pescada cozida. Disponível em: http://www.insa.pt/sites/INSA/Portugues/AreasCientificas/AlimentNutricao/AplicacoesOnline/TabelaAlimentos/PesquisaOnline/Paginas/DetalheAlimento.aspx?ID=IS967.
  9. . INSA - Pescada frita. Disponível em: http://www.insa.pt/sites/INSA/Portugues/AreasCientificas/AlimentNutricao/AplicacoesOnline/TabelaAlimentos/PesquisaOnline/Paginas/DetalheAlimento.aspx?ID=IS968.
  10. Engberink MF, Geleijnse Jm Fau - Wanders AJ, Wanders Aj Fau - Brouwer IA, Brouwer IA. The effect of conjugated linoleic acid, a natural trans fat from milk and meat, on human blood pressure: results from a randomized crossover feeding study. (1476-5527 (Electronic))
  11. Ganguly R, Pierce GN. The toxicity of dietary trans fats. Food and Chemical Toxicology. 2015; 78(0):170-76.
  12. Kummerow FA. The negative effects of hydrogenated trans fats and what to do about them. Atherosclerosis. 2009; 205(2):458-65.
  13. Saravanan N, Haseeb A Fau - Ehtesham NZ, Ehtesham NZFAUG, Ghafoorunissa. Differential effects of dietary saturated and trans-fatty acids on expression of genes associated with insulin sensitivity in rat adipose tissue. (0804-4643 (Print))
  14. Riserus U. Trans fatty acids and insulin resistance. (1567-5688 (Print))
  15. Cahill LE, Pan A, Chiuve SE, Sun Q, Willett WC, Hu FB, et al. Fried-food consumption and risk of type 2 diabetes and coronary artery disease: a prospective study in 2 cohorts of US women and men. The American Journal of Clinical Nutrition. 2014
  16. Sayon-Orea C, Bes-Rastrollo M, Gea A, Zazpe I, Basterra-Gortari FJ, Martinez-Gonzalez MA. Reported fried food consumption and the incidence of hypertension in a Mediterranean cohort: the SUN (Seguimiento Universidad de Navarra) project. (1475-2662 (Electronic))
  17. Djoussé L, Petrone AB, Gaziano JM. Consumption of Fried Foods and Risk of Heart Failure in the Physicians' Health Study. Journal of the American Heart Association. 2015; 4(4)
  18. Southern diet could raise your risk of stroke. American Hearth Association. Disponível em: http://newsroom.heart.org/news/southern-diet-could-raise-your-risk-of-stroke.
  19. Qi Q, Chu AY, Kang JH, Huang J, Rose LM, Jensen MK, et al. Fried food consumption, genetic risk, and body mass index: gene-diet interaction analysis in three US cohort studies [10.1136/bmj.g1610]. BMJ. 2014; 348
  20. Stott-Miller M, Neuhouser ML, Stanford JL. Consumption of deep-fried foods and risk of prostate cancer. The Prostate. 2013; 73(9):960-69.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame