Avançar para o conteúdo principal

Porque os atletas devem evitar as dietas yo-yo

É de todo compreensível que muitos atletas e culturistas recorram a regimes alimentares extremos para perder peso, sobretudos aqueles que precisam de descer o teu peso de forma a poderem competir em determinadas categorias de peso.

Verifica-se que um percentual de gordura corporal baixo ou um rácio elevado de massa magra/gordura, pode efetivamente proporcionar uma série de vantagens para alguns atletas, inclusive uma termoregulação mais eficiente, redução do custo energético, aumento do rácio força-para-massa, aumento da resistência, maior agilidade e melhoria da estética corporal.(1)

Para além disso, a diminuição da gordura corporal também pode reduzir o risco de lesões tendionosas.(2, 3)

Infelizmente, o uso de dietas extremas pode ter efeitos negativos na performance e composição corporal.(1)

Maior perda de massa magra

Vários estudos confirmam que é durante as primeiras semanas de restrição energética que se perde uma maior % de massa magra e uma menor % de massa adiposa.(4)

Um estudo teve a duração de 24 semanas, durante as quais voluntários obesos seguiram uma dieta de restrição energética.(4)

Verificou-se que a fração de peso perdido em forma de massa magra foi mais elevada (54%) a partir do início do estudo até à 4ª semana 4, tendo diminuído até à 12ª semana (35%), atingindo o nível mais baixo a partir da 12ª semana (29%).(4)

A fração de peso perdido como gordura foi ligeira até à 4ª semana, aumentando de forma gradual até à 12ª semana.(4)

A tabela abaixo demonstra as mudanças no peso corporal (BW), na gordura (FAT) na massa magra (FFM) ao longo de 12 semanas e nela podemos observar uma perda mais acentuada da massa magra durante as primeiras semanas, estabilizando depois a partir da 4ª semana. Em contraste, a perda de gordura foi mais acentuada a partir da 4ª semana.(4)

É verdade que a massa magra que se perde no contexto de uma dieta de restrição energética não é apenas proteína, mas também glicogénio muscular e hepático, electrólitos e fluídos.(4)

Assim, poder-se-ia pensar que a maior perda inicial de massa magra nas primeiras semanas se deve à perda mais acentuada de glicogénio muscular e hepático, bem como de electrólitos, líquidos, etc.(4)

No entanto, verificou-se que é também durante as semanas iniciais de dieta que ocorre uma maior perda de nitrogénio e consequentemente, de proteína.(4)

Noutro estudo verificou-se que o rácio de perda de massa magra durante o jejum total foi de 576g/dia. Em comparação, numa dieta de restrição energética a perda foi de apenas 224g/dia.(4)

Esse e outros estudos sugerem que as mais restritivas tendem a provocar as maiores perdas de massa magra, sobretudo nos períodos iniciais.(4, 5)

Também temos que ter em conta que a descida acentuada dos níveis de glicogénio muscular e hepático, electrólitos, etc que ocorre com as dietas com maior restrição energética, pode diminuir a força e a capacidade de resistência dos atletas.(1)

Pioram a composição corporal

Um estudo verificou que os ciclos repetidos de perda e recuperação de peso, como os que ocorrem nas dietas yo-yo podem piorar a composição corporal a médio-longo prazo.(6)

Após a perda de peso obtida no final de uma dieta de restrição energética, há uma tendência para a recuperação do peso perdido até aos valores anteriores ao início da dieta. (6)

Infelizmente, a velocidade de recuperação da massa adiposa é mais rápida do que a da massa magra e essa assimetria é acompanhada por um aumento do apetite que persiste até à recuperação completa da massa magra.(6)

Esse mecanismo poderá ser responsável pelo aumento sucessivo da massa adiposa que pode ocorrer após vários ciclos repetidos de perda e ganho de peso, favorecendo assim um aumento da % de gordura corporal, contrário aos objetivos da maioria dos atletas e culturistas.(6)

Na tabela acima, a seta dupla indica que no ponto do tempo no qual a gordura corporal já foi completamente recuperada a recuperação da massa magra ainda está longe de estar completa, com a hiperfagia (aumento do apetite) a manter-se até à massa magra estar totalmente recuperada.(6)

Tendo em conta estes dados, é perfeitamente possível que os ciclos repetidos de perda e ganho de peso, causados pelas dietas yo-yo, provoquem um aumento da massa adiposa, a médio-longo prazo.

Outros autores também sugerem que a utilização de dietas drásticas, muito restritivas, habitualmente usadas por boxers e atletas de elite, aumentam o risco de excesso de peso e obesidade a longo prazo. (5)

Conclusão

Está comprovado que as dietas extremas, que proporcionem muito pouca energia (1000 kcal/dia) estão associadas a vários efeitos negativos, incluindo hipotensão, dores de cabeça, náuseas, depleção do glicogénio, perda de massa magra, desidratação e desequilíbrio de electrólitos. (5)

Dito isto, recomenda-se vivamente aos atletas que precisem de perder peso, que o façam sob a supervisão de um nutricionista desportivo experiente, pois desta forma irão obter os melhores resultados.(5)

➤ Mostrar/Ocultar Referências!
  1. Rodriguez NR, Di Marco NM, Langley S. American College of Sports Medicine position stand. Nutrition and athletic performance. Medicine and science in sports and exercise. 2009; 41(3):709-31.
  2. Gaida JE, Ashe MC, Bass SL, Cook JL. Is adiposity an under-recognized risk factor for tendinopathy? A systematic review. Arthritis and rheumatism. 2009; 61(6):840-9.
  3. Murphy CH, Hector AJ, Phillips SM. Considerations for protein intake in managing weight loss in athletes. European journal of sport science. 2015; 15(1):21-8.
  4. Heymsfield SB, Thomas D, Nguyen AM, Peng JZ, Martin C, Shen W, et al. Voluntary weight loss: systematic review of early phase body composition changes. Obesity reviews : an official journal of the International Association for the Study of Obesity. 2011; 12(5):e348-61.
  5. O'Connor H, Olds T, Maughan RJ. Physique and performance for track and field events. Journal of sports sciences. 2007; 25 Suppl 1:S49-60.
  6. Dulloo AG, Jacquet J, Montani JP, Schutz Y. How dieting makes the lean fatter: from a perspective of body composition autoregulation through adipostats and proteinstats awaiting discovery. Obesity reviews : an official journal of the International Association for the Study of Obesity. 2015; 16 Suppl 1:25-35.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame