Avançar para o conteúdo principal

Os suplementos para as articulações funcionam?

Os suplementos para as articulações, ou mais precisamente para a osteoartrose, são dos mais vendidos no mundo ocidental.

Estima-se que 69% daqueles que sofrem de osteoartrite tomam um ou mais suplementos alimentares específicos para tratar esta condição. Em 2009, e só nos EUA, as vendas de glucosamina e condroitina representaram cerca de 872 milhões de dólares.

Embora sejam bastante usados pelos que sofrem de osteoartrose e/ou outras perturbações ao nível das articulações, o nível de eficácia dos suplementos para esta condição ainda está por esclarecer.

O estudo

Numa tentativa de dar resposta à questão inicial deste artigo, há poucos anos, um grupo de investigadores procurou determinar o grau de eficácia dos suplementos existentes para tratar a osteoartrose.

Para o efeito, efetuaram uma revisão sistemática e meta-análise de estudos clínicos controlados, que tenham testado um determinado suplemento, em comparação com um placebo.

Na sua análise incluíram 69 estudos, num total de 20 suplementos testados, sendo que a maioria avaliaram a glucosamina e a condroitina.

Viés

Do total de 69 estudos incluídos, estes investigadores consideraram que apenas 7 estudos tinham um risco de viés reduzido.

44 estudos foram financiados por empresas farmacêuticas e considerados como tendo um elevado risco de viés, devido a conflitos de interesse. Esses estudos demonstraram efeitos mais expressivos do que aqueles que não receberam financiamento ou sem conflitos de interesses.

Relativamente à condroitina, um dos suplementos mais conhecidos dentro desta categoria, verificou-se que os estudos com risco de viés de seleção mais baixo demonstraram efeitos de tratamento inferiores aos dos classificados como sendo de risco pouco claro.

Dor

Os autores deste trabalho efetuaram uma análise conjunta, a qual sugeriu um efeito moderado dos suplementos na redução da dor, a curto prazo, mas com um nível evidência de qualidade muito reduzido.

No respeitante à redução da dor, a curto prazo, sete suplementos (L-carnitina, picnogenol, curcumina, extrato de Boswellia serrata, extrato de Curcuma longa, extrato de casca de maracujá e hidrolisado de colágeno) demostraram efeitos grandes e clinicamente relevantes. No entanto o nº de estudos incluídos na análise foi pequeno e a maioria foram patrocinados por empresas farmacêuticas.

Na redução da dor a médio e longo prazo, em termos clínicos, nenhum suplemento demonstrou efeitos significativos, exceto o extrato de mexilhão de lábios verdes e colágeno tipo II não desnaturado, que demonstraram efeitos significativos, a médio prazo.

De referir que estes investigadores reportaram a existência de evidência limitada que sugere que a glucosamina, os insaponificáveis de abacate/soja e o picnogenol provavelmente reduziram o uso de anti-inflamatórios não esteroides.

Rigidez articular

A curto prazo, cinco suplementos (extrato de Boswellia serrata, L-carnitina, MSM, colagénio tipo II não desnaturado e picnogenol) demonstraram melhorias estatisticamente significativas na redução da rigidez articular, sendo que apenas o extrato de Boswellia serrata atingiu importância clínica.

Neste trabalho não foi detetada evidência que suporte a existência de benefícios ao nível da rigidez articular a médio e longo prazo com qualquer um dos suplementos.

A longo prazo, apenas a condroitina demonstrou diferença estatisticamente significativa quando comparada com placebo, mas sem efeitos clinicamente importantes.

Conclusão

Estes investigadores concluíram o seu trabalho com alguns pontos-chave:

  • Os suplementos mais usados (glucosamina, condroitina) não têm um efeito clínico importante na osteoartrite.
  • Alguns suplementos pouco conhecidos (extrato de Boswellia serrata, picnogenol, curcumina) aparentam ter efeitos grandes, embora os dados atualmente disponíveis sejam de baixa qualidade.
  • De modo geral, verifica-se que os suplementos para tratar a osteoporose são seguros.

Referência!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame