Avançar para o conteúdo principal

Os Peixes Com Mais e Menos Mercúrio

O peixe é um dos alimentos mais consumidos do planeta e está incluído na maior parte das dietas “saudáveis” que existem por aí.

É também consumido em grandes quantidades pelos fisioculturistas e adeptos do estilo de vida fitness e existem bons motivos para isso.

Os benefícios do peixe

O peixe é uma fonte de proteína de alta qualidade e que costuma ser de fácil acesso e não demasiado cara.

Também irá gostar de saber também que algumas investigações indicam que o peixe sacia mais o apetite em comparação com o frango ou a carne vermelha. (1)

Para além disso, os tipos de peixe magro (como o atum e a pescada) são praticamente isentos de gordura, o que os torna uma excelente escolha para quem deseja perder peso, e mesmo os peixes mais gordos contêm grandes quantidades de gorduras saudáveis em forma de ácidos graxos ômega 3.

O óleo de peixe, que é rico em ômega 3, proporciona vários benefícios para a saúde, incluindo aumento da queima de gordura, diminuição do armazenamento de gordura, diminui a inflamação, alivia a depressão, estabiliza o estado de humor, diminui o risco de problemas cardiovasculares e de AVC´s (2).

O teor elevado de taurina do peixe também pode melhorar os níveis de sensibilidade à insulina e/ou à leptina, o que é ótimo para as pessoas que sofrem de diabetes tipo 2.

O problema do mercúrio

Estas são excelentes razões para consumir peixe, mas nem tudo é positivo no que diz respeito ao consumo de peixe.

O principal motivo de preocupação é o conteúdo de mercúrio do peixe.

O mercúrio, tal como já deve saber, é um metal tóxico que quando se acumula em quantidades excessivas pode provocar uma série de problemas no corpo.

Uma questão que surge com frequência é qual é a quantidade de peixe que pode ser consumida no dia-a-dia de forma a se poder obter os seus benefícios nutricionais e ao mesmo tempo evitar os potenciais problemas relacionados com o mercúrio.

Devido aos potenciais efeitos negativos que o mercúrio pode provocar na saúde, a Organização Mundial de Saúde estabeleceu limites seguros diários e semanais de ingestão de mercúrio.

As mulheres grávidas ou mulheres que pretendem engravidar, deveriam minimizar a ingestão de mercúrio a partir do peixe de forma a evitarem a possibilidade de ocorrência de defeitos de nascimento.

Pode ver uma lista dos peixes com maior e menor concentração de mercúrio (PPM - Partes por Milhão) nas tabelas abaixo.

Peixe com concentrações mais elevadas de mercúrio

Peixe Conteúdo de mercúrio
Cavala  0.730
Tubarão  0.979
Espadarte  0.995
Peixe-batata (Tilefish)  1.450

Peixe e frutos do mar com concentrações mais reduzidas de mercúrio

Peixe Conteúdo mercúrio Peixe Conteúdo mercúrio Peixe Conteúdo mercúrio
 Anchovas  0.017  Arenque  0.084  Vieira  0.003
 Peixe-manteiga  0.058  Jacksmelt  0.081  Shad American  0.045
 Peixe-gato  0.025  Lagosta  0.093  Camarão  0.009
 Mexilhão  0.009  Sarda  0.050  Lula  0.023
 Bacalhau  0.111  Sarrajão  0.088  Tilapia  0.013
 Caranguejo  0.065  Tainha  0.050  Truta  0.071
 Lagostim  0.033  Ostra  0.012  Juliana  0.031
 Corvina (atlântico)  0.065  Peixe-vermelho  0.121  Whitefish  0.089
 Solha  0.056  Salmão enlatado 0.008  Whiting  0.051
 eglefim  0.055  Salmão fresco  0.022    
 Pescada  0.079  Sardinha  0.013    

Níveis de mercúrio de outros peixes e frutos do mar

Os peixes com os número mais reduzidos são os melhores, indicando uma menor quantidade de mercúrio por cada  serviço de peixe.Para mais informações acerca deste tema, consulte este site da FDA

Numa base diária, os homens deveriam consumir 0.19 ou menos e os peixes com uma quantidade de mercúrio superior a esta só deve ser ingerido no máximo até duas vezes por semanas.

As mulheres deveriam manter-se ao nível diário de 0.14 ou menos, e podem ingerir até 0,38 duas vezes por semana.

Como pode ver, o atum, que forma parte da dieta diária de muitos adeptos do estilo fitness e praticantes de musculação, ultrapassa em muito os níveis aceitáveis de mercúrio, pelo que se deve evitar o seu consumo regular.

Referência 1|2

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame