Avançar para o conteúdo principal

Os atletas precisam de suplementos de vitaminas e minerais?

Os suplementos de vitaminas e minerais são dos suplementos alimentares mais ingeridos por vários grupos de atletas, inclusive pelos atletas portugueses(1, 2).

Mas será que os atletas realmente precisam desse tipo de suplementos? E será que proporcionam uma melhoria da performance?

Para começar, a maioria dos estudos indica que os atletas que seguem ricas em calorias, que contenham a dose diária recomendade de todos os nutrientes, têm poucas deficiências de vitaminas e minerais.(3)

Num estudo realizado em Portugal, e que envolveu atletas de elite, constatou-se que:(4)

  • 33% das atletas femininas e 17% dos atletas masculinos ingeriam uma quantidade de vitamina E inferior à recomendada.
  • 5% dos atletas do sexo masculino não ingeriam a quantidade recomendada de folato e magnésio.
  • Ambos os géneros ingeriam as quantidades recomendadas dos restantes micronutrientes.
  • A ingestão de vitaminas e minerais não foi diferente entre os que utilizavam suplementos e os que não utilizavam.

Em 2009 a American College of Sports Medicine emitiu um documento que contém uma série de recomendações acerca da suplementação com vitaminas e minerais, incluindo a que se segue:(5)

Os suplementos de vitaminas e minerais não são necessários se o atleta ingerir a quantidade adequada de energia a partir de uma variedade de alimentos.

Mas também refere que a suplementação pode ser necessária nos atletas que:(5)

  • Seguem um regime alimentar de restrição energética
  • Adoptam práticas extremas com o objetivo de perder peso.
  • Eliminam um ou mais grupos alimentares da sua dieta.
  • Têm dietas desiquilibradas, com baixa densidade de micronutrientes.
  • Estejam doentes ou a recuperar de uma lesão.
  • Sofram de deficiência específica de um ou mais micronutrientes.
  • Necessitem de tratar de um problema médico específico (tal como suplementação com ferro para tratar uma anemia).
  • Nas atletas grávidas ou que pretendam engravidar (devem suplementar-se com ácido fólico).

Alguns profissionais de saúde referem ainda que boa parte da população não ingere a quantidade recomendada de vitaminas somente a partir da dieta e que seria prudente que todos os adultos ingerissem suplementos de vitaminas, mas não mais de 100-150% da dose diária recomendada.(3)

Referindo-nos mais especificamente aos atletas, alguma literatura sugere que os atletas que realizam treino de alta intensidade poderiam necessitar de uma quantidade mais elevada das vitaminas B1, B2 e B6, que estão envolvidas na produção de energia.(3)

Ainda assim, a quantidade necessária não seria superior ao dobro da dose diária recomendada e pode ser facilmente atingida através do aumento da ingestão alimentar que geralmente está associado ao treino de alta intensidade.(3)

De notar que os atletas vegetarianos estão em maior risco de ingerir uma quantidade insuficiente de energia, proteína, gordura e micronutrientes importantes como as vitaminas B2, B12, D e os minerais zinco, cálcio e ferro.(5)

De forma a evitar essas deficiências nutricionais, recomenda-se que atletas, sobretudo os vegetarianos, consultem e sigam as recomendações de um nutricionista desportivo.(5)

Os suplementos de vitaminas e minerais melhoram a performance?

Atualmente sabe-se que a deficiência de vitaminas pode diminuir o desempenho atlético.(3, 6)

Mais especificamente, a ingestão de vitamina C e vitaminas do grupo B (B1, B2 e B6) em quantidades inferiores a 1/3 da dose diária recomendada, provoca uma redução significativa no VO2max e no limiar anaeróbio, mesmo quando a dieta é suplementada com outras vitaminas.(3)

E caso a deficiência seja corrigida, geralmente a capacidade física do atleta melhora.(6)

Já a suplementação com vitaminas não parece melhorar o rendimento de atletas que seguem uma dieta equilibrada.(3, 6)

Um estudo verificou que, a suplementação com uma quantidade de vitaminas e minerais 100 a 5000 vezes superior à dose diária recomendada, durante 7-8 meses, em atletas de elite, não proporcionou nenhuma melhoria significativa ao nível da força, na capacidade anaeróbia, nem na capacidade aeróbia. Isto em comparação com atletas que seguiram uma dieta normal a partir da qual obtinham a dose diária recomendada de vitaminas e minerais.(7)

Conclusão

De uma forma geral, a literatura atual refere que os suplementos de vitaminas/minerais são desnecessários para atletas ou indivíduos fisicamente ativos que seguem uma dieta equilibrada e que proporcione a quantidade adequada de calorias.(3)

Apesar disso, algumas populações especiais, tal como idosos, veganos e mulheres em idade reprodutiva poderão beneficiar com a sua suplementação.(3)

Já os atletas de alta competição, sujeitos a controlo anti-doping, provavelmente fariam melhor em evitar a ingestão de suplementos, incluindo os de vitaminas e minerais, pois estes muitas vezes encontram-se contaminados com substâncias proibidas e devido a isso, vários atletas acusam positivo nos testes de doping.(8)

➤ Mostrar/Ocultar Referências!
  1. Sousa M, Fernandes MJ, Moreira P, Teixeira VH. Nutritional supplements usage by Portuguese athletes. International journal for vitamin and nutrition research Internationale Zeitschrift fur Vitamin- und Ernahrungsforschung Journal international de vitaminologie et de nutrition. 2013; 83(1):48-58.
  2. Jacobson BH, Sobonya C, Ransone J. Nutrition practices and knowledge of college varsity athletes: a follow-up. Journal of strength and conditioning research / National Strength & Conditioning Association. 2001; 15(1):63-8.
  3. Williams MH. Dietary Supplements and Sports Performance: Introduction and Vitamins. Journal of the International Society of Sports Nutrition. 2004; 1(2):1-6.
  4. Sousa M, Fernandes MJ, Moreira P, Teixeira VH. Use of nutritional supplements by elite adult Portuguese athletes is not associated with nutritional intake. British Journal of Sports Medicine. 2010; 44(14):i23.
  5. Rodriguez NR, Di Marco NM, Langley S. American College of Sports Medicine position stand. Nutrition and athletic performance. Medicine and science in sports and exercise. 2009; 41(3):709-31.
  6. Williams MH. Vitamin supplementation and athletic performance. International journal for vitamin and nutrition research Supplement = Internationale Zeitschrift fur Vitamin- und Ernahrungsforschung Supplement. 1989; 30:163-91.
  7. Telford RD, Catchpole EA, Deakin V, Hahn AG, Plank AW. The effect of 7 to 8 months of vitamin/mineral supplementation on athletic performance. International journal of sport nutrition. 1992; 2(2):135-53.
  8. de Hon O, Coumans B. The continuing story of nutritional supplements and doping infractions. British Journal of Sports Medicine. 2007; 41(11):800-05.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame