Avançar para o conteúdo principal

Os Alimentos Orgânicos São Mais Nutritivos

Já se sabia que os alimentos orgânicos contêm quantidades significativamente mais reduzidas de pesticidas orgânicos do que os alimentos convencionais. Mas e em relação ao conteúdo de nutrientes? Será que os alimentos orgânicos são mais nutritivos?

Felizmente, até hoje já foram realizadas várias investigações que nos poderão ajudar a encontrar a resposta a esta questão.

Como exemplo, uma análise realizada em 2011 descobriu que os produtos os produtos orgânicos têm tendência a conter níveis significativamente mais elevados de Vitamina C e “metabólitos secundários”.

Esses metabólitos secundários incluem vários compostos antioxidantes como os polifenóis, flaconóides e outros fitonutrientes (1).

Frutas e verduras

Um estudo que examinou a qualidade da fruta de três variedades morangos orgânicos e de morangos produzidos de forma convencional, encontrou diferenças importantes (2).

Em primeiro lugar, os morangos orgânicos venceram em quase todos os testes de paladar. Eram mais pequenos, mas mais densos. E também eram mais brilhantes, o que está correlacionado com níveis mais elevados de compostos fenólicos e de outros antioxidantes.

Os morangos orgânicos continham mais Vitamina C, duraram mais tempo nas prateleiras de exposição e eram mais resistentes a fungos (apesar de não terem recebido fungicidas).

Outro estudo de revisão verificou que, de uma forma geral, os produtos orgânicos continham níveis mais elevados de metabólitos secundários e tinham tendência a conter mais magnésio, vitamina C, ferro e fósforo.

Ovos

A maioria dos ovos que se vendem atualmente nos supermercados têm uma qualidade nutricional inferior à dos ovos produzidos por galinhas criadas em pastos. Esta foi a conclusão a que chegou uma investigação publicada em 2010 em Cambridge Journals.

Nesta investigação, os ovos de galinhas criadas ao ar livre foram comparados com os ovos de 50 galinhas irmãs que foram alimentadas apenas com ração comercial em confinamento durante 6 semanas completas (4).

Em comparação com os ovos das galinhas criadas em confinamento, os ovos das galinhas criadas ao ar livre continham:

  • O dobro da quantidade de vitamina E.
  • Uma quantidade 2,5 vezes superior de ácidos gordos ômega-3.
  • Menos de metade do rácio de ácidos gordos ômega-6 para ômega-3.
  • Uma concentração 38% mais elevada de vitamina A.

Em 2003, a investigadora Heather Karsten da Universidade da Pensilvânica comparou os ovos de dois grupos da mesma variedade de galinhas. Um grupo foi mantido em condições de confinamento, de produção intensiva, e o outro foi colocado ao ar livre, com acesso a grama mista e pastagem de leguminosas (5).

Esta investigadora verificou que ambos os tipos de ovos continham níveis semelhantes de gordura e de colesterol, mas os ovos das galinhas criadas ao ar livre continham uma quantidade três vezes superior de ômega-3, 220% mais vitamina E e 62% mais vitamina A do que os ovos de galinhas criadas em confinamento.

Num relatório, a Universidade de Michigan afirmou que

A maioria dos produtos animais produzidos de forma industrial contêm resíduos de fármacos, hormonas e químicos...

Esses resíduos presentes nos alimentos aumentam o risco de cancro da mama e de outros cancros relacionados com hormonas, incluindo o cancro da próstata.

Esse relatório concluiu:

Nós recomendados ovos de galinhas criadas ao ar livre porque podem conter menos resíduos de antibióticos ou de hormonas e podem ter um conteúdo mais elevado de ômega-3 e de vitamina E.

Devido à dieta e à capacidade de movimentação ao ar livre, os ovos dessas galinhas têm um sabor melhor e valor nutricional superior ao dos ovos convencionais.

Bife

A forma como os animais se alimentam ou são alimentados pode ter um efeito notório na composição nutricional da sua carne. Isto é particularmente evidente quando se trata da composição dos seus ácidos gordos.

Normalmente, a carne dos animais alimentados a pastos tem uma menor quantidade total de gordura do que a carne de animais alimentados a cereais, o que significa que, grama por grama, o bife de vacas alimentadas a pastos contem menos calorias.

Para além disso, este tipo de carne contem quantidades mais elevadas de:

  • Ácidos gordos ômega-3: O bife de vacas alimentadas com pastos pode conter até 5 vezes mais ômega-3 do que o bife de vacas alimentadas com cereais.
  • Ácido linoleico conjugado (CLA): O bife de vacas alimentadas a pastos contem uma quantidade até 2 vezes maior de CLA do que o bife de vacas alimentadas a ração. O CLA é um tipo de ácido gordo que está associado a uma redução da gordura corporal e a outros efeitos benéficos (7).
  • Vitamina A: O bife de vacas alimentadas a pastos também contém mais caratenóides percursores da Vitamina A, tal como o betacaroteno.
  • Vitamina E: Esta é outra vitamina, com propriedades antioxidantes, que a bife de vacas alimentados a pastos contêm em maior quantidade.
  • Minerais: Para além disso, o bife de bovinos alimentados a pastos também contem quantidades mais elevadas de potássio, ferro, zinco, fósforo e sódio (8, 9, 10, 11)

Outros tipos de carne vermelha e lacticínios

Vários estudos indicam que a carne e o leite de cordeiros alimentados a pastos contêm uma quantidade significativamente mais elevada de ácidos gordos ômega-3 e de ácido linoleico conjugado do que a carne e o leite de cordeiros alimentados a cereais (11, 12, 13).

Outro estudo revela que a composição de ácidos gordos do bisonte alimentado a pastos é similar à da vaca alimentada a pastos, e ambos contêm níveis mais elevados de ômega-3 e de CLA do que a carne do bisonte alimentado a cereais (14).

Conclusão

De uma forma geral, podemos verificar que existe um número significativo de investigações que sugerem que os produtos orgânicos tendem a ser mais nutritivos e saudáveis.

Por isso, gostaria de sugerir ao leitor que tente ingerir sobretudo alimentos orgânicos. No entanto, entendo que pode ser difícil obter este tipo de alimentos em determinadas zonas e alturas do ano.

Infelizmente, e na maioria das vezes, os alimentos orgânicos também têm o inconveniente de serem mais dispendiosos.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame