Avançar para o conteúdo principal

Os Adoçantes Dificultam a Perda de Gordura?

Será que os adoçantes ou edulcorantes usados pela indústria alimentar na confecção dos seus produtos e aqueles vendidos nos supermercados promovem um maior acúmulo de gordura?

Apesar do seu consumo ter vindo a aumentar ao longo dos últimos anos, o uso de adoçantes artificiais ou “naturais” como ajuda para perder peso, continua a ser um tema altamente controverso no mundo da nutrição e do fitness.

Os adoçantes dificultam a perda de gordura?

Vários artigos publicados em revistas, sites e blogs sugerem ou defendem que o consumo de adoçantes, mesmo sendo aqueles praticamente isentos de calorias, podem interferir na perda de gordura através de vários mecanismos, sendo os mais referidos o aumento do apetite, aumento da resposta insulínica às refeições e possível redução da sensibilidade à insulina.

No entanto, pelo menos um estudo verificou que o aumento dos níveis de glucose sanguíneo e de insulina derivado da ingestão de adoçantes artificias é praticamente nula. Ou seja, não existiu nenhuma resposta da insulina a nenhum dos adoçantes artificiais.

Nesse mesmo estudo, a ingestão dos edulcorantes Aspartamo, Acesulfame-k  e Sucralose também não aumentou os níveis de hormona da saciedade Peptídeo tirosina tirosina (PYY), nem da hormona da fome (Grelina) em comparação com um grupo de controlo que ingeriu apenas água (1).

A verdade é que até hoje ainda não foi realizado nenhum estudo em seres humanos que confirme que qualquer um dos adoçantes artificiais “clássicos” como a sucralose e aspartamo, têm efeitos negativos na perda de peso ou na perda de gordura durante as dietas de restrição calórica.

Nesse sentido, num estudo realizado recentemente, os investigadores recrutaram 24 indivíduos obesos, mas saudáveis e dividiram-nos em dois grupos. Um dos grupos seguiu uma dieta de alimentos e bebidas adoçadas com sacarose (açúcar de mesa), enquanto outro grupo ingeriu alimentos e bebidas adoçadas com edulcorantes isentos de calorias, durante 10 semanas (2).

A composição dos edulcorantes artificiais foi de 54% de Aspartamo, 23% de Ciclamato de sódio, 22% de Acesulfame-K e 1% de Sacarina.

No final das 10 semanas, os indivíduos que seguiram a dieta com alimentos adoçados com açúcar engordaram, enquanto aqueles que seguiram a dieta adoçada com edulcorantes artificiais melhorias significativas da composição corporal. Isto sem terem restringindo a sua ingestão de energia de forma deliberada.

O que este estudo indica é que os produtos adoçados com edulcorantes artificiais podem realmente ajudar as pessoas a perder peso.

Além disso, foi realizado um outro estudo na Universidade do Colorado, que teve a duração de 12 semanas. Os investigadores deste estudo recrutaram 300 indivíduos com excesso de peso e colocaram-nos num programa para perda de peso que incluía uma dieta de restrição calórica e um plano de treino (3).

Os voluntários deste estudo foram divididos em dois grupos. Um dos grupos foi aconselhado a beber apenas água e o outro grupo foi aconselhado a ingerir uma combinação de bebidas zero-calorias (por exemplo refrigerantes light ou chás adoçados com edulcorantes) e água.

No final de três meses, os participantes do grupo dos refrigerantes o calorias, perderam mais gordura, 5,9 kg em comparação com o grupo da água que perdeu 4,8 kg e sentiram menos fome do que os participantes do grupo que ingeriu apenas água.

Aliás, os participantes do grupo da bebidas light não só perderam mais peso e sentiram menos fome, como também obtiveram uma maior redução da pressão arterial, dos níveis de colesterol LDL e total, dos triglicerídeos e uma diminuição da cincunferência da cintura.

Conclusão

Estas informações vão ao encontro do que muitos atletas de fitness, do fisiculturismo e fitness bikini têm vindo a fazer e a afirmar ao longo dos últimos anos. Este tipo de atletas usa com frequência edulcorantes artificiais/adoçantes como o Stevia em receitas e bebidas, e afirmam que essa estratégia ajuda-os a manterem-se fieis às dietas.

Ora qualquer coisa que possa ajudar estes atletas a manterem-se fieis à dieta, também irá ajudá-los a apresentarem-se no palco com a melhor forma física possível. Isto também poderá ser útil para o indivíduo comum que pretende perder gordura, mas que sente um grande desejo por doces e dificuldades em controlar a fome quando segue uma dieta de restrição calórica.

Não sei ao certo porque motivo algumas pessoas não acreditam nisso e acusam os edulcorantes artificiais de dificultarem a perda de gordura ou até mesmo de promoverem ganhos de gordura, mas a mim parece-me ser apenas uma fraca desculpa para justificarem os seus próprios erros dietéticos ou a falta de resultados.

Se está a pensar em usar adoçantes isentos de calorias, mas tem receio dos possíveis efeitos deletérios para a saúde dos edulcorantes artificiais, então o melhor que tem a fazer é optar por edulcorantes mais saudáveis como o Stevia e o Eritritol. Vários estudos confirmam que o Stevia pode oferecer vários benefícios para a saúde, promovendo inclusive melhorias no metabolismo da insulina.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame