Avançar para o conteúdo principal

Os 7 Tipos de Proteína Whey

Não restam dúvidas de que a proteína do soro de leite, mais conhecida por proteína whey, é o suplemento proteico mais popular e consumido no mundo ocidental.

Soro de leite é um termo geral que normalmente se aplica à parte líquida translúcida do leite que permanece após o processo (coagulação e remoção da coalhada) da produção do queijo.

A partir desse líquido, as proteínas do soro são separadas e purificadas através de várias técnicas, gerando um produto com maior concentração de proteínas.

O facto de ser uma proteína relativamente económica, de sabor geralmente agradável, de absorção rápida e fácil e de alto valor biológico tornaram este suplemento proteico um best-seller.

Mas sabia que existem pelo menos 7 variedades diferentes de proteína whey disponíveis? Vamos conhecê-las melhor neste artigo.

Os 7 tipos de proteína whey

  1. Whey Ácida: A whey ácida é um subproduto derivado da produção de queijo coagulado com recurso a compostos ácidos. Raramente é usada na produção de suplementos de proteína whey.
  1. Whey Doce: A whey doce é um derivado obtido a partir da produção de queijo coagulado com coalho. Uma vez que a maioria dos queijos são produzidos através deste método, a whey doce é também o tipo de proteína whey que se encontra mais facilmente disponível no mercado e a partir do qual geralmente são os produzidos os concentrados, isolados e hidrolisados de proteína whey.
  1. Soro de Leite em Pó: É basicamente soro de leite que foi sujeito a um processo de desidratação até apenas restar um pó. Tipicamente contém apenas 11-14,5% de proteína, e é rica em lactose (25-89%) e gordura (1-1,5%). Não costuma ser vendida em forma de suplemento alimentar, mas sim como aditivo para uso na indústria alimentar, estando presente numa grande variedade de produtos, sobretudo lacticínios como iogurtes, produtos de padaria, confeitaria e fórmulas infantis.
  1. Whey Concentrada: O processamento do concentrado de soro, com recurso a métodos como a microfiltração ou troca iônica remove a água, lactose, cinzas e alguns minerais. A whey concentrada pode conter entre 25-89% de proteína, 10-55% de lactose e cerca de 0,5% de gordura. Geralmente tem um teor mais elevado de proteínas e outros componentes biologicamente ativos do que a whey isolada.
  1. Whey Isolada: Os isolados são o tipo de proteína whey com teor de proteína mais elevado disponível no mercado. Tipicamente contêm 90% de proteína ou mais e são praticamente isentas de gordura e lactose. Durante o processamento da proteína do soro do leite ocorre a remoção da quase totalidade da gordura e lactose. No entanto, o processo geralmente desnatura uma percentagem significativa das suas proteínas.
  1. Whey Hidrolisada: Os hidrolisados de proteína whey são produzidos a partir de proteína whey concentrada ou isolada, à qual são adicionadas enzimas proteolíticas. São essas enzimas que “clivam” ligações peptídicas entre aminoácidos, gerando assim uma mistura complexa de peptídeos de diferentes comprimentos de cadeia, juntamente com aminoácidos livres.  Como pontos menos positivos, geralmente, quanto mais elevada for a % de hidrólise da proteína whey, mais desagradável será o seu sabor e aroma.5 Devido ao processamento extra a que são submetidas, a proteína whey hidrolisada tende a ser significativamente mais dispendiosa do que a whey concentrada e isolada.
  1. Whey Nativa: Ao contrário do que acontece com a proteína whey concentrada, a whey nativa não é sujeita a tratamento químico e térmico, os quais podem desnaturar proteínas e diminuir a disponibilidade de alguns aminoácidos. A proteína whey nativa é produzida através de um método suave da filtração de leite cru não processado. Esse processo de fabrico mantém as proteínas intactas e resulta num produto com um teor de leucina mais elevado comparativamente à whey concentrada. Este teor mais elevado de leucina poderá produzir um maior estímulo da síntese de proteína muscular do que a whey concentrada, o que não significa necessariamente que proporcione maiores ganhos de massa muscular. Tipicamente é muito mais dispendiosa do que os concentrados e isolados de proteína whey.
➤ Mostrar/Ocultar Referências!
  1. Hoffman JR, Falvo MJ. Protein - Which is Best? J Sports Sci Med. 2004;3(3):118-130.
  2. Marshall K. Therapeutic applications of whey protein. Altern Med Rev. 2004;9(2):136-156.
  3. Athira S, Mann B, Saini P, Sharma R, Kumar R, Singh AK. Production and characterisation of whey protein hydrolysate having antioxidant activity from cheese whey. J Sci Food Agric. 2015;95(14):2908-2915.
  4. Manninen AH. Protein hydrolysates in sports nutrition. Nutr Metab (Lond). 2009;6:38-38.
  5. Leksrisompong PP, Miracle RE, Drake M. Characterization of flavor of whey protein hydrolysates. J Agric Food Chem. 2010;58(10):6318-6327.
  6. Hamarsland H, Aas SN, Nordengen AL, et al. Native Whey Induces Similar Post Exercise Muscle Anabolic Responses as Regular Whey, Despite Greater Leucinemia, in Elderly Individuals. J Nutr Health Aging. 2019;23(1):42-50.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame