Avançar para o conteúdo principal

Os 10 Alimentos Mais Ricos em Vitamina C

Também conhecida por ácido ascórbico, a vitamina C será provavelmente uma das mais conhecidas e com a qual uma fatia significativa da população se suplementa (1).

Entre as suas funções fisiológicas, destacam-se o seu papel como antioxidante (2), estando ainda envolvida na regeneração de outros antioxidantes, como a vitamina E (3). Também participa na síntese do colagénio, sendo o escorbuto a manifestação mais clara da deficiência desta vitamina (4).

Curiosamente, o ser humano é um dos poucos seres vivos que não sintetiza vitamina C de forma endógena, tendo perdido esta capacidade algures ao longo da sua história evolutiva. Devido a isso, temos obrigatoriamente que obter quantidades suficientes de vitamina C a partir de alimentos (5).

A dose diária recomendada para os homens adultos é de 90 mg e para as mulheres é de 75 mg. Para os fumadores recomenda-se a ingestão adicional de 35 mg/dia (6).

Os 10 alimentos mais ricos em vitamina C

Alimento Quantidade (Mg )
Acerola

941,4

Cajú, crú

219,3

Pimentão amarelo, crú

201,4

Mexerica, Rio, crúa

112

Goiaba branca, com casca, crúa

99,2

Couve manteiga, crúa

96,7

Mamão, Papaia, crú

82,2

Goiaba, vermelha, com casca, crúa

80,6

Mamão. Formosa, crú

78,5

Kiwi, crú

70,8

Fonte: TACO (Tabela Brasileira de Composição de Alimentos). Note que nesta lista incluí apenas alimentos que não foram processados e que não contêm Vitamina C adicionada.

Como pode ver, a Acerola, que contém o impressionante valor de 941,4 mg de vit. C por cada 100 gramas e é o alimento mais rico em vitamina C conhecido pelo homem (7).

Também se verificou que a ingestão de sumo de Acerola promove uma maior subida dos níveis plasmáticos e ainda uma redução da excreção urinária de vitamina C, em comparação com a ingestão desta vitamina em forma de suplemento (8).

Em seguida temos o cajú e o pimentão que contêm mais de 200mg de vit. C por cada 100 gramas. A couve também é um alimento rico neste nutriente, com quase 100 mg.

Ao contrário do que muitos provavelmente esperariam, a laranja nem sequer se encontra na lista dos alimentos mais ricos em vitamina C e mesmo o Kiwi está em último lugar, na 10º posição, com uns moderados 70,8 mg de vit. C por cada 100 gramas.

Outros alimentos ricos em vitamina C

Alimento Quantidade (mg )
Manga, Palmier, crúa

65,5

Morango, crú

63,6

Agrião, crú

60,1

Laranja, Baía, crúa

56,9

Salsa, crúa

51,7

Tangerina, Ponçã, crúa

48,8

Rúcula, crúa

46,3

Repolho roxo, crú

43,2

Brócolis, cozido

42

Mostarda, folha crúa

38,6

Cebolinha, crúa

31,8

Fonte: TACO (Tabela Brasileira de Composição de Alimentos)

Mais uma vez, a laranja, que é habitualmente considerada um dos alimentos com maior teor de vitamina C, na verdade possui uma quantidade modesta em comparação com outros alimentos.

Como pode ver, as frutas e os vegetais são os alimentos mais ricos em vit. C e por esse motivo, é importante ingerir a quantidade suficiente de hortofrutícolas para evitar a deficiência desta vitamina, que afeta uma fatia importante da população, sobretudo fumadores (9).

Dada a quantidade significativa de Vit. C que é possível obter a partir de determinados alimentos, também não deverá ser necessária a suplementação com esta vitamina para se conseguir atingir os valores da dose diária recomendada.

A obtenção de vitamina C a partir de fontes naturais (alimentos) é preferível por vários motivos, não só porque através dos alimentos iremos obter vários outros nutrientes e antioxidantes (fitoquímicos, polifenois, vitaminas, minerais) (10), mas também porque, ingerindo apenas alimentos, torna-se mais difícil exceder o limite de ingestão segura vitamina ou "Upper Limit", que é de 2000 mg para adultos de ambos os sexos (11).

Na verdade, a ingestão de doses elevadas poderá mesmo ser contraproducente, sobretudo para os atletas (12, 13) e também porque pode provocar efeitos alguns prejudiciais para a saúde (14) incluíndo um maior risco de pedras nos rins (15).

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame