Avançar para o conteúdo principal

Optimiza o aquecimento para o treino de musculação

O aquecimento é algo básico que tomamos como garantido ao ponto de o evitarmos num dia especialmente ocupado. Contudo, um bom aquecimento pode sem dúvida potenciar uma sessão de treino. Qual é o grande objetivo de um bom aquecimento?

Preparar o corpo para a prática induzindo o mínimo de fadiga possível

Correr ou pedalar por 10 a 15 minutos são formas comuns de iniciar o treino. A justificação destes praticantes passa por um aumento da frequência cardíaca e temperatura corporal, preparando o organismo para a prática desportiva. No entanto, existem duas questões que se colocam:

Se o aquecimento é realizado com o objetivo de preparar para a prática, porque não realizar algo mais específico como mobilizar a musculatura a solicitar durante o treino?

Tendo em conta que os mecanismos de adaptação são distintos, a realização de treino “cardio” num momento próximo do treino de força pode interferir nos ganhos tão desejados (1), especialmente em pessoas treinadas. Embora estes efeitos possam ser pequenos, especialmente devido à curta duração e intensidade, porque não optar por outra estratégia?

Organização do Aquecimento

  1. Realização de alongamentos estáticos de baixa intensidade e curta duração

Opcional - Utilização de Foam Roller

  1. Realização de alongamentos dinâmicos em vários planos e amplitudes

Opcional - Ativação muscular

  1. Aquecimento específico

Alongamentos Estáticos

Por diversas vezes, a literatura científica demonstrou que a realização de alongamentos estáticos é uma excelente estratégia para aumentar a amplitude articular (2). No entanto, alguma evidência sugere que antecedendo exercícios de potência, a realização deste tipo de alongamentos por uma longa duração e intensidade pode levar a um decréscimo de performance (2).

Assim, ainda que os potenciais malefícios sejam de magnitude reduzida, é preferível suster o alongamento por durações mais curtas (i.e., < 20 segundos) e intensidades moderadas, progredindo até à amplitude necessária durante o treino.

A utilização de um foam roller, um instrumento de terapia manual, também pode ser uma opção viável. Para além de promover aumentos temporários de flexibilidade ao elevar os níveis de tolerância ao alongamento, não existe qualquer evidência de que possa prejudicar a performance de um atleta (3).

Por ter efeitos ao nível da tolerância à dor (4), pode também ser eficaz em zonas especialmente “presas” ou dolorosas (e.g., como um estímulo de um treino passado – delayed onset muscle soreness), permitindo algum ganho de conforto e segurança na zona afetada.

Alongamentos Dinâmicos

Tendo em conta que os exercícios que se seguem durante o treino são de natureza dinâmica, é importante fazer igualmente uma transição ao nível dos alongamentos realizando movimentos em vários planos e amplitudes.

De modo a otimizar o tempo de treino, pode ser realizado um circuito maioritariamente calisténico, alternando os diversos grupos musculares que serão solicitados durante a sessão, incluindo:

  • Variações do lunge e agachamento
  • Variações de um press vertical e horizontal
  • Variações de uma puxada vertical e horizontal

Podem e devem ainda ser utilizados exercícios de ativação para certos grupos musculares específicos tais como:

  • Musculatura estabilizadora da cintura escapular (e.g., coifa dos rotadores)
  • Glúteos
  • Core

Aquecimento Específico

Após um trabalho de mobilidade específico e eficaz, é importante integrar gradualmente o treino de força. Embora a tendência seja colocar na barra a carga prescrita, é importante começar com cargas mais baixas pelas seguintes razões:

  • Mais oportunidades para trabalho técnico, evitando futuras lesões.
  • Realização repetições rápidas elevando os níveis de confiança ao praticante.

            Exemplo prático:

  • Série 1: Barra (20kg) x 10 repetições
  • Série 2: 40kg x 5-6 repetições
  • Série 3: 60kg x 3 repetições
  • Série 4: 80kg x 2 repetições
  • Série 5: 90kg x 1 repetição
  • Série 6: 100kg

Embora pareça um número substancial de séries, devido à reduzida fadiga imposta pela carga e número de repetições, o tempo de descanso limita-se ao acréscimo de carga. Este tipo de aquecimento pode variar de acordo com a experiência do praticante e, obviamente, com o exercício.

Um exercício para isolar um grupo muscular (e.g., bicep curl) poderá ser automaticamente realizado caso tenha sido feito algum treino prévio dessa musculatura, tal como uma remada ou um pulldown.

Concluindo, uma estrutura base de um aquecimento de 10 a 15 minutos seria:

  • Alongamentos estáticos + foam roller (~ 2 a 5 minutos)
  • Alongamentos dinâmicos + ativação (~ 5 a 8 minutos)
  • Aquecimento específico (~ 3 a 5 minutos)
➤ Mostrar/Ocultar Referências!
  1. Coffey, V. G., & Hawley, J. A. (2016). Concurrent exercise training: Do opposites distract? The Journal of Physiology.
  2. Behm, D. G., Blazevich, A. J., Kay, A. D., & McHugh, M. (2016). Acute effects of muscle stretching on physical performance, range of motion, and injury incidence in healthy active individuals: a systematic review. Applied Physiology, Nutrition,
    and Metabolism, 41(1), 1–11.
  3. Schroeder, A. N., & Best, T. M. (2015). Is self myofascial release an effective preexercise and recovery strategy? A literature review. Current Sports Medicine Reports, 14(3), 200–208.
  4. Aboodarda, S. J., Spence, A. J., & Button, D. C. (2015). Pain pressure threshold of a muscle tender spot increases following local and non-local rolling massage. BMC Musculoskeletal Disorders, 16, 265.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame