Avançar para o conteúdo principal

Óleo de Peixe para Hipertrofia

A grande maioria dos suplementos que se encontram à venda no mercado têm objetivos específicos.

Como por exemplo os termogênicos são utilizados para promover a perder gordura, a creatina é usada para hipertrofia muscular, etc.

No entanto existem algumas poucas exceções e o óleo de peixe é uma delas.

Já quase todos nós conhecemos os efeitos benefícios que o óleo de peixe proporciona, especialmente na saúde do sistema cardiovascular, mas sabia que também pode promover a hipertrofia muscular?

Óleo de peixe para promover a hipertrofia muscular? Provavelmente nunca tinha pensado que este suplemento mais indicado para melhorar a saúde geral pudesse servir para ganhar mais massa muscular, mas os dados científicos parecem indicar que isso é perfeitamente possível.

Efeitos anti-catabólicos do óleo de peixe

A proteína muscular passa por um processo contínuo de síntese (anabolismo) e degradação (catabolismo).

Num estado saudável, os processos anabólicos e catabólicos encontram-se equilibrados de forma a manter a estabilidade ou até para aumentar a massa muscular (tal como acontece quando se combina o treino de musculação com a nutrição adequada).

O catabolismo do tecido muscular é comum em determinados estados clínicos como a diabetes, falha renal, queimaduras, trauma e cancro, bem como durante perdas de peso induzidas pela dieta e outras condições stressantes (1, 2, 3, 4, 5, 6).

Durante esses estados catabólicos, a degradação de proteína muscular excede a síntese de proteína muscular, o que resulta na perda de massa muscular e posteriormente fraqueza física.

O catabolismo da proteína muscular é provocado sobretudo pelo sistema ubiquitina-proteassoma (3, 6, 7, 8, 9, 10, 11). E é aqui que o óleo de peixe entra em cena, uma vez que o ácido gordo EPA diminui a atividade do sistema de catabolismo muscular ubiquitina-proteassoma (2, 4, 5, 12, 13, 14, 15, 16).

Outro mecanismo através do qual o óleo de peixe exerce os seus efeitos anti-catabólicos é através da redução dos níveis de cortisol (17, 18).

Como já se sabe, o cortisol degrada tecido muscular (19) e provoca um conjunto de outros efeitos negativos quando se encontra a níveis elevados de forma crónica, por isso este é um efeito benéfico do óleo de peixe para além do anti-catabolismo.

Efeitos anabólicos do peixe

O que torna o óleo de peixe especialmente interessante é que parece promover o crescimento muscular não só através da inibição do catabolismo muscular, mas também através do estímulo do anabolismo muscular.

Estudos recentes mostraram que a suplementação durante 8 semanas com 4 gramas por dia de concentrado de óleo de peixe, que forneceu uma dose diária de 1,86 g de EPA e de 1.5 g de DHA, aumentou de forma significativa a resposta anabólica da síntese de proteína muscular para aminoácidos e insulina (20).

Foi demonstrado que esse aumento da resposta anabólica para aminoácidos e insulina foi devido ao aumento da ativação dos caminhos de sinalização mTOR/p70S6K, que é considerado um ponto de controlo integral para o anabolismo da proteína muscular (21) e crescimento das células musculares (22, 23, 24, 25).

É provável que existam outros mecanismos que também contribuem para isso. O mesmo estudo demonstrou que a suplementação de óleo de peixe em voluntários saudáveis com 25-45 anos duplicou a proporção de EPA, DPA (um outro tipo de ácido gordo ômega-3 menos conhecido) e DHA nas membranas das células musculares, à custa das concentrações de ácidos gordos omega-6 e monoinsaturados, sem mudanças nos saturados (20).

Portanto é possível que a suplementação de óleo de peixe influencie os caminhos de sinalização anabólica ao afetar a composição dos lípidos das membranas ou da sua fluidez (26, 27, 28, 29).

O óleo de peixe pode realmente promover uma maior síntese de proteína muscular.[/caption]

Já tem mais de 45 anos? Não se preocupe, mesmo assim ainda irá poder beneficiar dos efeitos anabólicos do óleo de peixe.

A mesma equipa de investigação conduziu outro estudo, usando um protocolo de investigação idêntico (1.86 g de EPA e 1.5 g DHA durante 8 semanas) em idosos saudáveis com mais de 65 anos.

Os idoso tiveram os mesmos resultados que os voluntários jovens; a suplementação com óleo de peixe aumentou de forma significativa a síntese de proteína muscular em resposta aos aminoácidos e insulina (30).

Assim sendo, o óleo de peixe parece ser capaz de atenuar a resistência anabólica associada com a velhice (31, 32, 33). Os investigadores ficaram tão impressionados com a resposta que concluíram que o óleo de peixe pode ser útil para a prevenção e tratamento da sarcopénia (30).

Infelizmente os investigadores não mediram a massa muscular nessas intervenções, até porque duraram apenas 8 semanas. No entanto, esses resultados são promissores tendo em consideração que as mudanças no metabolismo da proteína muscular precedem as  mudanças correspondentes na massa muscular (34, 35, 36).

Conclusão

Quer pretenda ganhar massa muscular ou prevenir a perda de massa muscular durante uma dieta, os dados científicos suportam a adição do óleo de peixe ao seu regime de suplementação.

O óleo de peixe, e especialmente o EPA, não só contraria a perda de massa muscular detrimental que observamos em estados catabólicos e de stress, como também potencia a resposta anabólica ao estímulo nutricional em músculos saudáveis de adultos jovens e idosos.

Portanto afeta de forma positiva ambos os estados catabólicos e anabólicos da equação do equilíbrio de proteína muscular.

Os estudos realizados até à data usaram uma dose de óleo de peixe que corresponde a 1,86 g de EPA e 1.5 g de DHA (que pode ser considerada uma dose média-alta). Ainda não sabemos se uma dose mais baixa ou alta teria um efeito maior ou menor, mas esta é uma base pela qual se poderá começar.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame