Avançar para o conteúdo principal

O salmão de aquacultura é igual ao salmão selvagem?

A aquacultura, ou a produção de peixe em cativeiro, tem vindo a expandir-se de forma significativa ao longo das últimas décadas e atualmente representa uma atividade económica de grande importância para a economia de vários países.

Devido à disponibilidade cada vez maior de peixe de aquacultura nas superfícies comerciais, muitas pessoas questionam-se se a composição nutricional deste difere da do peixe “selvagem” ou se contém mais contaminantes potencialmente prejudiciais para a saúde.

O salmão de aquacultura é igual ao salmão selvagem?

Tal como pode ver na tabela abaixo, uma das principais diferenças em termos de composição nutricional encontra-se no valor energético, que é notoriamente mais elevado no salmão de aquacultura (208 Kcal), em comparação com o do salmão selvagem (142 Kcal).

Composição nutricional por 100g

 

Salmão de aquacultura

Salmão selvagem

Kcal

208

142

Gordura total

13.4 g

6.3 g

Gordura saturada

3 g

0.99 g

Gordura monoinsaturada

3.8 g

2.1 g

Gordura polinsaturada

3.9 g

2.5 g

Ácidos gordos ómega 3

2,4 g

1,7 g

Ácidos gordos ómega 6

982 mg

172 mg

Isso deve-se à quantidade de gordura mais elevada no salmão de aquacultura, cujo perfil de lípidos também é bastante diferente, contendo uma quantidade mais elevada de ácidos gordos ómega 3, mas também de ácidos gordos ómega 6.

Para além disso, o salmão selvagem também possui uma quantidade mais elevada dos seguintes minerais: ferro, magnésio, potássio e zinco, não existindo grandes diferenças em relação aos restantes nutrientes (1, 2).

Contaminantes 

É sabido que ao longo da sua vida, os peixes vão acumulando vários tipos de contaminantes (PCBs, Pesticidas, Dioxinas, etc) que se encontram no seu meio ambiente. Com efeito, os resultados de um estudo publicado em 2004 indicam-nos que o peixe de aquacultura, mais especificamente o salmão, contém níveis significativamente mais elevados de vários contaminantes (3).

Verificou-se ainda que os níveis desses contaminantes variam de acordo com local onde o peixe é produzido. O salmão criado na Europa contém quantidades mais elevadas de contaminantes do que o salmão produzido na América do Norte e do Sul, sendo que é aquele proveniente da América do Sul que contém menos contaminantes (3).

Os autores desse estudo chegam mesmo a afirmar que “o consumo de salmão produzido no atlântico pode implicar riscos para a saúde que ultrapassam os benefícios que a ingestão de peixe proporciona” (3).

Metais pesados

Em relação à presença de metais pesados como o mercúrio, cádmio, cobre e cobalto, várias investigações chegaram a conclusões diferentes.

Uma dessas investigações que verificou que é, na verdade, o salmão selvagem que contém níveis mais elevados desses contaminantes, sendo que o salmão selvagem pode chegar a conter níveis três vezes mais elevados de mercúrio do que o salmão proveniente da aquacultura (4).

No entanto, outras duas investigações verificaram que no houve diferenças significativas em termos de presença de metilmercúrio entre o salmão de aquacultura e o salmão selvagem. Verificou-se ainda, no entanto, que o salmão de aquacultura continha níveis mais elevados de arsénico orgânico (5, 6).

Conclusão

Podemos concluir que realmente existem diferenças entre o peixe de aquacultura e o peixe selvagem, sobretudo a nível da composição nutricional, mas também em termos de presença de contaminantes ambientais como metais pesados, pesticidas e outros.

A diferença de preços que muitas vezes pode existir entre os dois tipos de peixe poderá não compensar em termos de benefícios para a saúde, até porque, pelo menos no caso do salmão, embora aquele proveniente da aquacultura tenha uma composição nutricional de qualidade ligeiramente inferior, também poderá ter níveis mais reduzidos de mercúrio.

Caso esteja preocupado com uma possível ingestão excessiva de metilmercúrio derivada da ingestão de peixe, pode sempre optar pelos tipos de alimentos provenientes do mar, que contém quantidades mais reduzidas desse composto tóxico, tais como: vieiras, mexilhão, anchovas, camarão, sardinhas, tilapia, etc (7).

➤ Mostrar/Ocultar Referências!
  1. United States Department of Agriculture - Agricultural Research Service Disponível em: http://ndb.nal.usda.gov/ndb/foods/show/4531?fg=&man=&lfacet=&format=&count=&max=25&offset=&sort=&qlookup=salmon.
  2. United States Department of Agriculture - Agricultural Research Service. Disponível em: http://ndb.nal.usda.gov/ndb/foods/show/4687?fg=&man=&lfacet=&format=&count=&max=25&offset=&sort=&qlookup=salmon.
  3. Hites RA, Foran Ja Fau - Carpenter DO, Carpenter Do Fau - Hamilton MC, Hamilton Mc Fau - Knuth BA, Knuth Ba Fau - Schwager SJ, Schwager SJ. Global assessment of organic contaminants in farmed salmon. (1095-9203 (Electronic))
  4. Ikonomou MG, Higgs Da Fau - Gibbs M, Gibbs M Fau - Oakes J, Oakes J Fau - Skura B, Skura B Fau - McKinley S, McKinley S Fau - Balfry SK, et al. Flesh quality of market-size farmed and wild British Columbia salmon. (0013-936X (Print))
  5. Easton MDL, Luszniak D, Von der Geest E. Preliminary examination of contaminant loadings in farmed salmon, wild salmon and commercial salmon feed. Chemosphere. 2002; 46(7):1053-74.
  6. Foran JA, Hites Ra Fau - Carpenter DO, Carpenter Do Fau - Hamilton MC, Hamilton Mc Fau - Mathews-Amos A, Mathews-Amos A Fau - Schwager SJ, Schwager SJ. A survey of metals in tissues of farmed Atlantic and wild Pacific salmon. (0730-7268 (Print))
  7. FDA U.S. Food and Drug Administration - Mercury Levels in Commercial Fish and Shellfish. Disponível em: http://www.fda.gov/food/foodborneillnesscontaminants/metals/ucm115644.htm.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame