Avançar para o conteúdo principal

O que é a maltodextrina e para que serve?

A maltodextrina, juntamente com outros tipos de hidratos de carbono, é um dos suplementos mais conhecidos e consumidos pelos praticantes de musculação, principalmente no Brasil1,2.

Mas o que é exatamente a maltodextrina? De onde provém? Para que serve? Que benefícios ou vantagens proporciona comparativamente a outras fontes de hidratos de carbono? Será que a suplementação com este produto faz sentido para aqueles que fazem treino de musculação ou outros tipos de exercício resistido?

O que é a maltodextrina?

A maltodextrina é um tipo de hidrato de carbono (carboidrato) obtido a partir da degradação (despolimerização) de grânulos de amido provenientes de alimentos como o milho, trigo, sorgo, batata, mandioca, arroz e outros3,4.

O amido é constituído por amilose e amilopectina, que por sua vez são constituídos por múltiplas moléculas de glucose (dextrose) unidas entre si. A sua degradação em moléculas mais pequenas, por via de tratamentos mecânicos e enzimáticos, origina cadeias de glicose mais curtas5.

Desta forma, podemos considerar que a maltodextrina é um derivado de amido que foi parcialmente digerido, podendo conter entre 3 a 20 unidades de glicose unidas entre si7.

Como tal, após ingerida, a maltodextrina é degradada pelas mesmas enzimas que hidrolisam o amido, nomeadamente a enzima α-amilase, presente na saliva e no intestino delgado, a qual produz moléculas de maltose3.

Posteriormente, a maltose pode ser hidrolisada pela enzima maltase, gerando assim duas moléculas de glicose8, as quais podem absorvidas pelo enterócitos presentes no epitélio intestinal, passando depois para o sangue3.

Sendo a maltodextrina uma fonte de hidrato de carbono “complexo”, poder-se-ia pensar que a sua digestão e absorção é mais lenta em comparação com a glicose (dextrose), resultando num índice glicémico mais baixo3.

No entanto, verifica-se que o processo de degradação de maltodextrina em maltose e glicose, por ação enzimática, ocorre de forma relativamente rápida ao longo do processo digestivo3.

A maltodextrina é, portanto, um polímero de glicose que deverá ter um índice glicémico relativamente próximo ao da glicose pura (100)9-11.

De notar que tanto o amido, como a maltodextrina e a glucose fornecem 4 kcal por grama3.

Para que serve?

A maltodextrina em pó tem algumas propriedades que tornam o seu uso interessante, principalmente na indústria alimentar.

Ao contrário do que acontece com o amido, a maltodextrina é solúvel em água, o que permite o seu uso como agente gelificante, modificador de textura, substituto de gordura, para adicionar volume, proteção de danos associados ao congelamento e para prolongar a vida útil de variados tipos de produtos alimentares. Tem ainda ligeiras propriedades adoçantes5.

Isto também permite o seu uso em bebidas desportivas12,13 e também como suplemento alimentar14, sendo amplamente utilizado por atletas, com o objetivo de promover a re-síntese de glicogênio após a prática de exercício15.

A toma combinada de uma fonte de hidratos de carbono de elevado índice glicémico com creatina também parece promover uma maior retenção intramuscular de creatina, em comparação com a toma isolada de creatina, possivelmente devido ao aumento dos níveis de insulina16,17.

Sendo solúvel em água5, é fácil incorporar a maltodextrina  em batidos, juntamente com a proteína whey e outros suplementos que se pretendam adicionar a um shaker.

Para além disso, a maltodextrina é significativamente menos doce em comparação com a dextrose, frutose e sacarose3,18,19. Isto significa que o seu consumo poderá ser menos enjoativo aquando da ingestão de quantidades significativas. Essa particularidade, juntamente com a sua solubilidade em água, também poderá ajudar a explicar a sua adição a suplementos do tipo "Weight Gainer".

Conclusão

A maltodextrina é uma fonte de hidratos de carbono pouco doce, de dissolução fácil, de absorção rápida, elevado índice glicémico e que pode facilmente ser ingerida no final dos treinos com o objetivo de promover a rápida re-síntese de glicogénio.

A ingestão de hidratos de carbono de elevado índice glicémico juntamente com creatina, parece promover uma maior retenção de creatina no músculo esquelético, o que poderá ser útil quando se pretende aumentar os seus níveis intramusculares de forma rápida.

No entanto, será que o típico praticante de musculação, que apenas treina cada grupo muscular uma ou duas vezes por semana beneficia com a suplementação com maltodextrina ou de outra fonte de hidratos de carbono de elevado IG no final dos treinos? Essa prática traz vantagens em termos de ganhos de força e/ou de massa muscular? Esse será um tema a abordar num futuro artigo.

➤ Mostrar/Ocultar Referências!
  1. Lacerda FMM, Carvalho WRG, Hortegal EV, Cabral NAL, Veloso HJF. Factors associated with dietary supplement use by people who exercise at gyms. Rev Saude Publica. 2015;49:63-63.
  2. Caparros DR, Baye AS, Barreiros FR, Stulbach TE, Navarro FJRBdNE. Análise da adequação do consumo de carboidratos antes, durante e após treino e do consumo de proteínas após treino em praticantes de musculação de uma academia de Santo André-SP. 2015;9(52):298-306.
  3. Hofman DL, van Buul VJ, Brouns FJPH. Nutrition, Health, and Regulatory Aspects of Digestible Maltodextrins. Crit Rev Food Sci Nutr. 2016;56(12):2091-2100.
  4. Mohamed Amin Z, Koh SP, Yeap SK, Abdul Hamid NS, Tan CP, Long K. Efficacy Study of Broken Rice Maltodextrin in In Vitro Wound Healing Assay. Biomed Res Int. 2015;2015:687694-687694.
  5. Takeiti CY, Kieckbusch TG, Collares-Queiroz FP. Morphological and Physicochemical Characterization of Commercial Maltodextrins with Different Degrees of Dextrose-Equivalent. International Journal of Food Properties. 2010;13(2):411-425.
  6. Abdel-Raouf M, Abdul-Raheim AJJoPE, Control. Removal of heavy metals from industrial waste water by biomass-based materials: a review. 2017;5(1):1-13.
  7. Dokic P, Jakovljevic J, Dokic-Baucal LJC, Physicochemical SA, Aspects E. Molecular characteristics of maltodextrins and rheological behaviour of diluted and concentrated solutions. 1998;141(3):435-440.
  8. Nichols BL, Baker SS, Quezada-Calvillo R. Metabolic Impacts of Maltase Deficiencies. Journal of pediatric gastroenterology and nutrition. 2018;66 Suppl 3:S24-s29.
  9. Gonzalez JT, Fuchs CJ, Betts JA, van Loon LJC. Glucose Plus Fructose Ingestion for Post-Exercise Recovery-Greater than the Sum of Its Parts? Nutrients. 2017;9(4):344.
  10. Rytz A, Adeline D, Lê K-A, et al. Predicting Glycemic Index and Glycemic Load from Macronutrients to Accelerate Development of Foods and Beverages with Lower Glucose Responses. Nutrients. 2019;11(5):1172.
  11. Stevenson EJ, Watson A, Theis S, Holz A, Harper LD, Russell M. A comparison of isomaltulose versus maltodextrin ingestion during soccer-specific exercise. Eur J Appl Physiol. 2017;117(11):2321-2333.
  12. Chronakis IS. On the molecular characteristics, compositional properties, and structural-functional mechanisms of maltodextrins: a review. Crit Rev Food Sci Nutr. 1998;38(7):599-637.
  13. Whistler RL, BeMiller JN, Paschall EF. Starch: chemistry and technology. Academic Press; 2012.
  14. Wilburn DT, Machek SB, Cardaci TD, Hwang PS, Willoughby DS. Acute Maltodextrin Supplementation During Resistance Exercise. J Sports Sci Med. 2020;19(2):282-288.
  15. Fisher-Wellman KH, Bloomer RJ. Lack of effect of a high-calorie dextrose or maltodextrin meal on postprandial oxidative stress in healthy young men. International journal of sport nutrition and exercise metabolism. 2010;20(5):393-400.
  16. Green AL, Hultman E, Macdonald IA, Sewell DA, Greenhaff PL. Carbohydrate ingestion augments skeletal muscle creatine accumulation during creatine supplementation in humans. The American journal of physiology. 1996;271(5 Pt 1):E821-826.
  17. Steenge GR, Simpson EJ, Greenhaff PL. Protein- and carbohydrate-induced augmentation of whole body creatine retention in humans. Journal of applied physiology (Bethesda, Md : 1985). 2000;89(3):1165-1171.
  18. Hull P. Glucose syrups: technology and applications. John Wiley & Sons; 2010.
  19. Maltodextrin. 2018; https://www.acs.org/content/acs/en/molecule-of-the-week/archive/m/maltodextrin.html. Accessed 25/06/2020.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame