Avançar para o conteúdo principal

O ovo faz mal ao fígado?

Existem vários mitos que envolvem os alimentos que fazem parte da nossa alimentação e o ovo é um deles. Em relação a este alimento em particular, muitas pessoas acreditam que o ovo faz mal ao fígado, mas será que esta ideia tem algum tipo de fundamento científico?

O ovo faz mal ao fígado?

Embora este facto possa surpreender o leitor, a verdade é que é praticamente impossível encontrar estudos que se tenham focado neste tema em específico e/ou que tenham encontrado uma associação entre o consumo de ovos e um agravamento da saúde do fígado.

Na verdade, e apesar da má reputação que o ovo ainda parece ter, o mais provável é que aconteça precisamente o contrário do que a maioria das pessoas pensa acerca deste tema.

O ovo é um alimento muito nutritivo e contém quantidades elevadas de colina, um nutriente que uma grande parte da população não ingere em quantidade suficiente (1).

Por exemplo, verificou-se que a maioria dos cidadãos dos EUA não ingere a quantidade recomendada de colina, que é de 450–550 mg/dia e que 25% ingere menos de metade da dose diária recomendada (2).

Outrora considerado um nutriente dispensável, verificou-se que a colina é na verdade um nutriente essencial para o seu humano, especialmente importante para o funcionamento adequado do fígado.

A sua carência está estreitamente associada ao desenvolvimento da esteatose hepática não alcoólica, um problema do fígado que se está a tornar cada vez mais prevalente e está também associada a um maior risco de desenvolvimento de cancro do fígado (1, 2).

Este nutriente também faz parte da membrana das células e das mitocôndrias e também do neurotransmissor acetilcolina. Desempenha portanto um importante papel no metabolismo dos lípidos, bem como no metabolismo do colesterol, triglicerídeos e participa ainda na homeostasia da bile no fígado (1, 2).

Ficou ainda demonstrado que, no ser humano a deficiência de colina provoca a doença do fígado gordo, morte das células do fígado e/ou danos no tecido muscular esquelético (3, 4).

Tendo em conta a importância que a colina tem para a saúde e funcionamento adequado do fígado, e uma vez que uma parte significativa da população não ingere a quantidade suficiente deste nutriente, a ingestão regular de ovo, que é uma das fontes alimentares mais ricas de colina, proporcionando cerca de 680 miligramas de colina por cada 100 gramas (1), poderá muito bem melhorar a saúde do seu fígado, em vez de a prejudicar.

Em termos de segurança alimentar, a European Food Information Council considera o ovo um alimento seguro e nutritivo, referindo ainda que o seu consumo regular não representa um perigo para a saúde da população em geral (5).

➤ Mostrar/Ocultar Referências!
  1. Zeisel SH, da Costa K-A. Choline: An Essential Nutrient for Public Health. Nutrition reviews. 2009; 67(11):615-23.
  2. Corbin KD, Zeisel SH. Choline Metabolism Provides Novel Insights into Non-alcoholic Fatty Liver Disease and its Progression. Current opinion in gastroenterology. 2012; 28(2):159-65.
  3. da Costa KA, Kozyreva OG, Song J, Galanko JA, Fischer LM, Zeisel SH. Common genetic polymorphisms affect the human requirement for the nutrient choline. FASEB J. 2006; 20(9):1336-44.
  4. Kohlmeier M, da Costa KA, Fischer LM, Zeisel SH. Genetic variation of folate-mediated one-carbon transfer pathway predicts susceptibility to choline deficiency in humans. Proc Natl Acad Sci U S A. 2005; 102(44):16025-30.
  5. Eggs revisited - nutritious and safe to eat. EUFIC - European Food Information Council.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame