Avançar para o conteúdo principal

O Exercício Físico Atrasa o Envelhecimento

É do conhecimento comum que a prática de exercício físico pode proporcionar vários benefícios para a saúde, melhorar a qualidade de vida e reduzir o risco de vir a desenvolver várias doenças (1).

Muitas vezes também se afirma que a prática de atividades físicas pode ajudar a atrasar o processo de envelhecimento, mas será verdade? Será assim tão simples?

O que é envelhecimento?

Atualmente ainda não são conhecidos todos os detalhes que governam o processo complexo que é o envelhecimento . No entanto, este parece estar associado a uma diminuição do tamanho dos telómeros.

Os telómeros são moléculas que se encontram na parte final de cada cromossoma e que protegem o genoma da deterioração. Desempenham, portanto, um papel crucial na proteção e manutenção das informações que se encontram no nosso genoma.

Acontece que, após cada divisão celular, perde-se uma pequena porção do ADN dos telómeros. Por isso, o comprimento dos telómeros vai-se reduzindo de forma progressiva ao longo dos anos e isso está associado a um maior risco de vir a sofrer de várias doenças, tais como o cancro, e a uma diminuição das probabilidades de sobrevivência.

No entanto, o estilo de vida, mais precisamente uma alimentação adequada e a prática de exercício físico moderado, poderá reduzir de forma significativa o ritmo de encurtamento dos telómeros, o que por sua vez poderá proporcionar uma redução do risco de várias doenças e uma maior longevidade (2).

O exercício físico atrasa o envelhecimento?

Uma vez que o estilo de vida pode influenciar a biologia dos telómeros, e uma vez que a prática de atividades físicas tem um grande impacto nas células que envolvem o sistema músculo-esquelético, podemos imaginar que o exercício físico também pode afetar a evolução do comprimento dos telómeros a longo da nossa vida.

Vários estudos observaram uma redução significativa do comprimento dos telómeros do músculo esquelético nos idosos, em comparação com indivíduos jovens (3).

Também se verificou que o sedentarismo aumenta de forma bastante significativa o risco de várias doenças associadas ao envelhecimento, tais como o cancro, doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2 e osteoporose (4).

Dito isto, noutro estudo, os investigadores observaram uma redução do risco de várias doenças e um menor risco de mortalidade nos indivíduos idosos que iniciaram a prática de atividades físicas (5, 6).

Vários estudos epidemiológicos realizados nos últimos anos observaram a existência de uma associação positiva entre a prática de atividade física moderada e um maior comprimento dos telómeros (7, 8).

Outro estudo verificou ainda que, a prática habitual de exercício, nos últimos 5 anos, está associada de forma significativa a telómeros mais compridos (9).

Esse estudo verificou também que a prática não habitual ou de curta duração de atividade física não parece proporcionar um estímulo suficiente para provocar mudanças na dimensão dos telómeros. Parece ser necessário realizar exercício físico de forma consistente ao longo de 5 anos ou mais, para se obter um efeito protetor (9).

Em relação ao exercício resistido (com pesos), um estudo comparou o comprimento dos telómeros do músculo vasto lateral atletas de powerlifting, com indivíduos normais, fisicamente ativos, e verificou-se que esses atletas de powerlifting, que já treinavam há cerca de 8 anos, têm tendência a ter telómeros mais compridos do que os indivíduos normais (10).

Em relação ao aumento da produção de moléculas oxidantes (espécies reactivas de oxigénio), provocada pela contração muscular durante a prática de atividades físicas, em princípio, estas provocam danos nos tecidos muscular e poderiam provocar uma diminuição do comprimento dos telómeros e, desta forma acelerar o envelhecimento.

No entanto, o corpo responde ao exercício físico intenso aumentando o nível de atividade dos seus sistemas de defensa antioxidantes que se encontram nos músculos. Isto torna possível manter o equilíbrio oxidante-antioxidante durante os treinos e a evitar o envelhecimento precoce (11).

O exercício excessivo poderá acelerar o envelhecimentoexcesso de treino

Parece que o exercício físico excessivo tem o efeito oposto do exercício físico moderado. Por exemplo, um estudo publicado em 2003 provou, através de biopsias musculares, que os atletas de resistência que treinam em excesso, e que, devido a isso sofrem de fadiga crónica, têm um DNA com telómeros mais curtos em comparação com outros atletas de resistência que não sofrem de fadiga associada à prática de exercício físico (11).

Outro estudo, realizado mais tarde pelo mesmo grupo de investigadores, observou uma redução do tamanho dos telómeros nos atletas de resistência de resistência que tinham passado o maior número de anos e de horas a treinar.

Esses investigadores afirmaram que:

Esses resultados indicam que o treino de resistência de longa duração, realizado por atletas de elite, poderá provocar um stress excessivo ao músculo esquelético e/ou aos telómeros das células-satélite, tal como sugerido pelo menor comprimento do telómeros.

Outra investigação também comprovou que, os powerlifters de elite, que levantavam cargas mais elevadas (1RM), tinham tendência a ter telómeros mais curtos. O tamanho dos telómeros foi inversamente associado a recordes pessoais no agachamento e levantamento terra (12).

Ou seja, parece os níveis excessivos de atividade física, nomeadamente de treinos com pesos, tais como a musculação e o powerlifting, está a associada a telómeros mais curtos (13).

Dito isto, parece que, pelo menos no que diz respeito ao tamanho dos telómeros, convém não levar os treinos até um limite demasiado elevado em termos de intensidade e/ou duração dos treinos.

Conclusão

Ainda há muito por investigar e descobrir em relação a este tema. O que se pode afirmar atualmente, com alguma certeza, é que a prática de exercício físico, não excessivo, atrasa e reduz o risco de vir a sofrer de vários problemas de saúde sérios, associados ao envelhecimento, tais como doenças cardiovasculares e diabetes do tipo II. Estas doenças, por sua vez, estão associadas a uma redução do tamanho dos telómeros.

Também ficou provado, através dos vários estudos que referi neste artigo, que a prática de exercício físico tem uma grande influência nos telómeros, embora o excesso de atividade física possa ter o efeito de reduzir o tamanho dos telómeros, enquanto a atividade física moderada poderá ter um efeito positivo.

Mais uma vez, verificamos que mais nem sempre é melhor. Caso se sinta cronicamente fatigado, é bastante provável que esteja a reduzir o tamanho dos seus telómeros e, consequentemente, a reduzir a sua longevidade em vez de a prolongar.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame