Avançar para o conteúdo principal

O exercício físico afeta a velocidade da digestão?

 A possível influência do exercício físico na velocidade da digestão é um tema que desperta o interesse desde tempos longíquos.1

Conta a história que, no século 13, o imperador romano Frederico II realizou uma experiência na qual, após ter proporcionado um bom jantar a dois homens, ordenou a um deles que fosse dormir e ao outro que fosse caçar. Nessa mesma noite estripou-os a ambos, com objetivo de determinar qual dos dois tinha digerido melhor o jantar, tendo-se determinado que tinha sido aquele que tinha dormido.1

Atualmente, este tema tornou-se mais relevante devido à prática generalizada de desporto e da sua influência na sociedade, verificando-se que, de facto, existem vários fatores relacionados com a prática de exercício que podem influenciar o tempo de esvaziamento gástrico.

Antes ou durante o exercício físico

Desde logo, verifica-se que o volume gástrico esvaziado quando se ingere fluídos durante o exercício é significativamente menor do que quando estes são ingeridos antes do exercício.1

Tipo de exercício físico

O tipo de modalidade desportiva também influencia a velocidade de esvaziamento gástrico: 1

  • A caminhada acelera-o de forma significativa comparativamente à corrida e ao ciclismo.
  • É mais lenta no ciclismo, comparativamente à corrida e à caminhada.

Nível de intensidade física

Também parece haver uma relação inversa entre a intensidade do exercício e o tempo de esvaziamento gástrico.1,2

  • A intensidades mais baixas (<40 % do VO2max), o esvaziamento é mais rápido.
  • A intensidades moderadas (40–70 % do VO2max) o efeito é menos forte e consistente.
  • A intensidades elevadas (>70% do VO2max), o esvaziamento é mais lento.

Duração do exercício

À medida que a duração do exercício aumenta, o esvaziamento gástrico torna-se mais lento. Isso poderá dever-se à progressiva diminuição da circulação sanguínea nos intestinos, à medida que o exercício prossegue.3 4

Temperatura ambiente

A velocidade de esvaziamento e o fluxo sanguíneo gástrico parecem diminuir durante e após a realização de exercício em ambientes quentes, provavelmente devido a um maior desvio do fluxo sanguíneo para a pele, para suportar a termorregulação corporal.5 4

Propriedades dos alimentos e bebidas

A quantidade, bem como o tipo de alimentos e bebidas ingeridos também podem influenciar o trânsito gastrointestinal.

Volume: Um maior volume ingerido durante a atividade física associa-se a um esvaziamento gástrico mais lento.1

Osmolalidade: Uma maior osmolalidade poderá potenciar os efeitos inibitórios do exercício no esvaziamento gástrico e associa-se a um esvaziamento gástrico mais baixo durante o exercício.1

Conteúdo de energia: Um teor de energia mais elevado parece retardar o esvaziamento gástrico.6

Teor de hidratos de carbono: Uma concentração mais elevada de hidratos de carbono está a associada a uma diminuição do esvaziamento gástrico.7,8

Teor de gordura: Um maior teor de gordura associa-se a um esvaziamento gástrico mais lento.9-12

Quais os mecanismos?

Os mecanismos que poderiam contribuir para as alterações induzidas pelo exercício no tempo de esvaziamento gástrico incluem:

  • Fatores hormonais.13-16
  • Atividade mioeléctrica gástrica.17,18
  • Efeitos mecânicos (“balançar o abdómen”).13,14,19,20
  • Fatores neurais (de origem principalmente vagal).21
  • Mudanças nas frequências de contração no antrum gástrico.22
  • Redução do fluxo sanguíneo esplâncnico,19,23 o que por sua vez diminui a disponibilidade de oxigénio e energia.24

Resumo

Resumindo, verifica-se que os seguintes fatores se associam a um aumento do tempo de esvaziamento gástrico:

  • Temperatura ambiente elevada.
  • Osmolalidade elevada das bebidas.
  • Alimentos ricos em gordura e/ou fibra.
  • Ingestão de volumes elevados de comida e/ou bebida.
  • Duração prolongada do exercício físico.
  • Nível de intensidade física elevado, principalmente no ciclismo, mas também na corrida.
➤ Mostrar/Ocultar Referências!
  1. Horner KM, Schubert MM, Desbrow B, Byrne NM, King NA. Acute exercise and gastric emptying: a meta-analysis and implications for appetite control. Sports medicine (Auckland, NZ). 2015;45(5):659-678.
  2. Rehrer NJ, Laughlin JM, Wasse LK. Importance of gastrointestinal function to athletic performance and health. The encyclopaedia of sports medicine: an IOC medical commission publication. 2013;19:526-538.
  3. Brouns F, Beckers E. Is the gut an athletic organ? Digestion, absorption and exercise. Sports medicine (Auckland, NZ). 1993;15(4):242-257.
  4. Rowell LB, Blackmon JR, Bruce RA. INDOCYANINE GREEN CLEARANCE AND ESTIMATED HEPATIC BLOOD FLOW DURING MILD TO MAXIMAL EXERCISE IN UPRIGHT MAN. The Journal of clinical investigation. 1964;43(8):1677-1690.
  5. Rehrer NJ, Beckers EJ, Brouns F, ten Hoor F, Saris WH. Effects of dehydration on gastric emptying and gastrointestinal distress while running. Medicine and science in sports and exercise. 1990;22(6):790-795.
  6. Velchik MG, Reynolds JC, Alavi A. The effect of meal energy content on gastric emptying. Journal of nuclear medicine : official publication, Society of Nuclear Medicine. 1989;30(6):1106-1110.
  7. Vist GE, Maughan RJ. The effect of osmolality and carbohydrate content on the rate of gastric emptying of liquids in man. The Journal of physiology. 1995;486 ( Pt 2):523-531.
  8. Vist GE, Maughan RJ. Gastric emptying of ingested solutions in man: effect of beverage glucose concentration. Medicine and science in sports and exercise. 1994;26(10):1269-1273.
  9. Kroop HS, Long WB, Alavi A, Hansell JR. Effect of water and fat on gastric emptying of solid meals. Gastroenterology. 1979;77(5):997-1000.
  10. Lodefalk M, Aman J, Bang P. Effects of fat supplementation on glycaemic response and gastric emptying in adolescents with Type 1 diabetes. Diabetic medicine : a journal of the British Diabetic Association. 2008;25(9):1030-1035.
  11. Gentilcore D, Chaikomin R, Jones KL, et al. Effects of fat on gastric emptying of and the glycemic, insulin, and incretin responses to a carbohydrate meal in type 2 diabetes. The Journal of clinical endocrinology and metabolism. 2006;91(6):2062-2067.
  12. Stacher G, Bergmann H, Gaupmann G, et al. Fat preload delays gastric emptying: reversal by cisapride. British journal of clinical pharmacology. 1990;30(6):839-845.
  13. Leiper JB, Broad NP, Maughan RJ. Effect of intermittent high-intensity exercise on gastric emptying in man. Medicine and science in sports and exercise. 2001;33(8):1270-1278.
  14. Neufer PD, Costill DL, Fink WJ, Kirwan JP, Fielding RA, Flynn MG. Effects of exercise and carbohydrate composition on gastric emptying. Medicine and science in sports and exercise. 1986;18(6):658-662.
  15. Houmard JA, Egan PC, Johns RA, Neufer PD, Chenier TC, Israel RG. Gastric emptying during 1 h of cycling and running at 75% VO2max. Medicine and science in sports and exercise. 1991;23(3):320-325.
  16. Brouns F. Etiology of gastrointestinal disturbances during endurance events. Scandinavian Journal of Medicine & Science in Sports. 1991;1(2):66-77.
  17. Lu C-L, Shidler N, Chen JDZ. Enhanced postprandial gastric myoelectrical activity after moderate-intensity exercise. American Journal Of Gastroenterology. 2000;95:425.
  18. Kato M, Sakai T, Yabe K, Miyamura M, Soya H. Gastric myoelectrical activity increases after moderate-intensity exercise with no meals under suppressed vagal nerve activity. The Japanese journal of physiology. 2004;54(3):221-228.
  19. Neufer PD, Young AJ, Sawka MN. Gastric emptying during walking and running: effects of varied exercise intensity. European journal of applied physiology and occupational physiology. 1989;58(4):440-445.
  20. Rehrer NJ, Meijer GA. Biomechanical vibration of the abdominal region during running and bicycling. The Journal of sports medicine and physical fitness. 1991;31(2):231-234.
  21. Cammack J, Read NW, Cann PA, Greenwood B, Holgate AM. Effect of prolonged exercise on the passage of a solid meal through the stomach and small intestine. Gut. 1982;23(11):957-961.
  22. Brown BP, Ketelaar MA, Schulze-Delrieu K, Abu-Yousef MM, Brown CK. Strenuous exercise decreases motility and cross-sectional area of human gastric antrum. A study using ultrasound. Digestive diseases and sciences. 1994;39(5):940-945.
  23. Qamar MI, Read AE. Effects of exercise on mesenteric blood flow in man. Gut. 1987;28(5):583-587.
  24. Moses FM. The effect of exercise on the gastrointestinal tract. Sports medicine (Auckland, NZ). 1990;9(3):159-172.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame