Avançar para o conteúdo principal

O Calor Desnatura a Proteína Whey?

A proteína whey é um suplemento popular e conveniente que permite aumentar a ingestão de proteína de forma fácil, especialmente para aqueles que necessitam de ingerir uma dieta rica em proteína.

As receitas que incluem proteína whey (soro de leite) têm vindo a ganhar cada vez mais popularidade, devido sobretudo a serem uma forma fácil de aumentar o conteúdo de proteína dessas receitas e também por proporcionarem sabores diversos às receitas.

Existe uma variedade imensa de sabores de proteína whey, desde chocolate, chocolate branco, baunilha, morango, banana, etc. Sendo assim não é de estranhar a sua inclusão em receitas para fisiculturistas, adeptos do estilo de vida fitness ou apenas pessoas que querem comer de forma saudável.

Um dos problemas que algumas pessoas levantam em relação à inclusão da proteína whey em algumas dessas receitas é que a proteína whey “desnatura-se” quando sujeita a temperaturas elevadas ou seja, sofre alterações à sua estrutura básica e que altera as suas propriedades naturais.

Sendo assim, o calor desnatura a proteína whey? A proteína whey torna-se inútil depois de aquecida? Pode-se utilizar a whey nas receitas que exigem a utilização de calor sem problemas?

O que é a desnaturação das proteínas?

A desnaturação de proteínas é um processo complicado que envolve a degradação das cadeias longas de aminoácidos que compõem as proteínas, em peças e cadeias mais pequenas, menos complexas.

Isto ocorre quando uma proteína é aquecida e também por agitação física. Por exemplo, quando você mexe um ovo, está a quebrar algumas das ligações químicas que mantêm o ovo junto, alterando essencialmente a sua estrutura.

O efeito do calor

Algumas proteínas, como a caseína aguentam melhor o calor, a proteína whey por outro lado é mais suscetível ao calor, mas não deixe que isso o impeça de a adicionar às suas refeições nutritivas.

As proteínas são constituídas por cadeias de aminoácidos, sendo que cada tipo de proteína tem a sua sequência única de aminoácidos. De acordo com o site da Cornell University, quando as proteínas sofrem alterações do seu estado natural ou forma, elas são desnaturadas.

Embora as altas temperaturas possam provocar a desnaturação da proteína whey, de acordo com a Cornell University, os tratamentos de calor geralmente não afetam a composição dos aminoácidos ou o seu conteúdo nutricional.

Os tratamentos de calor severos podem afetar ligeiramente a nutrição e os aminoácidos que são particularmente sensíveis ao calor (1).

Funcionalidade

O calor pode não afetar a estrutura de aminoácidos da proteína ou dos seus nutrientes, mas pode afetar a solubilidade da proteína. A funcionalidade refere-se ao comportamento da proteína, particularmente da sua solubilidade.

A solubilidade refere-se à capacidade da proteína se dissolver num solvente particular. Os tratamentos de calor poderão afetar esta importante característica das proteínas whey, tornando-as menos solúveis.

No entanto, de acordo com o professor Mike Mangino da Ohio State University, não é necessário que uma proteína seja totalmente solúvel para permanecer funcional (2).

Conclusão

O aquecimento da proteína whey poderá mudar a estrutura da proteína através do processo de desnaturação, mas isso não a irá tornar menos nutritiva ou diminuir os seus benefícios para a sua saúde.

Um exemplo de uma proteína whey desnaturada é a cada vez mais famosa proteína whey hidrolisada. Ao hidrolisar a proteína, o que está a fazer basicamente  é mudar a estrutura da proteína de forma permanente.

As ligações peptídicas que estão presentes nas proteínas são degradadas. No entanto, apesar das alterações na estrutura da proteína, a proteína desnaturada ainda contém todos os aminoácidos que se encontram nos outros tipos de proteína whey (soro de leite), como a  concentrada e isolada.

Como resultado, as proteínas desnaturadas ainda são nutricionalmente benéficas e podem até ser mais fáceis de digerir.

Outro exemplo de uma proteína que se torna mais fácil de digerir depois de desnaturada é a do ovo, sendo que a quantidade de aminoácidos que são absorvidos e retidos pelo organismo a partir do ovo cozido é superior à do ovo crú (3).

Assim sendo, poderá perfeitamente usar o o seu suplemento de proteína favorito para aumentar o conteúdo de proteína das suas panquecas, por exemplo.

Também poderá considerar os suplementos de proteína como ingredientes úteis para fazer bolachas, waffles belgas, ou barras de proteína caseiras.

Referência 1| Referência 2| Referência 3

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame