Avançar para o conteúdo principal

O Cálcio Inibe a Absorção de Zinco?

Afirma-se com frequência que o zinco, ou os suplementos que contêm zinco, tal como o ZMA, devem ser ingeridos com o estômago vazio e nunca juntamente com alimentos, bebidas ou outros suplementos que também contêm cálcio.

Isto é “senso comum” no mundo da musculação/fitness, mas será realmente verdade? Será que isso é realmente assim tão linear? Será que o cálcio realmente interfere ou diminui a absorção de zinco?

Na verdade, o receio de que o cálcio possa interferir na absorção de zinco é tão grande, que por vezes os consumidores ficam com a ideia de que o cálcio pode anular completamente a absorção de zinco e tornar a ingestão de suplementos de ZMA inútil.

Por essa mesma razão, a maioria dos praticantes de musculação e adeptos do estilo de vida fitness evitam completamente os típicos suplementos de minerais que combinam cálcio com zinco e magnésio, preferindo ingerir ZMA ou adquirir e ingerir suplementos de zinco e magnésio por separado.

O cálcio inibe a absorção de zinco?

A teoria por detrás desta "ideia" é que o cálcio utiliza os mesmos mecanismos de transporte que outros minerais como o zinco e que portanto, esta competição irá inevitavelmente provocar a diminuição da absorção de um mineral ou de ambos.

Seja como for, na realidade as coisas não são assim tão simples e já foram realizados alguns estudos e revisões que nos poderão ajudar a clarificar esta questão.

Numa revisão realizada pela The American Society for Nutritional Sciences (1), os investigadores  analisaram este tema chegaram às seguintes conclusões:

→ Parece pouco provável que o cálcio por si só tenha um efeito negativo na absorção do zinco. Nós adicionamos cálcio a uma fórmula de leite de vaca a um nível de ∼1300 mg/L e não encontramos diferenças significativas na absorção de zinco a partir da fórmula com o nível regular de cálcio (500 mg/L) (2).

→ De forma semelhante, em dois estudos (3, 4), os investigadores adicionaram grandes quantidades de cálcio a uma refeição e não encontraram quaisquer efeitos na absorção de zinco em adultos humanos.

→ Também parece que o consumo a longo prazo de suplementos de cálcio não tem qualquer efeito nos níveis de zinco e de magnésio. As mulheres gambianas que receberam 1000 mg de cálcio por dia, tinham concentrações de zinco no plasma similares às das mulheres que não tomaram o suplemento de cálcio (5).

O Zinco deve ser ingerido com o estômago vazio?

A resposta rápida é sim.

A absorção de zinco fora das refeições (com o estômago vazio), quando ingerido juntamente com uma solução de água, é bastante superior à quantidade que é absorvida quando este mineral é consumido com refeições.

Uma compilação de dados obtidos a partir de estudos de absorção de zinco em seres humanos demonstra que a quantidade de zinco absorvida a partir de uma refeição é de cerca de ∼18–20 μmol (6), enquanto a absorção de zinco a partir de uma solução aquosa pode atingir níveis de 80–100 μmol (7,8).

Esses estudos validam a sugestão referida por muitas empresas de suplementos, de que se deve ingerir o zinco ou suplementos com zinco como o ZMA, fora do horário das refeições, com o estômago vazio.

A história dos fitatos e do cálcio

Já foi demonstrado em vários estudos realizados em animais e em seres humanos, que o fitato tem um efeito inibidor da absorção do zinco (9, 10, 11).

Acontece que os grupos de fosfato podem formar complexos fortes e insolúveis com catiões como o zinco, o que faz com que este seja excretado sem chegar a ter sido absorvido pelo sistema gastrointestinal.

Infelizmente, muitos dos alimentos consumidos pelos praticantes de musculação, e também pela população em geral, contêm fitatos, tais como o milho, arroz, aveia, trigo, leguminosas, etc.

Apesar do cálcio por si só não interferir de forma negativa na absorção do zinco, o cálcio presente na dieta, como por exemplo aquele que está presente ao ingerirmos uma refeição, poderá afetar a absorção de zinco se nessa refeição estiverem presentes alimentos que contenham fitatos.

A razão para isso acontecer é que o cálcio tem uma certa tendência a formar complexos com o fitato e o zinco, que são insolúveis e consequentemente têm um efeito inibidor na absorção do zinco.

Apesar disso, os fitatos são sem dúvida alguma o principal componente responsável pela redução da absorção de zinco e podemos constatar isso ao analisar um estudo publicado em 2009, no qual os investigadores verificaram que o cálcio não potencia a inibição da absorção de zinco a partir da dieta (12).

Os investigadores do estudo concluíram:

Em mulheres saudáveis que consumiram 1 dia de menus de alimentos comuns (alguns deles fortificados com cálcio), o fitato dietético reduziu a absorção de zinco, mas o cálcio não diminuiu a absorção de zinco, independentemente da ingestão de fitato dietético ter sido baixa ou elevada.

Conclusão

É perfeitamente compreensível, e até desejável,  que as pessoas que adquirem suplementos de zinco e de ZMA procurem absorver a maior quantidade possível deste importante mineral, mas os dados científicos que temos ao dispor neste momento indicam que o cálcio por si só não inibe a absorção de zinco e por isso, não precisa de se preocupar com isso.

Considere também o fato de que os bebes ingerem apenas leite durante até 1 ano ou 1 ano e meio, e não parecem sofrer de deficiências de zinco. O leite materno também contem quantidades elevadas de cálcio, bem como de outros minerais como o ferro, zinco e magnésio.

Todos esses minerais são importantes para o bebe, e apesar deles os ingerirem todos combinados em todas as “refeições” que fazem, eles não sofrem deficiências de nenhum desses minerais devido a algum deles estar a “bloquear” a absorção de outros.

Dito isto, existem muitos suplementos de minerais que combinam cálcio com zinco e magnésio, e portanto, mesmo na presença do cálcio nesses suplementos, as pessoas que os ingerem também não deverão ter problemas em absorver o zinco e o magnésio.

O que parece ser realmente importante quando se trata de absorver a maior quantidade possível de zinco, é ter o cuidado de ingerir os suplementos de zinco fora das refeições, e não tem que ser necessariamente à noite, antes de deitar, pode ser em qualquer outra altura do dia.

Se me perguntassem se é mais importante tomar um suplemento de ZMA ou uma dose de proteína caseína antes de deitar, eu diria sem dúvida alguma que é mais importante ingerir a caseína, devido aos seus efeitos anti-catabólicos que proporciona durante o jejum nocturno, que a médio e a longo prazo poderão proporcionar uma maior aumento ou retenção da massa muscular.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame