Avançar para o conteúdo principal

Micoproteína - Mais Anabólica que a Proteína do Leite

Por vezes surgem estudos que se destacam porque obtiveram resultados fora daquilo que é habitual ver-se na área da nutrição desportiva, e este é sem dúvida um deles.

De uma forma geral, considera-se que o perfil das proteínas de origem animal é superior ao das proteínas de origem vegetal, principalmente por terem um perfil de aminoácidos mais adequado.

Entretanto, outras fontes alternativas de proteína têm vindo a ganhar destaque, inclusive a micoproteína.

Esta provém do microfungo Fusarium venenatum, o qual conta com um elevado teor de proteína, a qual é usada na produção, por via da fermentação, de um produto comercial chamado Quorn, que se figura como uma fonte de proteína vegetariana e um substituto da carne.

O Quorn, produzido pela Marlow Foods, é comercializado no Reino Unido desde 1985 e, apesar de relativamente desconhecido em Portugal e no Brasil, é vendido em 17 países.

Micoproteína Vs Proteína do Leite

Num estudo recente, um grupo de investigadores procurou determinar qual das duas fontes de proteína: micoproteína vs proteína do leite, produzia maior anabolismo muscular, em repouso e após uma sessão de treino resistido.

Para o efeito, recrutaram 20 homens saudáveis, com uma idade média de 20 anos, e um IMC de 25, os quais foram separados em dois grupos, sendo que ambos ingeriram proteína após uma sessão de treino resistido.

Um grupo ingeriu 28,2g de proteína de leite e o outro ingeriu 31,5g de micoproteína, sendo que ambos os grupos ingeriram um total de 2,5g de leucina.

A sessão de treino consistiu na execução, com apenas uma perna, de 5 séries de 30 repetições de 2 exercícios: a cadeira extensora (leg extension) e a mesa flexora (leg flexion), sendo que a perna oposta, que não foi exercitada serviu como controlo.

Ao contrário da sua hipótese inicial, os autores deste trabalho verificaram que o grupo que ingeriu a micoproteína obteve texas de síntese de proteína muscular significativamente superiores aos da proteína de leite, tanto em repouso como após o treino resistido.

Embora ainda sem certezas, estes investigadores apontam várias possibilidades que podem, pelo menos em parte, a maior resposta anabólica com a ingestão de micoproteína:

  • Digestão mais lenta e surgimento dos aminoácidos no sangue mais espaçado no tempo.
  • Efeito anabólico derivado da presença de uma matriz alimentar mais completa.
  • Efeito combinado da Ingestão de mais energia e nutrientes: inclusive fibra e de vários micronutrientes.
  • Perfil de aminoácidos potencialmente mais anabólico, inclusive um teor mais elevado de arginina.

Os autores deste trabalho concluíram:

A ingestão de uma dose de microproteína elevou as taxas de síntese de proteína muscular em homens saudáveis em repouso e no pós-exercício, e em maior extensão do que uma dose de proteína do leite contendo a mesma quantidade de leucina.

Relativamente a potenciais conflitos de interesse, há que referir que este estudo foi financiado pela Marlow Foods Ltd, a qual produz o Quorn, e um dos investigadores que contribuiu para este estudo referiu ser também um funcionário dessa empresa.

O facto deste estudo ter sido financiado por um entidade interessada não significa, obrigatoriamente, que o estudo não tem validade, ou que os resultados estão enviesados, mas certamente inspira alguma cautela aquando da sua leitura e interpretação.

Referência 1 | Referência 2

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame