Avançar para o conteúdo principal

L-Carnitina - Um Suplemento Para a Perda de Peso?

O interesse pela suplementação com L-carnitina não é recente, aliás, devido às importantes funções que a carnitina desempenha no metabolismo lipídico, a sua suplementação começou a ganhar popularidade nos finais do século XX.1

Atualmente, mais de 20 anos depois, os suplementos de L-carnitina continuam a ser comercializados e utilizados. De facto, um estudo recente realizado em Portugal com utilizadores de ginásio observou uma prevalência de utilização de 14,5 % entre homens e mulheres.2

Entre outros potenciais benefícios já associados à suplementação com L-carnitina, a perda de peso é um dos que se tem mantido ao longo dos anos. Mas será que a evidência científica suporta a sua utilização para este fim? É isso que este artigo vai explorar, mas primeiramente será relevante perceber o que é a L-carnitina e qual o racional teórico para a sua suplementação.

O que é a L-carnitina?

O nome carnitina deriva de carnis (palavra Latina para carne) por ter sido isolada pela primeira vez a partir de tecido muscular.3 Quimicamente, a carnitina é uma amina quaternária, solúvel em água4 e existe em duas isoformas, das quais apenas o isómero L é biologicamente ativo, motivo pelo qual é designada por L-carnitina.5,6

A L-carnitina encontra-se naturalmente presente no corpo e existe em todas as espécies de mamíferos.7 Nos humanos, é no músculo esquelético que se encontram mais de 95 % das reservas corporais. O indivíduo saudável tem a capacidade de a sintetizar no fígado, rins e cérebro8 a partir de dois aminoácidos essenciais, a lisina e a metionina, e das vitaminas B1, B6 e C e de ferro ferroso (Fe2+) como cofatores.9,10

Contudo, a ingestão alimentar é o maior contribuidor para as reservas. As principais fontes alimentares são a carne, principalmente a vermelha, e os lacticínios. Também está presente em frutas e hortícolas, embora em quantidades negligenciáveis.7 Consequentemente, indivíduos vegetarianos possuem reservas inferiores comparativamente a indivíduos omnívoros,11 mas parece existir um mecanismo compensatório para a ingestão alimentar inferior, através de uma maior biodisponibilidade.12

Qual é a função da L-carnitina?

A mais importante e mais documentada função da L-carnitina no metabolismo humano, nomeadamente no músculo esquelético, é o auxílio na translocação do grupo acil dos ácidos gordos de cadeia longa para o interior da matriz mitocondrial onde irão ser submetidos ao processo de ß-oxidação.13

Tendo como base esta função, o principal fundamento teórico para a suplementação com L-carnitina como agente da perda de peso baseia-se na assunção de que aumentar a ingestão de L-carnitina, através da suplementação, resultaria no aumento da oxidação de gordura. Consequentemente, este aumento da oxidação de gordura levaria à redução progressiva das reservas de gordura corporais.14

No entanto, cedo se percebeu que esse processo não seria simples. Tal deve-se, em parte, ao elevado gradiente de concentração existente entre o músculo e o plasma e, dado que no estado basal, a entrada de L-carnitina para o músculo esquelético está saturada, o simples aumentar da ingestão de L-carnitina é improvável que aumente a sua concentração no músculo.15

Após diversas tentativas, em 2011, observou-se que era possível aumentar as reservas musculares de carnitina, através da ingestão simultânea de 1,36 g de L-carnitina com 80 g de hidratos de carbono.16 No entanto, apesar de potencialmente efetivo para o aumento das reservas, do ponto de vista da perda de peso não parece um processo viável.

Finalizada esta breve contextualização teórica, passaremos em seguida para a análise da evidência científica.

Ao longo dos últimos anos têm vindo a ser publicadas diversas revisões sistemáticas e meta-análises cujo foco incidiu nos potenciais efeitos da suplementação com L-carnitina tanto na perda e manutenção do peso, como ao nível da composição corporal.17-19

Em 2016, uma destas revisões sistemáticas e meta-análises reportou que os indivíduos que receberam a suplementação com L-carnitina reduziram significativamente o peso corporal [Diferença Média (DM): - 1,33 kg; IC 95%: -2,09 a 0,57] e o IMC (DM: -0,47 kg/m2; IC 95%: - 0.88 a 0.05).17

Perante estes resultados e um reduzido número de estudos incluídos, os autores concluíram que a L-carnitina poderá ser um fármaco efetivo para a perda de peso. A conclusão precipitada e as potenciais limitações metodológicas foram posteriormente comentadas por outros autores.20

Publicados este ano, resultados de uma outra revisão sistemática e meta-análise revelaram que a suplementação com L-carnitina reduziu significativamente o peso corporal (DM: −1,129 kg, IC 95 %: −1.590 a −0.669), o IMC (DM: −0,359 kg/m2, IC 95 %: −0,552 a −0,167) e a massa gorda (DM: −1,158 kg, IC 95 %: −1,763 a −0,554).18

Nesta, ao contrário da anterior, um maior número de estudos foram incluídos e foi ainda feita uma análise no sentido de isolar o efeito da L-carnitina.

Um outro trabalho, também publicado este ano obteve resultados bastante semelhantes. Os autores reportaram que a suplementação de L-carnitina conduziu a uma redução significativa do peso corporal (DM: -1,21 kg; IC 95%: -1,73 a -0,68 kg), do IMC (-0.24 kg/m2; -0.37 a -0.10 kg/m2) e da massa gorda (-2.08 kg; IC 95%: -3.44; -0.72 kg).

Observaram ainda uma associação não linear de dose-resposta entre a suplementação com L-carnitina e a redução do peso corporal, que sugeriu que a ingestão de 2000 mg / dia fornece o efeito máximo em adultos.19

Analisando todos estes resultados, embora apresentem significado estatístico, do ponto de vista clínico os efeitos são bastante modestos. Ainda assim, será relevante explorar os estudos incluídos nestes trabalhos, particularmente as características dos participantes e o protocolo de intervenção.

Começando pelas características dos participantes, na grande maioria dos estudos publicados, os participantes possuem diversas patologias, das quais a Diabetes Mellitus tipo 2 ou a suplementação de pacientes em hemodiálise são as mais comuns. Poucos são aqueles em que os participantes têm apenas excesso de peso ou obesidade.

Já no que diz respeito ao protocolo de intervenção, é bastante comum a suplementação de L-carnitina não estar isolada, mas sim conjugada à prática de exercício físico, inserida em dietas com restrição energética, ou até mesmo conjugada com a toma de fármacos.

Em suma, fatores como estes aqui referidos e a heterogeneidade dos estudos publicados até à data, condicionam os resultados e limitam bastante a extrapolação dos dados para populações com diferentes características. Assim, conclusões retiradas destes estudos devem ser bastante cautelosas.

Autor: Catarina Oliveira

➤ Mostrar/Ocultar Referências!
  1. Trappe SW, Costill DL, Goodpaster B, Vukovich MD, Fink WJ. The effects of L-carnitine supplementation on performance during interval swimming. Int J Sports Med. 1994;15(4):181-185.
  2. Ruano J, Teixeira VH. Prevalence of dietary supplement use by gym members in Portugal and associated factors. J Int Soc Sports Nutr. 2020;17(1):11.
  3. Gulewitsch W, Krimberg R. Zur Kenntnis der Extraktivstoffe der Muskeln. II. Mitteilung. Über das Carnitin. In. Hoppe-Seyler´s Zeitschrift für physiologische Chemie. Vol 451905:326.
  4. Tomita M, Sendju Y. Über die Oxyaminoverbindungen, welche die Biuretreaktion zeigen. III. Spaltung der γ-Amino-β-oxy-buttersäure in die optisch-aktiven Komponenten. In. Hoppe-Seyler´s Zeitschrift für physiologische Chemie. Vol 1691927:263.
  5. Pekala J, Patkowska-Sokola B, Bodkowski R, et al. L-carnitine--metabolic functions and meaning in humans life. Curr Drug Metab. 2011;12(7):667-678.
  6. Flanagan JL, Simmons PA, Vehige J, Willcox MD, Garrett Q. Role of carnitine in disease. Nutr Metab (Lond). 2010;7:30.
  7. Evans AM, Fornasini G. Pharmacokinetics of L-carnitine. Clin Pharmacokinet. 2003;42(11):941-967.
  8. Bremer J. Carnitine--metabolism and functions. Physiol Rev. 1983;63(4):1420-1480.
  9. Rebouche CJ. Kinetics, pharmacokinetics, and regulation of L-carnitine and acetyl-L-carnitine metabolism. Ann N Y Acad Sci. 2004;1033:30-41.
  10. Kendler BS. Carnitine: an overview of its role in preventive medicine. Prev Med. 1986;15(4):373-390.
  11. Novakova K, Kummer O, Bouitbir J, et al. Effect of L-carnitine supplementation on the body carnitine pool, skeletal muscle energy metabolism and physical performance in male vegetarians. Eur J Nutr. 2016;55(1):207-217.
  12. Rebouche CJ, Chenard CA. Metabolic fate of dietary carnitine in human adults: identification and quantification of urinary and fecal metabolites. J Nutr. 1991;121(4):539-546.
  13. Stephens FB, Constantin-Teodosiu D, Greenhaff PL. New insights concerning the role of carnitine in the regulation of fuel metabolism in skeletal muscle. J Physiol. 2007;581(Pt 2):431-444.
  14. Karlic H, Lohninger A. Supplementation of L-carnitine in athletes: does it make sense? Nutrition (Burbank, Los Angeles County, Calif). 2004;20(7-8):709-715.
  15. Oliveira C, Sousa M. The effects of L-carnitine supplementation in athletic performance. Sci Sports. 2019;34(2):63-72.
  16. Wall BT, Stephens FB, Constantin-Teodosiu D, Marimuthu K, Macdonald IA, Greenhaff PL. Chronic oral ingestion of L-carnitine and carbohydrate increases muscle carnitine content and alters muscle fuel metabolism during exercise in humans. J Physiol. 2011;589(Pt 4):963-973.
  17. Pooyandjoo M, Nouhi M, Shab-Bidar S, Djafarian K, Olyaeemanesh A. The effect of (L-)carnitine on weight loss in adults: a systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials. Obes Rev. 2016;17(10):970-976.
  18. Askarpour M, Hadi A, Miraghajani M, Symonds ME, Sheikhi A, Ghaedi E. Beneficial effects of l-carnitine supplementation for weight management in overweight and obese adults: An updated systematic review and dose-response meta-analysis of randomized controlled trials. Pharmacol Res. 2020;151:104554.
  19. Talenezhad N, Mohammadi M, Ramezani-Jolfaie N, Mozaffari-Khosravi H, Salehi-Abargouei A. Effects of l-carnitine supplementation on weight loss and body composition: A systematic review and meta-analysis of 37 randomized controlled clinical trials with dose-response analysis. Clin Nutr ESPEN. 2020;37:9-23.
  20. Del Vecchio FB, Coswig VS, Galliano LM. Comment on 'The effect of (l-)carnitine on weight loss in adults: a systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials'. Obes Rev. 2017;18(2):277-278.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame