Avançar para o conteúdo principal

Glutamina - Qual a sua utilidade?

A prevalência de atletas portugueses que consomem suplementos alimentares é elevada, sendo os suplementos multivitamínicos os mais populares entre esta população1.

A maioria usa estes produtos com a intenção de acelerar a recuperação, melhorar o seu desempenho desportivo, terem mais energia ou reduzirem a fadiga1. No entanto, o seu uso por parte de atletas, em alguns casos, não tem uma base científica como, por exemplo, no caso da suplementação de glutamina1.

Torna-se, portanto, crucial educar os atletas e dar-lhes acesso a informações científicas e imparciais, para que possam fazer escolhas assertivas e racionais no que diz respeito à utilização destes produtos1,2.

O que é a glutamina?

A EFSA (European Food Safety Authority) define suplementos alimentares como fontes concentradas de nutrientes (exemplos: vitaminas, minerais, aminoácidos) ou outras substâncias com efeito nutricional ou fisiológico, cujo objetivo é complementar a dieta, corrigindo deficiências nutricionais, mantendo uma ingestão adequada de certos nutrientes ou apoiando funções fisiológicas específicas do nosso organismo3.

A glutamina é um dos vários suplementos que se encontram à venda no mercado. Contudo, para compreender os seus potenciais benefícios, é importante começar por entender o que é a glutamina e qual a sua importância fisiológica.

A glutamina é o aminoácido mais abundante no nosso corpo4. É importante para o nosso sistema imunitário (que nos protege contra doenças) e para a gliconeogénese que ocorre no fígado e permite a produção de glicose ou glicogénio (substratos energéticos do nosso organismo)5.

É considerada um aminoácido condicionalmente essencial, ou seja, em situações de doença grave ou em organismos jovens e em desenvolvimento é considerada um aminoácido essencial, tornando-se necessária a sua ingestão através da alimentação (principais fontes alimentares: carne bovina, aves, peixe e trigo) para que haja o correto funcionamento do corpo4.

Caso contrário, a glutamina é considerada um aminoácido não essencial, ou seja, é produzida de forma endógena, principalmente nos músculos esqueléticos5.

A suplementação com glutamina proporciona benefícios?

Em situações de doença grave em que a massa muscular dos pacientes diminui rapidamente, podendo levar a uma diminuição da produção endógena de glutamina, a suplementação deste nutriente torna-se necessária e essencial, havendo evidência científica que suporta o seu uso clínico em pacientes críticos, em hematologia e em oncologia6.

No desporto, onde normalmente se lida com indivíduos saudáveis, os resultados alusivos a este suplemento alimentar não são tão promissores. A evidência científica existente refere que a suplementação de glutamina não afeta o sistema imunitário, o desempenho aeróbico ou a composição corporal do atleta adulto7.

Sabe-se que o exercício físico afeta a síntese de glutamina5, resultando numa diminuição da sua concentração plasmática após exercícios prolongados e exaustivos o que, consequentemente, poderia contribuir para o comprometimento do sistema imunitário, aumentando a suscetibilidade dos atletas a infeções oportunistas8, 9.

No entanto, essa sugestão foi abandonada bem como as razões sugeridas para a suplementação de glutamina em indivíduos saudáveis, nomeadamente, o suporte ao sistema imunitário, o aumento da produção de glicose ou glicogénio e o efeito anti-catabólico (impedir a diminuição e degradação da massa muscular)9.

É importante reter que os suplementos alimentares complementam a dieta, não a substituem, nem substituem o treino e, embora a suplementação com glutamina não demonstre grande utilidade para atletas, existem outros suplementos que sim, onde a sua ingestão, quando correta e adequada, poderá trazer benefícios para esta população.

Autor: Mariana Reis

➤ Mostrar/Ocultar Referências!

  1. Sousa M, Fernandes MJ, Moreira P, Teixeira VH (2013) Nutritional Supplements Usage by Portuguese Athletes. International Journal for Vitamin and Nutrition Research, 83, 48-58. DOI: https://doi.org/10.1024/0300-9831/a000144.
  2. Jovanov P, Đorđić V, Obradović B et al. (2019) Prevalence, knowledge and attitudes towards using sports supplements among young athletes. Journal of the International Society of Sports Nutrition, 16, 27-35. DOI: https://doi.org/10.1186/s12970-019-0294-7.
  3. EFSA – European Food Safety Authority. Food supplements. https://www.efsa.europa.eu/en/topics/topic/food-supplements (disponível a julho de 2020)
  4. Robert J & Smith MD (1990) Glutamine Metabolism and Its Physiologic Importance. Journal of Parenteral and Enteral Nutrition, 14(4S), 40S-44S. DOI: https://doi.org/10.1177/014860719001400402.
  5. Agostini F & Biolo G (2010) Effect of physical activity on glutamine metabolism. Current Opinion in Clinical Nutrition & Metabolic Care, 13(1), 58-64. DOI: 10.1097/MCO.0b013e328332f946.
  6. Wernerman J (2008) Clinical Use of Glutamine Supplementation. The Journal of Nutrition, 138(10), 2040S–2044S. DOI: https://doi.org/10.1093/jn/138.10.2040S.
  7. Ahmadi AR, Rayyani E, Bahreini M, Mansoori A (2019) The effect of glutamine supplementation on athletic performance, body composition, and immune function: A systematic review and a meta-analysis of clinical trials. Clinical Nutrition, 38(3), 1076-1091. DOI: 10.1016/j.clnu.2018.05.001.
  8. Castell LM, Newsholme EA (1997) The effects of oral glutamine supplementation on athletes after prolonged, exhaustive exercise. Nutrition, 13 (7-8), 738-742. DOI: https://doi.org/10.1016/S0899-9007(97)83036-5.
  9. Gleeson M (2008) Dosing and Efficacy of Glutamine Supplementation in Human Exercise and Sport Training. The Journal of Nutrition, 138(10), 2045S–2049S. DOI: https://doi.org/10.1093/jn/138.10.2045S.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame