Avançar para o conteúdo principal

Glucomanano

No artigo de hoje vamos falar acerca do glucomanano que é uma substância produzida a partir da raiz da planta konjac e que tem vindo a ser cada vez mais utilizada para a perda de peso.

A sua popularidade tem vindo a crescer nos últimos tempos e é cada vez mais comercializada em várias formas.

Vamos conhecer melhor?

O que é o glucomanano?

O glucomanano é um polissacarídeo solúvel em água que é considerado uma fibra dietética. É uma hemicelulose, uma componente da parede das células de algumas espécies de plantas.

O glucomanano compõe 40% do peso seco da raiz ou bulbo da planta konjac. Também está presente em grandes quantidades na madeira das coníferas e em pequenas quantidades na madeira das dicotiledôneas.  Também faz parte das membranas de bactérias, plantas e fermentos.

Para que serve o glucomanano?

Os produtos que contêm glucomanano também são vendidos em forma de suplementos nutricionais como tratamento para a obstipação, obesidade, hipercolesterolemia, acne e diabetes tipo 2.

O glucomanano pode ter vários benefícios para a saúde, sendo mais evidente a sua utilidade como apoio para perder peso, devido ao facto de ser praticamente desprovido de calorias e ocupar bastante espaço, promovendo uma sensação de saciedade.

A maior parte dos leitores deste site também estão sobretudo interessados em melhorar a sua composição corporal. Procuram mais especificamente, perder gordura, e o glucomanano pode ajudá-lo a conseguir isso.

Para além das cápsulas, e comprimidos, existem também ainda outras formas de glucomanano. Estou a falar de arroz e pasta feitos de glucomanano que são praticamente isentos de calorias.

Apenas como exemplo, o Slim Rice®, um tipo de arroz constituído sobretudo por glucomanano, contém apenas  7.7 calorias por cada 100 gramas.

O glucomanano ajuda a perder peso?

Num estudo de longa duração (16 semanas) realizado em 2008, os investigadores recrutaram 200 indivíduos com excesso de peso e obesos que receberam uma mistura de psyllium seed husks (3 gramas) e glucomanano (1 grama) duas vezes por dia, a mesma mistura três vezes por dia, ou um placebo (1).

Os grupos do psyllium e glucomanano perderam em média, 4.5 kg e 4.6 kg respetivamente, enquanto o grupo de controlo perdeu apenas 0.79 kg.

A diferença entre o grupo duas vezes ou três vezes por dia não foi significativa. O grupo que ingeriu o glucomanano teve um aumento da saciedade em comparação com o grupo de controlo e os níveis de colesterol HDL foram significativamente reduzidos durante o período do estudo. Os tratamentos foram bem tolerados em todos os grupos.

Um outro estudo, desta vez duplo-cego envolveu 20 pacientes obesos, sendo que os voluntários receberam um placebo ou um suplemento de fibra de glucomanano. Não foram realizadas mudanças nos hábitos dietéticos ou de exercício dos pacientes (2).

O estudo descobriu que durante o período de oito semanas o grupo que ingeriu o suplemento de glucomanano perdeu uma média de 2.5 kg e os níveis de colesterol diminuíram de forma significativa.

Outros benefícios

O glucomanano poderá ser útil como terapia coadjuvante para a diabetes tipo 2. Já foi comprovado que melhora o perfil lipídico e alivia os níveis de glucose sanguíneo em jejum nos diabéticos tipo 2 (3).

O glucomanano também ajuda a aumentar a sensibilidade à insulina e melhora a glicemia e outros fatores de risco para a doença cardíaca coronária (4).

Riscos para a saúde

Várias instituições de saúde indicam os vários cuidados a ter com o consumo desta substância:

Os produtos de saúde naturais que contenham o ingrediente glucomanano em forma de comprimido, cápsula ou em pé, que estão atualmente presentes no mercado, têm potencial de provocar problemas de saúde se foram ingeridos sem pelo menos 250 ml de água ou outro tipo de bebida.

Os riscos incluem asfixia e / ou bloqueio da garganta, esôfago ou intestino, de acordo com relatórios internacionais de casos de reações adversas. Também é importante notar que esses produtos não deve ser tomados imediatamente antes de ir para a cama

Conclusão

Normalmente costumo recomendar uma alimentação correta e com o número de calorias adequado para perder gordura, mas o glucomanano poderá ser útil, sobretudo nos estágios iniciais, para aqueles indivíduos que têm grandes dificuldades em controlar o apetite e que portanto necessitam de ingerir grandes quantidades de comida, ou que simplesmente procuram alternativas alimentares com um número de calorias mais reduzidas.

Resumindo, se tem um apetite demasiado grande, esta substância poderá ajudá-lo/a a ficar mais saciado, inibindo em parte o apetite, ao mesmo que ingere um número mais reduzido de calorias.

Desde que bem utilizado, isto é, ingerindo com uma boa quantidade de água a acompanhar, e de preferência em combinação com um bom regime alimentar e prática habitual de exercício, o glucomanano poderá ser um importante aliado na sua luta contra o apetite excessivo e a perda de peso /  gordura.

Referência 1|Referência 2| Referência 3 | Referência 4

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame