Avançar para o conteúdo principal

Ginecomastia Associada ao Uso de Esteróides Anabolizantes

O que é? A ginecomastia representa um aumento de tecido mamário maior que 2,0cm de diâmetro, em caráter anormal. 

A maior parte dos pacientes não apresenta sintomas e alguns nem percebem que a tem. Há associação do aumento da taxa estradiol/testosterona ao seu aparecimento3. A ginecomastia é um problema relativamente comum na população masculina, afetando cerca de ⅓ dos homens2.

A PRODUÇÃO DE TESTOSTERONA

Para que haja produção de testosterona pelos testículos, é necessário um estímulo que parte do hipotálamo. O GnRH, produzido no hipotálamo, estimula a hipófise a secretar  dois hormônios chamados FSH e LH e, finalmente, haverá estímulo à produção da testosterona4.

CONFUSÃO HORMONAL

Quando utilizados sem critério, os esteróides anabolizantes podem causar sérios efeitos colaterais. O uso de anabolizantes inibe a produção do GnRH, que acaba reduzindo de tabela a produção de testosterona. Além disso, parte do andrógeno (hormônio masculino), acaba sendo convertida em estrógenos (hormônio feminino) pelo complexo enzimático denominado aromatase5.

O QUE FAZER?

Como já fora dito, a ginecomastia ocorre pelo desbalanço na relação testosterona/estrogênio, sendo mais comum ocorrer no pós-ciclo. Nessa fase, haverá grande supressão na produção endógena (pelo próprio organismo) de testosterona, bem como de metabólitos dos esteroides suscetíveis à aromatização, ou seja, conversão a estrógenos6.

A droga de escolha é o tamoxifeno, que, além de estimular o organismo a produzir testosterona, bloqueia receptores mamários de estrogênio, podendo, portanto, tratar a ginecomastia6.

Entretanto, se persistir por mais de um ano, é possível que já não responda a tratamento farmacológico. Nesse caso, o tratamento cirúrgico será o de escolha6.

O QUE NÃO FAZER?

Suplementos como tribulus terrestris e saw palmetto não têm nenhum benefício e podem até piorar o quadro. Recomenda-se a suspensão desses. O uso da finasterida para tratar alopécia (calvície) também deve ser evitado6.

QUAL A POSIÇÃO DO CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA DO BRASIL?

Em seu Parecer 19/13, o Conselho Federal de Medicina (CFM), órgão responsável por fiscalizar a atividade médica no Brasil, à semelhança da Ordem dos Médicos de Portugal, não encontrou subsídios científicos que justificassem a prescrição de esteróides anabolizantes para fins estritamente estéticos.

Nesse documento, o CFM concluiu “não haver evidências científicas para o seu uso, não sendo eticamente aceita a sua prescrição e administração, com os consequentes efeitos colaterais”1.

Legenda:
CFM - Conselho Federal de Medicina
FSH - hormônio folículo estimulante
GnRH - hormônio liberador de gonadotrofina
LH - hormônio luteinizante

Autor: Rodrigo Dias

➤ Mostrar/Ocultar Referências!
  1. CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Parecer CFM 19/13. Disponível em <http://www.portalmedico.org.br/pareceres/CFM/2013/19_2013.pdf>. Acesso em 26/10/2015.
  2. FAGERLUND A., et al. Gynecomastia: A systematic review. J Plast Surg Hand Surg, n.7, p.1-8, 2015.
  3. NUTTAL, Fran Q., WARRIER, Rohit S., GANNON, Mary C.Gynecomastia and drugs: a critical evaluation of the literature. Eur J Clin Pharmacol, n.71, p.569-578, 2015.
  4. NATURE REVIEWS UROLOGY. Disponível em <http://www.nature.com/nrurol/journal/v10/n1/fig_tab/nrurol.2012.234_F1.html>. Acesso em 26/10/2015.
  5. JOSEPH, Jan Felix; PARR, Maria Kristina. Synthetic Androgens as Designer Supplements. Current Neuropharmacology, n. 13, p.89-100, 2015.
  6. RAHNEMA, Cyrus et al. Anabolic steroid-induced hypogonadism: diagnosis and treatment. Fertility and Sterilitu, v.101, n.5 p.271-1277.
  7. TUA SAÚDE. Disponível em <http://www.tuasaude.com/ginecomastia/>. Acesso em 26/10/2015.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame