Avançar para o conteúdo principal

É Possível Reverter a Intolerância e a Aversão ao Leite?

O leite é um alimento muito interessante do ponto de vista nutricional. Não só é rico em vitaminas e minerais como também contém duas das proteínas mais interessantes para aqueles que praticam musculação e outros desportos, a proteína whey (soro de leite) e a caseína.

Em artigos anteriores já falamos dos benefícios que estas duas proteínas podem proporcionar, especialmente para aqueles que praticam desportos de força.

A whey é apenas a proteína que tem maior valor biológico de todas e também é que tem níveis mais elevados de BCAAs. Proporciona ainda vários outros benefícios, incluindo para os atletas de resistência. Recomenda-se a sua ingestão sobretudo nas refeições pré-treino e pós-treino.

A caseína é uma proteína de digestão mais lenta e que, quando ingerida antes de deitar, pode reduzir o ambiente “catabólico” provocado pelo jejum noturno.

Para além disso, várias investigações sugerem que o leite também é um excelente alimento para promover o aumento da força e da massa muscular quando ingerido nas refeições pós-treino. Também é tão ou até mais eficaz como bebida de re-hidratação do que as bebidas comerciais típicas para desportistas (1).

No entanto, e apesar de ser um alimento bastante nutritivo, que proporciona as proteínas acima mencionadas e outros nutrientes essenciais como a vitamina B12 sem a necessidade de sacrificar animais (ao contrário do que acontece com a carne e o peixe), são muitas as pessoas que evitam o leite por serem intolerantes ou por sentirem repulsa.

Outro aspeto importante que tenho que mencionar aqui, é que para os adultos é bastante difícil atingir a Dose Diária Recomendada de cálcio sem a ingestão de leite ou de outros lacticínios, que são dos alimentos mais ricos em cálcio (2).

É possível reverter a intolerância e a aversão ao leite?

Num estudo publicado e Abril de 2014, realizado na Universidade de Purdue, os investigadores pretenderam verificar se seria possível reverter a aversão ao leite e a intolerância à lactose administrando, durante 21 dias, quantidades crescentes de leite a indivíduos que normalmente evitavam a ingestão de leite por serem intolerantes à lactose ou por terem aversão ao leite (3).

Para este estudo, os investigadores conseguiram recrutar 27 voluntários, que foram instruídos a ingerir quantidades cada vez mais elevadas de leite de vaca ao longo de 21 dias, até chegarem a ingerir dois copos de leite por dia.

Após esses 21 de exposição crescente ao leite, os voluntários também foram acompanhados ao longo de mais seis meses.

Resultados:

Estes investigadores puderam comprovar que tanto os indivíduos intolerantes à lactose como aqueles que digeriam mal o leite obtiveram uma diminuição significativa dos sintomas adversos derivados da ingestão do leite.

Para além disso, verificaram ainda uma diminuição do nível de aversão e um aumento do gosto pelo leite, bem como um aumento da ingestão de leite e do consumo de cálcio após 3 e 6 meses depois da intervenção.

Comprovou-se também que estas mudanças na ingestão de leite não estavam relacionadas com o estado digestivo ou demográfico dos voluntários.

Os investigadores concluíram:

Os dados que obtivemos aqui sugerem uma reversão da aversão ao leite a possibilidade de que, aqueles que evitam o leite poderão ser capazes de aumentar o gosto pelo leite e de o incorporaram na sua dieta após um aumento da exposição a este alimento.

Outros estudos deixam algumas dicas para aqueles que têm problemas com a ingestão do leite (4, 5).

  • O leite deve ser ingerido preferencialmente com outros alimentos, para atrasar o trânsito intestinal para a lactose.
  • A lactose presente nos iogurtes que contêm culturas de bactérias é melhor digerida do que a lactose presente no leite.
  • Para aqueles que são muito afetados pelos sintomas da intolerância à lactose, os suplementos de b-galactosidase (enzima que hidroliza a lactose) ou o leite sem lactose, são boas alternativas ao leite não processado.
  • Para muitos indivíduos, a exposição repetida a alimentos que contêm lactose (leite e/ou lacticínios) pode aumentar a capacidade de fermentação das bactérias do cólon para produzir produtos nutritivos e ricos em energia a partir da lactose.
  • A ingestão de kefir, que, tal como acontece com o iogurte comum, também contem probióticos que auxiliam na digestão da lactose, é outra possibilidade para melhorar a digestão da lactose.

Conclusão

Este estudo é bastante interessante porque sugere que é possível reduzir a intolerância à lactose, a incidência de problemas gastrointestinais e o nível de aversão ao leite, simplesmente aumentando gradualmente a exposição a este alimento naqueles indivíduos que geralmente o costumam  evitar.

Estas poderão ser boas notícias para aqueles que sofrem de problemas relacionados com a ingestão de leite mas que, ao mesmo tempo, gostariam de aumentar a sua ingestão.

No entanto, e sobretudo se o seu nível de intolerância ou de alergia ao leite/lactose for muito elevado, será sempre boa ideia consultar o seu médico e/ou nutricionista antes de iniciar a toma deste alimento.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame