Avançar para o conteúdo principal

É Possível Obter a Quantidade Recomendada de Vitaminas e Minerais só a Partir de Alimentos?

Várias autoridades da saúde, inclusive nutricionistas, defendem que a adoção de um regime alimentar “equilibrado”, que inclua uma diversidade de apenas alimentos, fornece as quantidades adequadas de todos os micronutrientes. 

Nesse contexto, e apoiados nessa crença, manifestam-se contra o consumo de suplementos alimentares, mais especificamente de multivitamínico-minerais, como forma de colmatar possíveis carências de micronutrientes.

No entanto, tem vindo a acumular-se literatura que sugere o oposto.

Os autores de um estudo publicado em 2006 procuraram determinar se a ingestão de apenas alimentos providencia 100% da quantidade recomendada de vitaminas e minerais.

Para o efeito, analisaram 20 dietas, provenientes do menu de 14 atletas e 6 indivíduos sedentários, os quais procuravam melhorar a qualidade da ingestão de micronutrientes a partir de alimentos. 

Mais precisamente, determinaram se essas dietas, compostas exclusivamente por alimentos, forneciam a dose diária recomendada de 10 vitaminas e 7 minerais, nomeadamente as vitaminas A, D, E, K, B1, B2, B3, B6, B9, e B12, e os minerais iodo, potássio, cálcio, magnésio, fósforo, zinco e selénio.

Para surpresa dos investigadores, nenhuma das dietas analisadas providenciou 100% da quantidade recomendada dos 17 micronutrientes.

Usando como referência os valores da Dose Diária Recomendada, todos os voluntários apresentaram 3 a 15 deficiências, num total de 40,5% de défice de micronutrientes. 

Em 2010, publicou-se um outro estudo que teve como objetivo caracterizar a composição nutricional de menus diários sugeridos de 4 dietas bem conhecidas: a dieta de Atkins, South Beach, Best Life, e DASH.

Nesse sentido, o investigador procurou determinar se, para a ingestão energética recomendada, os menus de cada dieta providenciavam 100% da dose diária recomendada (DDR) de 27 micronutrientes. 

Em termos de resultados, verificou-se que nenhum dos regimes alimentares providenciou 100% da quantidade recomendada das 27 vitaminas e minerais.

  • Atkins: forneceu 1786 Kcal, 44,44% suficiente, com 100% da DDR para 12 micronutrientes.
  • Best Life: continha 1793 Kcal, 55,56% suficiente, com 100% da DDR para 15 micronutrientes.
  • DASH: fornecia 2217 Kcal, 51,85% suficiente, com 100% da DDR para 14 micronutrientes.
  • South Beach: continha 1197 Kcal, 22,22% suficiente, com 100% da DDR apenas para 6 micronutrientes.

Verificou-se que os valores de seis micronutrientes se apresentaram a níveis inferiores às DDR nas 4 dietas, nomeadamente a vitamina B7 (biotina), vitamina D, Vitamina E, o Crómio, Iodo, e o Molibdénio.

O autor deste trabalho concluiu:

Este estudo revela uma prevalência significativa de défices de micronutrientes em dietas famosas.

Um indivíduo que siga uma dieta popular contendo apenas alimentos tem uma elevada probabilidade de sofrer défices de micronutrientes.

Este investigador refere ainda que, atualmente, o Journal of the American Medical Association recomenda que todos os adultos se suplementem diariamente com um multivitamínico-mineral.

A Nível Nacional

Já foram conduzidos pelo menos dois estudos que procuraram caracterizar a adequação nutricional dos portugueses, inclusive a sua ingestão de vitaminas e minerais.

O Inquérito Alimentar Nacional e de Atividade Física (IAN-AF), conduzido a nível nacional, entre 2015 e 2016, e que incluiu um número expressivo de voluntários, revelou inadequações significativas para a ingestão de 7 micronutrientes, nomeadamente para as Vitaminas A, B2, B6, B9, C, cálcio e o ferro.

 

Mulheres

Homens

Vitamina A <AR a

22,7%

29,2%

Vitamina B6 <AR a

26,0%

14,0%

Vitamina C <AR a

38,1%

39,6%

Folatos <AR a

66,2%

54,2%

Riboflavina <AR a

39,4%

24,3%

Cálcio <AR a

60,6%

47,0%

Ferro <AR a

16,5%

3,3%

Sódio > UL b

63,2%

88,9%

 AR: Average Requirement; UL: Tolerable Upper Intake Level

Neste caso, os micronutrientes que apresentaram percentagens de inadequação mais elevada foram a vitamina B9 (folato) e o cálcio.

Publicado em 2019, o estudo Alimentação e Estilos de Vida da População Portuguesa, conduzido pela Sociedade Portuguesa de Ciências da Nutrição e Alimentação (SPCNA), entre outras variáveis, caracterizou a ingestão nutricional de 3529 portugueses.

Num trabalho posterior, que analisou dados desse estudo, verificou-se que a percentagem de portugueses que atinge as quantidades recomendadas de vitamina D e E é muito baixa.

% de portugueses que cumprem as Estimated Average Requirements para vitaminas.

 

A

D

E

B1

B2

B3

B6

B12

C

Folato

Homens

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

19-30

21,8

2,4

1,1

46,3

59,4

88,6

65,1

75,1

42,7

37,5

31-50

15,7

2,1

2,7

37,4

47,9

90,6

52,8

71,2

39,1

25,6

51-70

11,3

2,5

1,8

26,3

35,2

81,3

34,1

65,9

35,4

15,6

>70

12,5

0,9

2,2

9,9

14,4

59,0

21,5

51,0

36,4

13,6

Mulheres

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

19-30

18,1

2,3

0,8

40,4

65,7

84,5

54,2

75,0

55,4

30,0

31-50

11,8

2,4

1,1

39,3

54,6

84,4

51,4

65,9

48,0

21,2

51-70

11,6

2,2

1,9

24,5

42,4

75,4

33,5

60,0

47,4

15,9

>70

17,1

3,4

0,0

12,4

16,4

58,3

21,1

46,6

37,5

6,3

% de portugueses que cumprem as Estimated Average Requirements para minerais.

 

Calcio

Iodo

Magnésio

Potássio

Ferro

Selénio

Zinco

Homens

 

 

 

 

 

 

 

19-30

56,9

39,3

40,7

96,8

90,1

80,5

46,8

31-50

22,5

22,5

52,4

95,7

85,9

78,7

46,4

51-70

17,2

17,2

40,9

88,8

72,9

66,9

32,8

>70

22,1

21,7

21,7

82,2

67,8

49,6

17,3

Mulheres

 

 

 

 

 

 

 

19-30

43,7

38,0

54,4

91,8

66,5

73,5

47,7

31-50

44,4

34,9

59,5

90,9

62,0

77,5

42,9

51-70

13,8

27,4

40,9

84,0

76,3

67,3

32,0

>70

15,4

39,9

33,9

84,0

60,4

62,3

19,0

Analisando a tabela acima, é também evidente que uma percentagem significativa não consegue obter as quantidades adequadas de um elevado número de micronutrientes.

Tendo em conta estes dados, talvez esteja na altura de aceitar que uma alimentação baseada em apenas alimentos, mesmo que supostamente “equilibrada”, poderá não proporcionar as quantidades adequadas de todos os micronutrientes, e que a suplementação com o clássico suplemento multivitamínico-mineral poderá ser recomendável para a população geral. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame