Avançar para o conteúdo principal

Dietas para emagrecer – qual a melhor?

Ao colocar no motor de busca Google “dieta para emagrecer” aparecem cerca de 20 600 000 resultados, com títulos promissores que podem criar expectativas em quem é facilmente influenciável e pretende uma rápida redução de peso!

Segundo alguns artigos científicos, as dietas para emagrecer podem classificar-se em: low-carb/high-fat; low-fat/high-carb; very low carbohydrate; very-low calorie, high protein; high fiber (1, 2, 5).

Como exemplo das dietas low-carb/high-fat temos a Atkins’s e Protein power lifeplan, com menos de 100g/dia em hidratos de carbono e teores de gordura acima de 60% do valor energético total (1,2). A maior vantagem deste tipo de dietas é que a baixa ingestão de hidratos de carbono, leva, por conseguinte, a menores níveis de glicose e insulina no sangue, que se refletirá numa supressão do apetite (1).

Já a dieta cetogénica (designada very low carbohydrate) contém um menor teor em hidratos de carbono, menos de 50g/dia (2) (o equivalente a 2 maçãs de tamanho médio e duas tostas rectangulares de trigo integral) – 5% das calorias ingeridas provêm dos hidratos de carbono, 15% da proteína e 80% das gorduras (3).

Convém referir que estas estratégias onde há uma restrição severa em hidratos de carbono não devem ser uma opção a tomar de ânimo leve para atletas, principalmente quando se encontram no período competitivo ou quando o objetivo é realizar treinos de maior intensidade ou aumentar a massa muscular.

As dietas low-fat/high-carb de que são exemplos Dean Ornish e Pritikin diets, caraterizam-se por ingestões diárias de gordura a rondar os 11-19% ou, em dietas muito pobres em gordura, <10% do valor energético total (1).

As dietas very-low calorie não fornecem mais do que 800kcal/dia, que apesar de levarem a uma rápida perda de peso, a sustentabilidade deste regime alimentar a longo prazo deixa algumas dúvidas e carece de mais estudos (1).

Para além das referidas anteriormente, a restrição alimentar em determinados períodos do dia ou prolongar o jejum entre refeições, têm sido estratégias seguidas por quem pretende emagrecer.

Estas dietas são apelidadas por jejum intermitente e caraterizam-se por uma redução superior a 60% do valor energético diário durante 2 a 3 dias por semana ou em dias alternados e a outra estratégia passa pela redução do intervalo de tempo em que é permitido comer (8-10h) (4).

Por outro lado, a restrição energética contínua (défice calórico de 500 ou 750kcal/dia ou uma redução de 30% das necessidades energéticas diárias) (4) constitui também uma estratégia para emagrecer.

Contudo e segundo um artigo de revisão de 2018, a High protein diet, pelo maior teor proteico que apresenta, parece ser a que conduz a uma menor perda de massa muscular, como pode ser observado no gráfico desse mesmo artigo (5). Esta dieta (High protein diet) carateriza-se por uma ingestão proteica ≥ 2g/kg/dia (5).

Todas as dietas para emagrecer têm em comum a restrição calórica, ou seja, o individuo ingere menos calorias do que aquelas que gasta. Contudo, não nos devemos focar apenas no valor calórico do plano alimentar, uma vez que, em períodos de restrição energética é importante definir um aporte proteico ótimo para preservar a massa muscular.

Portanto, o objetivo não deve ser apenas baixar o número na balança, mas sobretudo, melhorar a composição corporal.  A estratégia deve ser individualizada de forma a alcançar o objetivo, manter o peso alcançado e sem comprometer a saúde do indivíduo.

➤ Mostrar/Ocultar Referências!
  1. Joshi, S. and Mohan, V. (2018) Pros & cons of some popular extreme weight-loss diets. Indian Journal of Medical Research 148, 642-647.
  2. Bolla, A., et al (2019) Low-Carb and Ketogenic Diets in Type 1 and Type 2 Diabetes. Nutrients 11, 962.
  3. Harvey, K., et al (2019) Ketogenic Diets and Exercise Performance. Nutrients 11, 2296.
  4. Rynders, C., et al (2019) Effectiveness of Intermittent Fasting and Time-Restricted Feeding Compared to Continuous Energy Restriction for Weight Loss. Nutrients 11, 2442.
  5. Willoughby, D. (2018) Body Composition Changes in Weight Loss: Strategies and Supplementation for Maintaining Lean Body Mass, a Brief Review. Nutrients, 10, 1876.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame