Avançar para o conteúdo principal

Carb-loading – o que é e como se faz?

Praticamente todos os atletas e indivíduos interessados em nutrição desportiva já ouviram falar do carb-loading, mas será que sabem ao certo de que se trata?

O que é?

O carb-loading é uma estratégia que manipula a ingestão de hidratos de carbono e/ou o exercício físico, de forma a criar um estado de super-compensação de glicogénio, no qual o organismo retém quantidades acima do normal durante um período limitado de tempo, para aumentar a performance e reduzir a fadiga em provas de endurance.

A realização de exercício adequado para esgotar o glicogénio parece aumentar a sensibilidade muscular ao glicogénio e, desta forma, potenciar um maior acúmulo de glicogénio e durante mais tempo.

Na verdade, a realização de exercício depletor de glicogénio não é um pré-requisito para se conseguir compensar o músculo com glicogénio, mas isso parece aumentar a sensibilidade muscular à glicose, o que permite um maior e mais duradouro acúmulo de glicogénio, podendo este permanecer elevado até 5 dias.

Como se faz?

Vários métodos de carb-loading demonstraram a sua eficácia no aumento das reservas de glicogénio, entre eles incluem-se:

Protocolo clássico: Envolve 3 a 6 dias de exercício e manipulação da dieta, começando com uma dieta baixa em hidratos de carbono e/ou exercício prolongado com o objetivo de esgotar as reservas de glicogénio, seguido por 3 dias de uma dieta rica em hidratos de carbono com treino mínimo ou sem treino.

Protocolo de Sherman et al.: 3 dias de redução gradual do exercício, durante os quais se segue uma dieta normal, com 50% da energia total proveniente dos hidratos de carbono; Nos 3 dias seguintes aumenta-se a ingestão de hidratos de carbono para 70% da energia total enquanto se realiza cerca de 20 min. de exercício de baixa intensidade durante os primeiros 2 dias, com descanso total no último dia.

Protocolos com apenas 1 dia de ingestão elevada de hidratos de carbono:

  • Bussau et al.: 1 treino normal, no dia seguinte inactividade física combinada com ingestão elevada de hidratos de carbono (10 gramas/dia por kg de peso corporal) provenientes de alimentos ricos em hidratos de carbono e de elevado índice glicémico. Aumentou as reservas de glicogénio em mais de 90% um dia depois.
  • Fletcher et al.: Ingestão de 10 g/kg/massa corporal de hidratos de carbono após exercício de ciclismo de curta duração e alta intensidade com um dia subsequente de inatividade. Aumentou o glicogénio muscular em 82% após o treino.

Para quem é?

A evidência sugere que os atletas que mais podem beneficiar com o carb-loading são aqueles que participam em eventos desportivos de duração superior a 90 minutos.

Os culturistas de competição também usam o carb-loading com o objetivo de aumentar a circunferência dos vários grupos musculares no dia da prova, embora a eficácia desta estratégia ainda esteja por comprovar através de estudos.

O carb-loading nas mulheres

Para que uma estratégia de carb-loading pode surtir efeito nas mulheres, estas têm que ingerir mais de 8 gramas de hidratos de carbono por kg de peso corporal, por dia, o que para uma mulher de 60 kg e uma ingestão energética de 2000 kcal/dia, representaria 93% da energia total a ser proveniente dos hidratos de carbono.

O ciclo menstrual também afeta a eficácia do carbloading, sendo a capacidade de armazenar glicogénio maior na fase lútea do que na fase folicular.

Deve-se usar fontes de hidratos de baixo ou alto IG?

Caso se pretenda usar protocolos de carbloading de curta duração, poderá ser mais adequado o consumo de alimentos de elevado índice glicémico, pois verificou-se que este proporcionam uma maior recuperação do glicogénio após a realização de exercício depletor de glicogénio, em comparação com alimentos de baixo IG.

Possíveis efeitos indesejáveis

A fase de ingestão reduzida de hidratos de carbono pode aumentar o risco de lesão e produzir hipoglicemia, que inclui sintomas como desatenção, falta de acuidade mental e irritabilidade.

Na fase de ingestão elevada de hidratos de carbono podem ocorrer perturbações gastrointestinais, incluindo inchaço e desconforto abdominal. Para além disso, deve-se ter em conta que o glicogénio é armazenado juntamente com água, numa taxa de 1 para 3-5, o que se traduz num aumento de peso e numa sensação de corpo pesado e “cheio”.

➤ Mostrar/Ocultar Referências!
  1. Sedlock DA. The latest on carbohydrate loading: a practical approach. Current sports medicine reports. 2008; 7(4):209-13.
  2. Helms ER, Aragon AA, Fitschen PJ. Evidence-based recommendations for natural bodybuilding contest preparation: nutrition and supplementation. Journal of the International Society of Sports Nutrition. 2014; 11:20-20.
  3. Balon TW, Horowitz JF, Fitzsimmons KM. Effects of carbohydrate loading and weight-lifting on muscle girth. International journal of sport nutrition. 1992; 2(4):328-34.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame