Avançar para o conteúdo principal

Ácido guanidinoacético – Mais potente que a creatina?

O ácido guanidinoacético é um precursor da creatina e portanto um composto intermediário formado durante um dos passos da síntese endógena de creatina(1).

Este composto intermediário é sintetizado principalmente nos rins e pâncreas a partir dos aminoácidos glicina e arginina pela enzima L-arginina:glicina amidinotransferase(1).

Após ser transportado para o fígado e pâncreas), o ácido guanidinoacético é convertido em creatina pela enzima guanidinoacetato N-metiltransferase, numa reação em que a S-adenosil metionina doa um grupo metilo ao ácido guanidoacético, gerando creatina e S-adenosil homocisteína.(1, 2)

A creatina pode depois ser fosforilada pela enzima creatina quinase, formando assim fosfocreatina que pode ser usada no músculo esquelético e cerebral para doar, de forma rápida, grupos fosfato ao ADP, convertendo-o de novo em ATP(2).

Quando ingerido em forma de suplemento, o ácido guanidoacético é absorvido na sua quase totalidade pelo trato digestivo(3), entra na circulação e também pode ser absorvido e convertido em creatina pelos tecidos muscular e nervoso(2, 4).

Durante muito tempo, este composto foi considerado pouco interessante e uma fonte celular de energia pouco adequada(2) mas investigações recentes revelam que poderá ser um suplemento ergogénico especialmente relevante para atletas.

Na verdade, um estudo verificou que a suplementação com ácido guanidinoacético, durante 6 semanas aumenta a força e a resistência muscular em indivíduos saudáveis, mesmo com uma dose baixa, de apenas 1,2 gramas por dia(5).

O estudo(4)

Este estudo mais recente foi inovador porque foi o primeiro a comparar a suplementação com ácido guanidoacético com a suplementação com creatina(4).

Os investigadores recrutaram 5 voluntários jovens e saudáveis que numa ocasião ingeriram 3 gramas de ácido acetoacético e noutra ingeriram 3,4 gramas de creatina.

Resultados

Tal como pode ver na tabela acima, os níveis de creatina nos tecidos muscular esquelético e cerebral foram 3.3 vezes mais elevados com a suplementação com ácido guanidinoacético em comparação com a suplementação com creatina.

Isto poderá dever-se à existência de um maior número de mecanismos de transporte (incluindo difusão passiva) de ácido acetoacético nos tecidos muscular e cerebral, e a sua completa conversão em creatina.

Em comparação a capacidade de transporte e portanto de captação de creatina nesses tecidos é significativamente mais limitada.

Citando os investigadores:

Verificou-se que o ácido guanidinoacético é mais eficiente do que a creatina em aumentar a disponibilidade de creatina muscular e cerebral em humanos.”

O nosso estudo providenciou evidência preliminar de que a suplementação durante 4 semanas com 3 gramas por dia de ácido guanidinoacético é superior à creatina em termos de facilitar a bioenergética celular, tal como avaliado pelos níveis de creatina do cérebro e do tecido muscular esquelético.

Infelizmente, a suplementação com ácido guanidinoacético também eleva, de forma moderada, os níveis de homocisteína, um composto que é atualmente considerado um factor de risco independente para as doenças cardiovasculares, fracturas osteoporóticas e disfunção renal(4).

Segurança

Pelos estudos realizados até hoje ainda não foi possível concluir que a suplementação com ácido guanidinoacético seja livre de efeitos secundários para a saúde e por esse motivo não é ainda recomendada a sua suplementação, principalmente devido à provável elevação dos níveis de homocisteína(1).

Em teoria, a adição de dadores de grupos metilo ou do aminácido serina à suplementação com ácido acetoacético poderia suprimir esse aumento dos níveis de homocisteína(1), mas é necessário realizar estudos que comprovem isso.

Outro motivo de preocupação com a suplementação com ácido acetoacético tem a ver com a possibilidade deste se acumular em níveis anormais no cérebro. No entanto, alguns investigadores afirmam que isso é extremamente improvável devido a limitações dos sistemas de transporte(4).

➤ Mostrar/Ocultar Referências!
  1. Ostojic SM, Niess B, Stojanovic M, Obrenovic M. Creatine Metabolism and Safety Profiles after Six-Week Oral Guanidinoacetic Acid Administration in Healthy Humans. International Journal of Medical Sciences. 2013; 10(2):141-47.
  2. Ostojic SM. Cellular bioenergetics of guanidinoacetic acid: the role of mitochondria. Journal of bioenergetics and biomembranes. 2015; 47(5):369-72.
  3. Tossenberger J, Rademacher M, Németh K, Halas V, Lemme A. Digestibility and metabolism of dietary guanidino acetic acid fed to broilers. Poultry Science. 2016; 95(9):2058-67.
  4. Ostojic SM, Ostojic J, Drid P, Vranes M. Guanidinoacetic acid versus creatine for improved brain and muscle creatine levels: a superiority pilot trial in healthy men. Applied physiology, nutrition, and metabolism = Physiologie appliquee, nutrition et metabolisme. 2016; 41(9):1005-7.
  5. Ostojic SM, Stojanovic MD, Hoffman JR. Six-Week Oral Guanidinoacetic Acid Administration Improves Muscular Performance in Healthy Volunteers. Journal of investigative medicine : the official publication of the American Federation for Clinical Research. 2015; 63(8):942-6.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame