Avançar para o conteúdo principal

A Terapia de Substituição Hormonal com Testosterona Aumenta o Risco de Problemas Cardiovasculares?

O uso de quantidades expressivas de testosterona e compostos derivados, com o intuito de promover ganhos de força e a hipertrofia muscular, aumenta significativamente o risco de diversos problemas de saúde, inclusive de doenças cardiovasculares.

Por outro lado, o défice comprovado desta hormona (hipogonadismo), e a diminuição significativa dos seus níveis, tal como acontece no envelhecimento, associa-se a uma série de problemas de saúde e uma diminuição do bem-estar.

A terapia de substituição hormonal, no contexto do qual é administrada ao paciente uma dose de testosterona suficiente para elevar os níveis até valores considerados normais, será um dos candidatos mais fortes para resolver o hipogonadismo.

No entanto, desde cedo surgiram vozes contrárias à utilização de testosterona nesse contexto, devido a um suposto aumento do risco de doenças cardiovasculares.

Recentemente, um grupo de investigadores pretendeu descobrir se a terapêutica com testosterona no tratamento do hipogonadismo está associada a maior risco de condições cardiovasculares e outras causas de mortalidade.

Com esse objetivo em mente, conduziram uma meta-análise que incluiu 17 estudos, os quais incluíram um total de 3431 participantes com hipogonadismo, com uma idade média de 65 anos.

A duração tratamento com testosterona variou entre 12 semanas até 3 anos, numa duração média de 9,5 meses.

Neste trabalho verificou-se que:

  • O tratamento com testosterona não teve efeitos adversos na pressão arterial ou marcadores de glicemia.
  • Apesar de um ligeiro aumento do hematócrito, não aumentou o risco de eventos trombóticos.
  • O risco de eventos cardiovasculares foi similar entre o tratamento com testosterona e o uso de um placebo.
  • Numa análise posterior, registou-se uma diminuição do risco de eventos cardiovasculares e cerebrovasculares com o tratamento com testosterona quando os níveis de testosterona livre se situaram entre os 180 e 220 pmol/L.
  • Os níveis séricos de colesterol total e de triglicerídeos foram significativamente inferiores para aqueles que foram tratados com testosterona.

Estes autores concluíram:

Não encontramos evidência de que a terapia de substituição hormonal com testosterona aumente o risco cardiovascular a curto e a médio-prazo.

São necessários mais dados para avaliar a segurança da testosterona a longo-prazo.

Referência!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame