Avançar para o conteúdo principal

A L-carnitina Ajuda a Perder Gordura?

A L-carnitina é uma das substâncias mais vendidas e utilizadas para perda de gordura, e a sua utilização é ainda mais evidente e popular entre os fisioculturistas ou praticantes de musculação recreativos.

Na verdade o consumo deste suplemento está tão vulgarizado que até existem bolachas à venda em supermercados e lojas comuns que incluem a L-carnitina, e que tentam transmitir a ideia de que este tipo de bolachas são mais saudáveis, e que ao consumi-las não irão engordar e poderão até ajudar a emagrecer.

Mas será que a L-carnitina é uma substância eficiente para promover a perda de gordura/peso, ou estaremos apenas perante mais um caso de uma campanha publicitária enganosa que teve sucesso?

O que é a L-carnitina?

A L-carnitina é um composto que está presente em vários alimentos, sobretudo na carne e leite, que ajuda o corpo a transformar gordura em energia. O corpo produz a carnitina no fígado e rins e armazena-a sobretudo nos músculos esqueléticos, coração e cérebro.

A carnitina é um composto de amônio quaternário sintetizado a partir dos aminoácidos lisina e metionina. Nas células vivas é necessária para o transporte de ácidos gordos a partir do citosol para a mitocôndria durante a decomposição dos lípidos (gorduras) para a geração de energia metabólica. A L-carnitina é a forma biologicamente ativa da carnitina.

Normalmente, o seu corpo é capaz de produzir toda a carnitina que precisa. No entanto, devido a certas condições médicas, algumas pessoas, pode não ter níveis suficientes de carnitina porque os seus corpos não a conseguem produzir de forma eficiente ou não é possível transportá-la para os tecidos para que ele possa ser utilizado.

Algumas outras condições, tais como a angina de peito ou a claudicação intermitente, podem também provocar níveis baixos de carnitina no corpo, assim como alguns medicamentos.

Como funciona a L-carnitina?

A L-carnitina transporta cadeias longas de grupos acilo a partir dos ácidos gordos para a matriz mitocondrial, de forma que possam ser degradados em acetil-CoA através da β-oxidação, para obter energia utilizável, através do ciclo de ácido cítrico.

As carnitinas também exercem uma ação antioxidante, proporcionando assim um efeito protetor contra a peroxidação lipídica das membranas de fosfolípidos e contra o stress oxidativo induzido ao nível da célula miocárdica e endotelial (1).

A L-carnitina ajuda a perder gordura?

Em teoria a suplementação com L-carnitina poderia estimular a queima de gordura e “poupar” as reservas de glicogénio, uma vez que esta substância participa no processo de transformação da gordura em energia.

Até á data, poucos estudos clínicos testaram a eficiência da L-carnitina como ajuda para perder gordura em seres humanos.

A literatura científica atualmente disponível acerca deste tema  inclui um estudo publicado no International Journal of Sport Nutrition and Exercise Metabolism em que 36 mulheres com excesso de peso moderado receberam L-carnitina ou um placebo duas vezes por dia durante oito semanas (2).

Os investigadores deste estudo não encontraram diferenças entre a massa corporal total ou a massa adiposa entre as mulheres que tomaram o suplemento de L-carnitina ou o placebo.

Também já foram realizados outros estudos em ratos que não suportam a eficiência da L-carnitina na perda de gordura.

Nesse sentido, um estudo publicado em 2002 no Annals of Nutrition and Metabolism, verificou que os ratos que ingeriram L-carnitina não obtiveram uma maior redução dos níveis de gordura corporal em comparação com um grupo de controlo (3).

Para além disso, um estudo publicado em 2005 no International Journal for Vitamin and Nutrition Research verificou que ratos alimentados com uma dieta enriquecida com L-carnitina tiveram tendência a ganhar mais peso do que outros animais no estudo. Isto apesar do número de calorias ingeridas entre os dois grupos ter sido idêntico (4).

Conclusão

Será a suplementação com L-carnitina uma forma eficiente de promover a perda de gordura? A literatura científica atual e os estudos que referimos neste artigo não parecem suportar a teoria defendida por muitos, em especial pela indústria dos suplementos e alimentar.

A maioria dos estudos verificou que a suplementação com l-carnitina é inútil e desnecessária, a menos que um indivíduo seja deficiente em L-carnitina devido a alguma condição médica.

Concluo que se a l-carnitina funcionar, será meramente devido ao efeito placebo. Tal como acontece com alguns suplementos e medicamentos, a L-carnitina será tão eficiente quanto o consumidor quiser acreditar.

Referência 1|2|3|4|

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame