Avançar para o conteúdo principal

A Proteína Whey Provoca Acne?

A acne é atualmente a doença de pele mais prevalente no mundo ocidental, ao ponto de já ser mesmo considerada uma epidemia, que afeta até 90% por cento dos adolescentes (1) e também uma percentagem significativa de indivíduos adultos, especialmente mulheres (2).

Muitos desses indivíduos afirmam que a ingestão de determinados alimentos, tais como o leite, chocolate, e outros, têm tendência a agravar a acne.

Da mesma forma, uma boa percentagem das pessoas que começam a ingerir de suplementos de proteína, especialmente de whey protein, também costumam referir o surgimento de acne ou o agravamento da acne pré-existente após alguns dias ou semanas de consumo.

Na verdade, este parece ser um problema cada vez mais comum à medida que o consumo de whey protein tem vindo a tornar-se cada mais popular entre os praticantes de musculação. Fenómeno esse que também foi notado por vários dermatologistas e nutricionistas (3).

Mas será que o consumo de lacticínios, especialmente de suplementos de proteínas do leite, tais como a whey protein (soro de leite) e a ingestão de leite provocam ou agravam a acne?

A whey protein provoca acne?

Já tínhamos publicado anteriormente um artigo que relacionava o consumo de whey protein ao aparecimento ou aumento da severidade da acne já existente num grupo de 5 adolescentes (4).

Entretanto, desde a data da publicação desse artigo (em 2012), já foram realizados várias outras investigações que nos poderão ajudar a obter uma resposta mais fidedigna a esta questão.

Como exemplo, em 2013 foi publicado um estudo observacional que foi realizado na cidade de João Pessoa, no Brasil, que envolveu 30 participantes com idades entre os 18-30 anos e que tinham iniciado recentemente a toma de um suplemento de proteína (5).

Durante a investigação, cada participante foi examinado em três ocasiões e acompanhado ao longo de um período de 60 dias. O primeiro exame ocorreu antes dos participantes terem iniciado o uso do suplemento de proteína, o segundo exame ocorreu passado 30 dias de uso e o terceiro após 60 dias de uso.

De notar que o whey protein (proteína do soro de leite) foi o tipo de suplemento de proteína que praticamente todos os participantes do estudo consumiram.

Durante esse período de tempo, os investigadores registaram a presença de acne, bem como um aumento do número de lesões provocadas pela mesma.

Estes escreveram:

No início do acompanhamento, apenas 56,7% dos indivíduos apresentaram lesões acneiformes, com graus que variaram de I a II.

Após dois meses de uso do suplemento protéico, todos os pacientes apresentaram lesões acneiformes, 30% deles de grau III.

Na tabela abaixo poderá observar a evolução do agravamento da acne que ocorreu nesses indivíduos.

Tipo de lesão

Mês 0

Mês 1

Mês 2

Comedões

11.7

16.6

19.7

Pápulas

1.87

10.2

15.8

Pústulas

0.3

9.5

14

Cicatrizes

3.1

4.1

4.9

Nº total de lesões

17.1

40.4

54.4

Os investigadores concluíram:

Este estudo demonstrou o surgimento de acne com o uso progressivo de um suplemento de proteína, num período de dois meses.

Sugere-se que o uso deste tipo de suplementação seja desencorajado.

Porque motivo é que o whey protein provoca acne?

Recorde que os suplementos de whey protein são um concentrado de proteína do soro de leite. Proteína essa que constitui cerca de 60% da proteína presente no leite materno e de 20% do leite de vaca.

A acne pode ser considerada um problema de pele derivado de uma dieta que produz uma libertação exagerada de insulina. Considera-se que o leite e a whey proteín contribuem para elevar de forma significativa os níveis de insulina e de IGF-1.

Na verdade, o seu consumo resulta num aumento de insulina e de IGF-1 comparável ao de alimentos de elevado índice glicémico, como o pão branco (6).

De fato, a whey protein parece ser a principal responsável pelas propriedades estimuladoras de libertação de insulina do leite (7), e a inclusão de whey protein numa refeição com carboidratos promove uma maior segregação de insulina e também uma redução mais rápida dos níveis de glucose no sangue (8).

A insulina induz a secreção de IGF-1 no fígado e os níveis elevados de ambas as hormonas estão associadas a uma maior produção de sebo e atuam de forma negativa no crescimento epitelial folicular, e no processo de queratinização da pele, estimulando assim o surgimento ou agravamento da acne (9).

Apesar de não existir um grande número de estudos que associem o consumo de proteína do soro de leite à acne, existe um grande número de investigações que associa o consumo de leite ao aumento da ocorrência de acne, incluindo os efeitos promotores da acne de vários componentes do leite, entre os quais se encontram as várias proteínas do soro de leite (10).

Como exemplo, um estudo verificou que o adolescentes que ingeriam uma maior quantidade leite sofriam mais acne e esta era mais severa do que aqueles que não ingeriam leite (11).

Pelo menos outros cinco estudos confirmaram que, de uma forma geral, quanto maior for a quantidade de leite ingerida, maior irá ser o agravamento da acne (12, 13, 14, 15, 16).

Para além disso, em 2009 foi realizada uma revisão de 21 estudos observacionais e de 6 ensaios clínicos, que avaliaram a possível associação entre a acne a dieta.

Os estudos observacionais, 2 grandes estudos prospectivos controlados, indicaram que a ingestão de leite de vaca está associado a uma maior prevalência da acne e também a um agravamento da acne pré-existente (17).

É possível evitar a acne provocada pela whey protein?

Curiosamente, a ingestão de  lactoferrina, uma das proteínas presentes na proteína do soro de leite, poderá melhorar a acne. A lactoferrina possui propriedades anti-inflamatórias in vitro e sistémicas, actuando em várias doenças inflamatórias, incluindo na acne (18).

Num estudo realizado em 2010, os investigadores verificaram que a ingestão de uma bebida de leite fermentada e enriquecida com lactoferrina, ao longo de um período de 12 semanas, diminuiu de forma significativa o número de lesões inflamatórias (- 38.6%) e o grau de acne (- 20.3%), em comparação com um grupo de placebo (19).

Os investigadores concluíram:

O leite fermentado enriquecido com lactoferrina melhora a acne vulgar com uma diminuição selectiva de triacilgliceróis nos lípidos da superfície da pele.

Portanto, o enriquecimento dos suplementos de whey protein e de lacticínios, com lactoferritina, ou a suplementação com lactoferrina poderia ser, portanto, uma forma de anular, ou pelo menos de reduzir, as propriedades promotoras de acne da whey proteín e do leite.

Isso também já ficou comprovado num estudo em que investigadores administraram um suplemento de lactoferrina a jovens que sofriam de acne, sendo que estes obtiveram melhorias significativas da acne com a suplementação com lactoferrina (20).

Conclusão

A literatura científica de que dispomos atualmente parece sugerir que o consumo de whey protein e de lacticínios em geral, pode realmente provocar ou agravar um quadro de acne nos seus consumidores, sobretudo nos adolescents ou adultos jovens.

Apesar da whey protein poder proporcionar um grande número de benefícios para a saúde, parece ter o inconveniente de promover a acne nos indivíduos mais susceptíveis, até ao ponto em que os investigadores de um dos estudos sugerirem que a ingestão de suplementos de whey protein deve ser evitada por este tipo de indivíduos.

No entanto, caso este grupo de indivíduos mais susceptíveis de desenvolverem acne desejem ou necessitem de ingerir um suplemento de proteína para aumentar a quantidade de proteína da dieta, poderão ainda assim recorrer a suplementos de proteína de ovo (como a albumina), de carne (como a carnivor) e até mesmo de outros tipos de proteína de qualidade mais reduzida, tal como a proteína de soja, de ervilha, etc.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame