Avançar para o conteúdo principal

4 Benefícios da Quinoa

A quinoa é originária da região andina do Equador, Bolívia, Colômbia e Peru, onde foi domesticada há cerca de 3.000 a 4.000 anos atrás, para consumo humano, onde se tornou um alimento muito importante para as culturas andinas, onde a planta é nativa, mas este alimento ainda é relativamente desconhecido no resto do mundo.

Os Incas, que consideravam a quinoa um alimento sagrado,  referiam-se a ela como "chisaya mama" ou "mãe de todos os grãos".

Já foi considerada um alimento para os mais pobres e desfavorecidos desses países, mas tem vindo a tornar-se cada vez mais popular e mais consumido no Brasil e outros países, sendo que o seu consumo tem vindo a aumentar em todo o mundo. E existem bons motivos para isso acontecer. Vamos ver quais são eles...

A quinoa é um alimento bastante nutritivo

A quinoa é considerado um dos alimentos mais completes que existe e isso deve-se ao seu perfil nutricional (1).

Por cada 100 gramas, a quinoa contém: 368 calorias, 14,1 g de proteína, 64,2 g de Carbohidratos, 6,1 g de gordura e 7 g de fibra.

Minerais: 47 mg de Cálcio (5% da DDR), 4,6 mg de Ferro (25% da DDR), 197 mg de Magnésio (49% da DDR), 563 mg de Potássio (46% da DDR), 3,1 mg de Zinco (21% da DDR), 0,6 mg de Cobre (30% da DDR), 2 mg de Manganésio (102% da DDR), 8,5 mcg de Selénio (12% da DDR).

Vitaminas: 14 IU de Vitamina A, 2,4 mg de Vitamina E (12% da DDR), 0,4 mg de Tiamina (24% da DDR), 0,3 mg de Riboflavina (19% da DDR), 1,5 mg de Niacina (8% da DDR), 0,5 mg de Vitamina B6 (24% da DDR), 184 mcg de Folato (46% da DDR), 0,8 mg de Vitamina B5 (8% da DDR), 70,2 mg de Colina e 630 mg de Betaína.

* DDR =Dose Diária Recomendada.

Ao contrário do que acontece com a maioria dos cereais, a quinoa não contem glúten e considerada fácil de digerir, o que a torna a um alimento adequado para os celíacos e para as pessoas que sofram de algum tipo de intolerância ao glúten.

Ao dar preferência à quinoa em vez de alimentos menos nutritivos ou mais processados como o pão, pasta, arroz branco, etc, irá aumentar de forma significativa o valor nutricional da sua dieta.

A quinoa é rica em antioxidantes

Para além de possuir um perfil nutricional muito interessante em termos de quantidades de proteína, minerais e vitaminas, a quinoa também contém pequenas quantidades de um grande número de outras substâncias que também podem ser benéficas para a saúde, tais como os flavonoides, que têm propriedades antioxidantes (2).

Dois desses flavonoides antioxidantes são a quercetina e o kaempferol, que diversos estudos realizados em animais comprovaram que possuem propriedades anti-virais, anti-inflamatórias, anti-cancerígenas e antidepressivas (3, 4, 5, 6).

Outro estudo verificou que o conteúdo de quercetina da quinoa é até mais elevado do que alimentos como as amoras (7).

A quinoa é na verdade um alimento bastante rico em antioxidantes. Um estudo que comparou o teor de antioxidantes da quinoa com o de 9 outros alimentos, verificou que a quinoa tem a maior quantidade de antioxidantes de todos (8), e a quinoa que foi demolhada tem um valor ainda mais elevado (9).

A quinoa é rica em proteína

A quinoa contém uma quantidade de proteína bastante elevada para um cereal/pseudocereal, sendo que este macronutriente constitui cerca de 14% da sua massa total (1).

O seu teor de proteína por 100 calorias é mais elevado do que o do arroz integral, da batata, da cevada e do milho, embora seja menor do que o do arroz selvagem e da aveia.

Algumas avaliações nutricionais indicam que a quinoa é uma fonte de proteína completa. Na verdade, a  proteína presente na maioria dos alimentos de origem vegetal não contem os níveis adequados de certos aminoácidos essenciais, como a Lisina. Mas a proteína da quinoa contem quantidades elevadas de todos os aminoácidos essenciais, 11, 12).

Isso torna a quinoa uma fonte de proteína de melhor qualidade do que a maioria dos cereais e leguminosas, e é indicada também para vegetarianos e veganos.

Outros benefícios

Tem um índice glicémico baixo: Apesar de ter um conteúdo bastante elevado de hidratos de carbono, o índice glicémico da quinoa é de apenas 53. Um valor bastante reduzido se o compararmos com o de outros alimentos também ricos em hidratos de carbono (13).

Pode melhorar a saúde metabólica: Alguns estudos indicam que o consumo de quinoa em vez de pão e de pasta, reduz de forma significativa os níveis de glicose no sangue, de insulina e de triglicerídeos (14,). Um desses estudos também revela que a adição de quinoa a uma dieta rica em frutose, inibiu quase completamente os efeitos negativos da frutose (15).

Pode ajudar a perder peso: O fato deste fantástico alimento conter uma quantidade significativa de proteína 29 e de fibra 30, pode ajudar a diminuir o apetite, o que por sua vez provoca uma diminuição da quantidade de calorias ingeridas através da dieta. O seu índice glicémico reduzido também pode auxiliar neste processo .

Como se cozinha a quinoa?

Antes de a começar a cozinhar, deve-se deixar a quinoa de molho em água durante pelo menos 2 a 4 horas para esta germinar.

Este processo remove as saponicas presentes na quinoa (uma resina tóxica que tem um sabor amargo), aumenta o seu valor nutricional e amolece a quinoa, que pode depois ser cozinhada com maior facilidade ou ser adicionada a saladas e outros alimentos frios.

A quinoa cozinha-se  da mesma forma que o arroz. Depois de demolhada, deite a quinoa num coador e passe-a por água corrente. Coloque a quinoa numa panela e adicione 2 medidas de água por cada medida de quinoa, adicione também uma pitada de sal e coza durante cerca de 20 minutos. . Por cada xícara de quinoa, deite 2 xícara de água e uma pitada de sal.

Note que existem 3 tipos básicos de quinoa: branco, vermelho e preto, e é possível que o sabor seja ligeiramente diferente entre eles. A quinoa branca costuma ter um sabor mais suave do que os restantes.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame