Avançar para o conteúdo principal

10 benefícios do iogurte

Ingerido pelo ser humano desde há vários séculos, o iogurte tornou-se um dos alimentos mais populares em muitos países e atualmente representa cerca de 32% do total de lacticínios ingeridos na Europa (1), no entanto, a maioria das pessoas desconhece os vários benefícios que este alimento fermentado pode proporcionar à saúde.

Embora existam diversas variedades de iogurte, este é classificado como sendo um produto de leite coagulado que resulta da fermentação do ácido láctico presente no leite pelas bactérias (saudáveis) Lactobacillus bulgaricus e Streptococcus thermophilus (2).

10 benefícios do iogurte

Tem um excelente perfil nutricional

Tal como acontece com o leite, o iogurte também proporciona uma abundância de vários nutrientes, incluindo várias vitaminas, minerais e proteínas de alto valor biológico. No entanto, existem algumas diferenças entre estes dois alimentos.

Por exemplo, verificou-se que o ambiente mais ácido do iogurte aumenta a biodisponibilidade de vários minerais, incluído o cálcio, fósforo magnésio e o zinco (3-5).

As bactérias presentes no iogurte também pré-digerem uma percentagem significativa das proteínas do leite, o que tem como resultado a presença de uma maior quantidade de aminoácidos, de peptídeos no iogurte e portanto uma digestão mais facilitada da proteína (1, 3).

Para além disso, durante o processo de fermentação, entre 20 a 30% da lactose é convertida em glicose e galactose e, parte da glicose é posteriormente convertida em ácido láctico. Por conter uma quantidade mais reduzida de lactose, o iogurte é um alimento mais adequado para os indivíduos intolerantes à lactose (5).

O iogurte também contém uma maior quantidade de ácido fólico e ainda de ácidos gordos em forma livre, incluindo o CLA, que resulta da hidrólise das gorduras do leite (3).

O CLA é um ácido gordo em forma trans que está presente em maior quantidade no iogurte do que no leite e o seu consumo está associado a um redução do risco de vários problemas de saúde, tais como cancro, diabetes, obesidade e hipertensão (3, 6, 7).

Ao ser um alimento rico em nutrientes, não será de surpreender que o consumo de iogurte esteja associado a uma diminuição do risco de deficiência de vários nutrientes, incluindo zinco, cálcio, riboflavina e vitamina b-12 (8).

Melhora a saúde óssea

Necessitamos de ingerir quantidades adequadas de vários nutrientes, especialmente cálcio e proteína, para nos podermos desenvolver e ganhar a quantidade adequada de massa óssea durante o processo de crescimento. Para além disso, também necessitamos de ingerir as quantidades desses e de outros nutrientes para podermos manter uma saúde óssea ótima.

Os lacticínios, incluindo o iogurte, contém quantidades significativas de vários nutrientes que são essenciais para esse efeito, incluindo proteína, cálcio, vitamina D, potássio, magnésio, fósforo, zinco e vários outros (9).

Também se verificou que é difícil obter a quantidade recomendada de cálcio sem a ingestão de lacticínios e que a obtenção de cálcio a partir de lacticínios proporciona melhores resultados ao nível do metabolismo ósseo do que os suplementos de cálcio (9, 10).

O consumo de leite e de iogurte está também associado a uma densidade mineral óssea mais elevada e também a um conteúdo ósseo mais elevado de minerais (11, 12).

Para a maioria das pessoas, a ingestão de 3 serviços de lacticínios por dia será o suficiente para obterem a quantidade adequada de vários nutrientes essenciais para a manutenção de uma boa saúde óssea e possivelmente reduzir o risco de fraturas numa fase mais tardia da vida (9).

Previne/Alivia a Diarreia

Apesar de poder afetar todas as pessoas, a diarreia é um problema de saúde que afeta sobretudo as crianças que vivem em países em vias de desenvolvimento e onde as condições sanitárias são pouco adequadas.

Verificou-se que a ingestão de bebidas fermentadas que contenham Lactobacillus é uma forma eficaz de reduzir a duração e a frequência de infeções diarreicas neste grupo etário. Comprovou-se ainda que a ingestão probióticos ajuda a prevenir a diarreia provocada pela ingestão de antibióticos.

Parece que os probióticos presentes no iogurte exercem os seus efeitos benéficos competindo com as bactérias patogénicas e melhorando o perfil de bactérias da microflora intestinal e reforçando a barreira intestinal (5).

Regula o trânsito intestinal

Alguns estudos verificaram que certos tipos de bebidas lácteas fermentadas, que contêm as mesmas bactérias que o iogurte comum, têm o potencial de aliviar indivíduos que sofrem de obstipação e de cólon irritável através de uma redução do tempo de trânsito intestinal e também através do aumento do nº de vezes que defecam ao longo da semana (5).

Diminui o risco de cancro do cólon

A ingestão de bebidas fermentadas, incluindo iogurtes, está associada a uma redução do risco de desenvolvimento de cancro do cólon que é o segundo tipo de cancro mais diagnosticado nos EUA.

Os probióticos do iogurte parecem diminuir o risco deste tipo de cancro através da otimização do sistema imunológico, reduzindo o nível de pH do cólon e da quantidade e da atividade de várias enzimas carcinogénicas, libertadas por bactérias que se encontram nas fezes e ainda através da redução de vários tipos de metabólitos bacterianos (5).

Alivia vários problemas gastrointestinais

Verificou-se que a ingestão de iogurte ajuda a prevenir a inflamação intestinal e está associada a uma redução do risco e/ou alívio de vários problemas gastrointestinais, tais como Infeções com Helicobacter pylori, uma bactéria que está estreitamente associada ao desenvolvimento de úlceras épticas, gastrite crónica e várias outras.

Também alivia a aoença inflamatória intestinal, que incluí condições como a Doença de Crohn e a colite ulcerativa (5).

Verificou-se ainda que a dietas ricas em iogurte promovem a redução dos níveis de várias moléculas inflamatórias, tais como a proteína C-reactiva (1).

Diminui o risco de infeções respiratórias

É sabido que a flora intestinal também influencia o sistema imunológico e um estudo verificou que o consumo habitual de iogurtes proporciona uma redução significativa do risco de contrair constipações (1). Sendo assim, este alimento poderá ser uma excelente opção a incluir na dieta das pessoas mais propensas a sofrer de constipação.

Diminui o risco de alergias

A flora intestinal está estreitamente relacionada a etilogia de vários tipos de alergia e a ingestão de probióticos pode reforçar vários mecanismos de defesa do trato intestinal e diminuir a carga de antigénios.

Por exemplo, verificou-se uma microbiota intestinal alterada em crianças que sofriam de alergias e que a administração perinatal de lactobacilli diminui para metade o risco de desenvolver eczema atópico ao longo dos primeiros 2 anos de vida (13).

A ingestão de iogurte poderá ajudar a prevenir alergias alimentares. Por exemplo, verificou-se que a ingestão de L. rhamnosus GG reduz a severidade do eczema atópico e da alergia ao leite de vaca (5).

Promove a perda de gordura

Já foram realizados vários estudos que sugerem que os lacticínios promovem a perda de gordura ao mesmo tempo que ajudam a preservar a massa muscular (14).

Verificou-se ainda que o iogurte poderá promover uma perda de peso e de gordura ainda maior do que outros tipos de lacticínios, o que poderá ocorrer devido a alterações positivas na microflora intestinal decorrentes da ingestão do iogurte (14).

Vários estudos observacionais também verificaram que a ingestão de iogurte está associada a um menor risco de aumentar de peso/obesidade (14).

Reduz o risco de síndrome metabólica

Ficou comprovado que a ingestão de bebidas fermentadas, incluíndo o típico iogurte, pode promover um aumento do colesterol bom (HDL), reduzir o colesterol mau (LDL), diminuir a resistência à insulina, reduzir a tensão arterial e o risco de doenças cardiovasculares. Isto poderá dever-se em parte aos efeitos positivos do iogurte na composição corporal (14).

➤ Mostrar/Ocultar Referências!
  1. El-Abbadi NH, Dao MC, Meydani SN. Yogurt: role in healthy and active aging. The American Journal of Clinical Nutrition. 2014; 99(5):1263S-70S.
  2. Bourlioux P, Pochart P. Nutritional and health properties of yogurt. World Rev Nutr Diet. 1988; 56:217-58.
  3. Meydani SN, Ha W-K. Immunologic effects of yogurt. The American Journal of Clinical Nutrition. 2000; 71(4):861-72.
  4. de la Fuente MA, Montes F, Guerrero G, Juárez M. Total and soluble contents of calcium, magnesium, phosphorus and zinc in yoghurts. Food Chemistry. 2003; 80(4):573-78.
  5. Adolfsson O, Meydani SN, Russell RM. Yogurt and gut function. The American Journal of Clinical Nutrition. 2004; 80(2):245-56.
  6. Koba K, Yanagita T. Health benefits of conjugated linoleic acid (CLA). Obes Res Clin Pract. 2014; 8(6):e525-32.
  7. Chen SC, Lin YH, Huang HP, Hsu WL, Houng JY, Huang CK. Effect of conjugated linoleic acid supplementation on weight loss and body fat composition in a Chinese population. Nutrition. 2012; 28(5):559-65.
  8. Wang H, Livingston KA, Fox CS, Meigs JB, Jacques PF. Yogurt consumption is associated with better diet quality and metabolic profile in American men and women. Nutrition Research. 33(1):18-26.
  9. Rizzoli R. Dairy products, yogurts, and bone health. Am J Clin Nutr. 2014; 99(5 Suppl):1256S-62S.
  10. Weinsier RL, Krumdieck CL. Dairy foods and bone health: examination of the evidence. The American Journal of Clinical Nutrition. 2000; 72(3):681-89.
  11. Rizzoli R. Dairy products, yogurts, and bone health. The American Journal of Clinical Nutrition. 2014; 99(5):1256S-62S.
  12. Sahni S, Tucker KL, Kiel DP, Quach L, Casey VA, Hannan MT. Milk and yogurt consumption are linked with higher bone mineral density but not with hip fracture: the Framingham Offspring Study. Archives of osteoporosis. 2013; 8(0):119-19.
  13. Kalliomaki M, Isolauri E. Role of intestinal flora in the development of allergy. Curr Opin Allergy Clin Immunol. 2003; 3(1):15-20.
  14. Astrup A. Yogurt and dairy product consumption to prevent cardiometabolic diseases: epidemiologic and experimental studies. The American Journal of Clinical Nutrition. 2014; 99(5):1235S-42S.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame