Avançar para o conteúdo principal

Os Perigos do Clembuterol

Sempre que a temperatura começa a aumentar e à medida que o verão se aproxima, há várias coisas que podemos esperar, e uma delas é o aumento da procura de suplementos dietéticos e/ou fármacos, que ajudem a perder com maior rapidez o excesso de gordura que se foi acumulando ao longo dos meses e anos.

Uma dessas substâncias, a que as pessoas recorrem com maior frequência, especialmente aquelas que frequentam os ginásios, é o clembuterol, que, apesar de ser um fármaco controlado, ou proibido, parece estar a tornar-se cada vez mais popular (1, 2).

O que é o clembuterol?

O clembuterol é um fármaco comercializado em alguns países, nos quais é usado como descongestionante e broncodilatador, sobretudo no tratamento de problemas respiratórios, tais como a asma.

Por estranho que isso possa parecer a muitos, e apesar de poder provocar um aumento do ritmo metabólico, o clembuterol não foi desenvolvido para tratar o excesso de peso/obesidade (3).

Durante vários anos foi usado pelos criadores de animais para aumentar o peso e o rácio de carne para gordura dos animais para abate, mas atualmente o seu uso está proibido na Europa, Estados Unidos e na China (4, 5, 6).

Apesar de poder promover um aumento da massa muscular e perda de tecido adiposo subcutâneo em animais, não foram realizados estudos que comprovem esses efeitos em seres humanos e não podemos extrapolar os resultados obtidos em animais (7, 8).

A proibição do seu uso na produção de carne está, em parte, relacionada com o facto de já terem ocorrido vários casos de intoxicação após ingestão de partes de animais (sobretudo fígado) aos quais tinham sido administrado clembuterol.

Isso já aconteceu em Portugal, Espanha, Itália e os sintomas mais frequentes foram tremores intensos dos membros, taquicardia, náuseas, dores de cabeça e tonturas, sendo que várias pessoas tiveram mesmo que ser hospitalizadas (9, 10, 11, 12).

É também uma substância proibida em quase todas as modalidades desportivas (doping) e a sua ingestão também já conduziu à suspensão de vários atletas (13, 14, 15).
Os perigos do clembuterol

Sendo um potente estimulante do sistema nervoso simpático, pode-se esperar alguns efeitos secundários similares aos das catecolaminas, como a adrenalina e a noradrenalina (16, 17, 18).

Esses efeitos secundários incluem:
  • Nervosismo
  • Tremores
  • Palpitações
  • Vómitos
  • Taquicardia
  • Aumento da tensão arterial
  • Dores de cabeça
E ainda vários outros como:

Insónias: Devido às propriedades estimulantes do clembuterol e por ter uma meia vida longa (cerca de 26 horas), é muito provável que a sua ingestão provoque dificuldades em dormir (19).

Cãibras: A ingestão de clembuterol pode conduzir a uma maior perda de potássio e de taurina, o que poderá explicar a maior prevalência de câibras após a ingestão deste composto (20, 21, 22). A perda de taurina é especialmente preocupante, por ter sido demonstrado que tem efeitos protetores no coração.

Problemas cardiovasculares: A ingestão de clembuterol poderá ter uma influência extremamente negativa no sistema cardiovascular. Algumas investigações indicam que o clembuterol tem efeitos tóxicos e pode provocar danos permanentes no coração, mesmo quando ingerido em quantidades terapêuticas (23, 24). Verificou-se ainda que o clenbuterol provoca uma hipertrofia do ventrículo esquerdo do coração e ao mesmo tempo uma redução da capacidade de resistência (25).

Enfarte do miocárdio: Já ocorreram vários casos de infarto do miocárdio e de outras complicações cardiovasculares sérias após a ingestão de clembuterol. Vários desses casos ocorreram em praticantes de musculação (26, 27, 28, 29, 30).

Conclusão

Como pode ver, o clembuterol não é uma substância inócua que possa ser ingerida sem preocupações. A sua ingestão está associada a um conjunto de efeitos secundários, principalmente ao nível da saúde cardiovascular (31).

Estime a sua saúde! A possibilidade de sofrer um infarto ou de sofrer danos permanentes no coração deveria ser o suficiente para as pessoas evitem o clembuterol todo o custo, a menos que tenham que o fazer por expressa indicação médica.

Em vez de se aventurar a ingerir comprimidos de proveniência duvidosa, caso pretenda perder peso, procure obter acompanhamento por parte de profissionais qualificados, que compreendem os seus objetivos e que o podem acompanhar na sua busca de um corpo mais estético, sem agravar ou arriscar a sua saúde.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame