Avançar para o conteúdo principal

Os Alimentos Ultraprocessados Diminuem a Força Muscular

Os alimentos ultraprocessados, mais conhecidos por “fast-food” fornecem cerca de 50% da energia consumida diariamente em países ocidentais como os EUA e Reino Unido.

Tipicamente, esta categoria de alimentos é hiperenergética, contém açúcar, gordura saturada, gordura trans e sal adicionado. É também pobre em fibra, proteína, vitaminas e minerais.

Tem vindo a acumular-se evidência científica de que, devido à sua composição nutricional inadequada, os alimentos ultraprocessados podem diminuir a síntese de proteína muscular.

  1. A presença de ingredientes artificiais e aditivos como edulcorantes, estabilizadores, emulsificantes e conservantes pode promover uma maior proliferação de bactérias pro-inflamatórias no trato gastrointestinal, o que pode contribuir para a perda de força e massa muscular.
  2. Os produtos de glicação avançada (AGEs), presentes em maiores quantidades em produtos como bolachas, biscoitos, e batatas fritas, podem acumular-se no tecido muscular e associam-se à perda de força.
  3. As embalagens que contêm estes alimentos geralmente incluem ftalatos e bisfenóis, cujo consumo se relacionada com menor força muscular.

Até à data, pouco se sabia acerca da relação entre a ingestão de alimentos ultraprocessados e força muscular, que é um fator de incapacidade para os idosos.

Recentemente, um grupo de estudiosos investigou a associação entre a ingestão de “fast-food” e alterações na força de preensão de adultos de meia-idade e em idosos.

O seu estudo incluiu um total de 5409 indivíduos com uma idade igual ou superior a 40 anos. Para além de obterem dados de ingestão de “fast-food” a partir de um questionário de frequência alimentar, os investigadores também registaram anualmente a força de preensão da mão com recurso a um dinamómetro digital.

No respeitante a resultados, verificou-se que um maior consumo de alimentos ultraprocessados está associado a um declínio mais rápido da força de preensão de adultos de meia-idade e idosos.

Mais precisamente, constatou-se que um aumento de 10% de alimentos ultraprocessados na dieta relaciona-se com uma diminuição anual de 0,37 kg da força de preensão.

Os autores deste trabalho concluíram:

Uma ingestão mais elevada de alimentos ultraprocessados foi associado a um maior declínio da força muscular.

De notar que um estudo anterior, que incluiu adultos a partir dos 18 anos, também demonstrou que o padrão alimentar típico ocidental, à base de “fast-food” associa-se a uma menor capacidade de produção de força.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame