Avançar para o conteúdo principal

A Eletroestimulação Muscular Potencia os Ganhos de Força e a Hipertrofia?

Embora já estejam presentes no mercado há várias décadas, nos últimos anos o uso de equipamentos de eletroestimulação tem vindo a popularizar-se nos ginásios, salas de musculação e centros de treino especializado.

Nesses contextos, a eletroestimulação geralmente é aplicada a um ou vários grupos musculares através de um fato/equipamento especial que é necessário vestir, e habitualmente é usada em combinação com exercícios de musculação, como o agachamento e outros.

Mas será que o uso destes dispositivos, em combinação com o exercício resistido, se traduz em maiores ganhos de força e de massa muscular?

O que diz a ciência?

Para sabermos se algum método é ou não eficaz, o melhor será aplicar uma metodologia científica e testá-lo num ambiente controlado.

Recentemente, um grupo de investigadores abordou este tema e, para o efeito, recrutou 55 homens jovens e saudáveis, sem experiência de treino resistido nos 6 meses anteriores, mas fisicamente ativos.

Estes voluntários foram distribuídos em três grupos:

  • Um grupo que apenas realizou exercício resistido
  • Um grupo que seguiu o programa de treino resistido em combinação com a eletroestimulação.
  • Um grupo de controlo no qual os voluntários não treinaram com pesos nem usaram um equipamento de eletroestimulação.

O programa de treino, que teve uma duração total de 8 semanas, consistiu em:

  • 2 treinos por semana.
  • Em cada treino executaram-se os exercícios agachamento, rosca bíceps e tríceps pulley.
  • Para cada exercício, realizaram 3 séries de 8 a 12 repetições máximas.
  • O período de descanso entre séries foi de 90 segundos.
  • Os pesos levantados em cada exercício foram continuamente ajustados.
  • A intensidade da estimulação elétrica também foi progressivamente aumentada.

Estes investigadores efetuaram testes de força máxima (1RM) e avaliaram a espessura muscular por ultrassonografia, antes e após as 8 semanas de treino.

Resultados

No que respeita aos resultados, estes investigadores detetaram melhorias significativas no grupo que executou o treino resistido com o equipamento de eletroestimulação, nomeadamente em termos de ganhos de força e ao nível da hipertrofia muscular.

O grupo que realizou o treino resistido + eletroestimulação (TR+Ele) obteve maiores aumentos de 1RM nos exercícios rosca bíceps (24,3% vs. 15,1%) e agachamento (43,2% vs. 20,5%) do que o grupo que apenas realizou treino resistido, enquanto que os ganhos no exercício tríceps pulley foram praticamente similares (21,2% vs. 22,1%).

A combinação de treino resistido com eletroestimulação (TR+Ele) também proporcionou maiores ganhos ao nível da espessura dos músculos tríceps braquial (16,8% vs. 9,1%), bíceps braquial (21,6% vs. 11,9%), embora os ganhos no músculo vasto lateral tenham sido quase idênticos (12,9% vs. 13%) aos do grupo que apenas realizou o treino resistido.

No seu trabalho, os autores referem possíveis mecanismos que podem ajudar a explicar os resultados observados:

  • A adição de eletroestimulação ao exercício resistido poderá permitir recrutar um maior número de unidades motoras, aumentar o nível de stress mecânico e metabólico.
  • O stress mecânico e o stress metabólico têm vindo a ser referidos como fatores que promovem o aumento da área de circunferência do músculo.

Na sua conclusão, estes investigadores escreveram:

Os nossos dados sugerem que a combinação de treino resistido com eletroestimulação pode promover alterações ao nível da força e espessura muscular, em indivíduos saudáveis e ativos.

Referência!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame