Avançar para o conteúdo principal

7 Razões para Evitar os Esteroides Anabolizantes

Os esteróides anabolizantes são um tópico problemático e o apelo ao seu consumo parece ser sentido não só por atletas,(1) mas também por praticantes de musculação, sobretudo homens jovens.(2)

De facto, verificou-se que 20,6% dos culturistas residentes no município de João Pessoa, no Brasil, usavam Esteróides Anabólicos Androgénicos (EAA). A maioria dos consumidores eram homens jovens (98,1%), e grande parte (49.5%) já contava com mais de 4 anos de experiência de treino.(3)

O número de compostos atualmente disponíveis e consumidos impressiona,4 e os mais populares parecem ser o Deca-Durabolin (nandrolona), Winstrol (estanozolol), e o Sustanon (testosterona).(3)

Não restam dúvidas relativamente à popularidade dos EAA, mas os seus potencias efeitos deletérios para a saúde tendem a ser menos discutidos e até mesmo desvalorizados.

Na verdade, o seu uso implica riscos para a saúde e é muito importante que os seus utilizadores, e potenciais interessados na sua utilização, estejam bem cientes deles.

Desordens do Sistema Reprodutivo

Os EAA são derivados da testosterona e por isso compreende-se que influenciem o sistema hormonal e, consequentemente, o sistema reprodutivo.

Desde logo, a administração exógena de testosterona e seus derivados suprime o eixo hipotálamo-hipófise-gonadal, o que se traduz numa diminuição significativa dos níveis das hormonas luteinizante (LH) e folículo estimulante (FSH), o que tem como consequência a atrofia dos testículos, a diminuição da produção de sémen e da sua qualidade, e a diminuição da produção endógena de testosterona.(5)

O aumento dramático dos níveis de testosterona, ou dos seus derivados, pode levar a um aumento da sua conversão em estrogénios, que por sua vez pode causar ginecomastia, a qual poderá tornar-se permanente.(5)

A cessação da administração exógena de esteroides anabolizantes permite a recuperação do ambiente hormonal anterior e da função reprodutiva, mas a recuperação total pode demorar mais de 4-5 meses, e em alguns casos poderá demorar mais de 1 ano.(5)

Problemas Cardiovasculares

O uso de EAA associa-se a um aumento significativo do risco de problemas cardiovasculares, mesmo em indivíduos jovens, podendo ocorrer cardiomiopatia, fibrilação atrial, dispersão do intervalo QT, acidente vascular cerebral, enfarte do miocárdio, trombose ventricular e embolismo sistémico, insuficiência cardíaca aguda, e morte súbita cardíaca.(5)

Entre os mecanismo que podem explicar esse aumento do risco temos o aumento da pressão arterial, alterações do sistema hemostático, com aumento do risco de formação de coágulos sanguíneos, diminuição dos níveis de colesterol HDL, e aumento do LDL, bem como efeitos negativos na estrutura e funcionamento do coração.(5)

Problemas Hepáticos

Aparentemente, o uso de EAA pode causar doenças hepáticas graves, inclusive alterações subcelulares dos hepatócitos, colestase, peliose hepática e hiperplasia hepatocelular, e carcinomas.(5)

Estes efeitos relacionam-se sobretudo com o consumo de EAA orais, ou seja, com o uso de esteroides 17-α-alquilatados como a metiltestosterona, oximetolona, fluoximesterona, noretandrolona e metandienona.(5)

Problemas Renais

Os autores de uma revisão sistemática publicada em 2019 verificaram que os EAA podem induzir ou agravar lesão renal aguda, doença renal crónica e toxicidade glomerular.

Estes efeitos adversos parecem ocorrer devido ao aumento da pressão arterial mediada por estimulação do sistema renina-angiotensina-aldosterona, e pelo aumento da produção de endotelina; maior produção de espécies reativas de oxigênio, aumento da expressão de mediadores pró-fibróticos e pró-apoptóticos como a TGF-β1, e aumento dos níveis de citocinas pró-inflamatórias, incluindo TNF-α, IL-1b e IL-6.(6)

Acne

Entre 40 a 50% dos utilizadores de EAA sofrem de acne, e verifica-se que estes compostos podem provocar ou agravar a acne já existente,(5,7) podendo também causar o aparecimento súbito de acne fulminante, uma forma muito mais severa e grave desta condição de pele.(7)

Os mecanismos por detrás deste fenómeno relacionam-se com a capacidade que os EAA têm de potenciar a hipertrofia das glândulas sebáceas, juntamente com o aumento da excreção de sebo, aumento da produção de lipídios na superfície da pele e o aumento do número de bactérias do tipo Propionibacterium acnes.(7)

Virilização (nas mulheres)

Na literatura científica encontram-se bem documentados casos de virilização na grande maioria das utilizadoras de esteroides anabolizantes, incluindo voz mais grossa, aumento do crescimento do pelo corporal, inclusive facial, calvície androgenética, aumento do clitóris e alterações da libido, maior agressividade, aumento do apetite, acne, irregularidades menstruais e diminuição do tamanho dos seios.(5)

De notar que estes e outros efeitos secundários tendem a ocorrer nas primeiras semanas de uso e, frequentemente, as mulheres não se dão conta deles, passando frequentemente despercebidos, e podendo apenas ser detetados aquando da realização de análises ou exames médicos específicos.(5)

Maior Risco de Mortalidade

Num estudo retrospetivo, que acompanhou 545 consumidores de EAA ao longo de 12 anos, verificou-se que a mortalidade foi três vezes mais elevada para o grupo de consumidores, em comparação com um grupo de controlo.(8)

Não será de surpreender que a mediana de hospitalizações anuais também foi significativamente mais elevada para o grupo de consumidores de EAA.(8)

Os investigadores responsáveis por este trabalho concluíram que:
Os utilizadores de esteróides anabolizantes androgénicos têm um risco aumentado de morte e significativamente maior de internamentos hospitalares do que os não utilizadores.

Conclusão

Note que o consumo de esteróides anabolizantes pode ter outras consequências negativas para a saúde para além das já referidas, incluindo: Insónias, maior irritabilidade, agressividade, libido, apetite, transpiração, e também aumento do risco de ruturas musculares, lesões tendinosas e fraturas ósseas, queda de cabelo, fadiga, rabdomiólise, estado depressivo e pensamentos suicida.(5,9,10)

Mais grave ainda, já foram reportados casos de infeções com produtos injetáveis que resultaram em abcessos, e necrose de tecidos.(11,12) E sabe-se que grande parte dos produtos que são vendidos no mercado negro são de proveniência duvidosa, de laboratórios clandestinos, contrafeitos e/ou produzidos em condições sanitárias inadequadas. Neste contexto, o risco de infeções e de contaminação com substâncias perigosas é elevado.(11-13)

De referir que grande parte dos muitos efeitos deletérios para a saúde que foram referidos ao longo deste artigo podem ser crónicos. O que significa que o uso de EAA pode ter consequências negativas para a saúde que se irão prolongar durante toda a vida.

Tendo em conta estes dados, não restam dúvidas de que os EAA representam um sério risco de saúde pública e que o seu uso deve ser vivamente desincentivado.

O surgimento e a popularização de competições de culturismo que aplicam sistemas de controlo anti-doping representam uma medida muito correta e que poderá ajudar a que, futuramente, os EAA não façam parte do desporto do culturismo.

➤ Mostrar/Ocultar Referências!
  1. Fortunato RS, Rosenthal D, Carvalho DP. [Abuse of anabolic steroids and its impact on thyroid function]. Arq Bras Endocrinol Metabol. 2007;51(9):1417-1424.
  2. Sjöqvist F, Garle M, Rane A. Use of doping agents, particularly anabolic steroids, in sports and society. Lancet. 2008;371(9627):1872-1882.
  3. Nogueira FR, Brito Ade F, Oliveira CV, Vieira TI, Gouveia RL. Anabolic-androgenic steroid use among Brazilian bodybuilders. Subst Use Misuse. 2014;49(9):1138-1145.
  4. Iriart JA, Andrade TM. [Body-building, steroid use, and risk perception among young body-builders from a low-income neighborhood in the city of Salvador, Bahia State, Brazil]. Cad Saude Publica. 2002;18(5):1379-1387.
  5. Hartgens F, Kuipers H. Effects of androgenic-anabolic steroids in athletes. Sports Med. 2004;34(8):513-554.
  6. Davani-Davari D, Karimzadeh I, Khalili H. The potential effects of anabolic-androgenic steroids and growth hormone as commonly used sport supplements on the kidney: a systematic review. BMC Nephrol. 2019;20(1):198.
  7. Melnik B, Jansen T, Grabbe S. Abuse of anabolic-androgenic steroids and bodybuilding acne: an underestimated health problem. J Dtsch Dermatol Ges. 2007;5(2):110-117.
  8. Horwitz H, Andersen JT, Dalhoff KP. Health consequences of androgenic anabolic steroid use. J Intern Med. 2019;285(3):333-340.
  9. Bates G, Van Hout MC, Teck JTW, McVeigh J. Treatments for people who use anabolic androgenic steroids: a scoping review. Harm Reduct J. 2019;16(1):75.
  10. Frati P, Busardò FP, Cipolloni L, Dominicis ED, Fineschi V. Anabolic Androgenic Steroid (AAS) related deaths: autoptic, histopathological and toxicological findings. Curr Neuropharmacol. 2015;13(1):146-159.
  11. Friedman O, Arad E, Ben Amotz O. Body Builder’s Nightmare: Black Market Steroid Injection Gone Wrong: a Case Report. Plast Reconstr Surg Glob Open. 2016;4(9):e1040.
  12. Rich JD, Dickinson BP, Feller A, Pugatch D, Mylonakis E. The infectious complications of anabolic-androgenic steroid injection. Int J Sports Med. 1999;20(8):563-566.
  13. Ritsch M, Musshoff F. [Dangers and risks of black market anabolic steroid abuse in sports –gas chromatography-mass spectrometry analyses]. Sportverletz Sportschaden. 2000;14(1):1-11.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame